quarta-feira, agosto 10, 2016

Primeira ida deste ano à praia

Sábado à tarde fomos à praia. Saímos de casa e seguimos rumo a norte de Dublin. Lá chegados, tirei as alpercatas. E pronto, foi basicamente isto. Estava vento, um pouco fresco, o sol escondia-se atrás das nuvens e, como tal, não despi o casaco nem nada, só mesmo as alpercatas dos pés.
Apesar do tempo pouco estival, deu para sentir a areia nas patinhas e o cheiro a maresia, e ainda fizemos um pic-nic, com sandes, sumos, batatas-fritas (tudo muito saudável...) e gelado da carrinha de gelados (que aqui anda mesmo pelo areal).

Not that bad.


Quando os pés não sabem o que é sol e ar fresco (não filtrado pelas meias) há meses.

sexta-feira, julho 22, 2016

Este ja ca canta

Saldos de Verao e eu aproveito para comprar um casaco de Inverno. E o que da viver a meio caminho do polo norte.


Massimo Dutti

quinta-feira, julho 21, 2016

Facto

Impossível estar com os headphones nos ouvidos num espaço público e não fazer lip sync. É no ginásio, é na rua, é no trabalho, é em todo lado. E é uma sorte quando não me ponho a cantar baixinho... "baixinho"...


quarta-feira, julho 20, 2016

Sabes que estas na Irlanda quando...

Chefes de todo o lado, de varias empresas, mandam o pessoal embora mais cedo porque... esta bom tempo!


terça-feira, julho 12, 2016

As coisas que eu tenho de ouvir...

Sr. Gambuzino, logo após a vitória de Portugal, diz: "Karina, se hoje fizessemos um filho, chamar-se-ia... Éder!"


No. Noup. Na-na! 

segunda-feira, julho 11, 2016

Vive le Portugal!

Que as nossas vitórias de ontem tanto no futebol como no atletismo mostrem que somos pequenos mas enormes e capazes. Que sirva de motivação e confiança. Que a união que ontem se viu e viveu, se mantenha. Que tenhamos mais compaixão para com nós próprios como tivemos ontem quando Cristiano Ronaldo se lesionou (o lesionaram). Que a inveja se transforme em cooperação. Que o patriotismo vá bem além do futebol. Que se responde ao "tudo bem?" não com um "vai-se andando..." mas sim com um "faz-se por isso!"

E eu, que não gosto de futebol - não tenho paciência de estar 90 minutos (na melhor das hipóteses) especada a ver uns quantos tipos atrás de uma bola - gostei, claro, que a selecção nacional tivesse ganho o Euro. Nem que seja só para provarmos não só aos outros mas a nós próprios também, que quando se quer, quando nos unimos, quando fazemos por isso, conseguimos.

E o nosso hino? Caramba, é mesmo bonito.

quinta-feira, junho 30, 2016

Nota mental

Não andar a ver imagens de comida, daquelas que uma pessoa quase consegue sentir o seu cheiro de tão apetitosa que parece, quando trouxeste apenas sopa para o almoço.
Bem boa, uma bela pratada de sopa de agriões, mas só sopa.

E a próxima viagem vai ser a...

A ideia era ir à Islândia. Ando há anos a dizer que quero lá ir e lá nos decidimos aproveitar o feriado que há cá no final de Outubro. Mas quando fomos para comprar as passagens de avião vimos que ficava demasiado caro para irmos só por quatro dias. Tudo por causa do feriado...
Andámos a pesquisar por outros destinos e acabámos por nos decidir por Paris. Nunca fomos lá, a viagem fica bem mais barata para esses dias em relação a Reykjavik e, ok, pareceu-nos bem.
Sr. Gambuzino, claustrofóbico e, como tal, muito pouco amigo de elevadores, já avisou que vai de escadas ao topo da Torre Eiffel. Eu já avisei que vou lá acima mas, com as minhas vertigens, não o largo nem por um segundo.


Não é desta que vou à Islândia, mas fica para a próxima. Parrrris, oui oui, croissant!

sexta-feira, junho 24, 2016

Aquele empurrão* que eu estava mesmo a precisar


Na fila do supermercado para pagar as minhas compras, com umas três ou quatro pessoas à minha frente, a menina da caixa olha para mim e diz, com um ar muito cândido "Há caixas prioritárias, pode ir para que é logo atendida!"
E eu, que até ao momento estava muito embrenhada nos meus pensamentos, olho para ela sem ter a certeza que tinha ouvido bem. Arregalo os olhos e pergunto apenas com a minha expressão facial, subindo apenas uma das sobrancelhas.
A menina apercebe-se que eu poderei não estar grávida e responde ao meu subir de sobrancelha "não... não está grávida...?"
"Não...", respondo eu, meio a sorrir meio a pensar seriamente na minha vida e que estes três/quatro quilos que eu tenho a mais têm de desaparecer o mais depressa possível.

Chegada a minha vez, a menina desmancha-se em pedidos de desculpa e diz que eu não estou gorda, simplesmente "tem ar de mamã" (o que é isso de ar de mamã?!) e que "como estava debruçada em cima do carrinho de compras, pensei que poderia estar a sentir-se mal...". Não, não estou grávida nem me estava a sentir mal, estava só a apanhar a seca que é normal apanhar-se numa fila de supermercado, respondo eu, a rir-me.

E pronto, apesar da menina ter dito uma data de vezes que "está muito bem! não foi mesmo por achar que estava gorda ou com barriga, nem nada, aiiii, peço imensas desculpas!" e por eu ter dado a entender (espero eu) que não tinha ficado ofendida com esta história, estes três/quatro quilos a mais têm mesmo de ir à sua vidinha. Até setembro, já agora, pela altura do próximo casamento. Nada pior que uma data de pessoas emocionadas e inspiradas com o casamento, virem perguntar quando é que nasce a criança quando a única criança que há é um pneu a mais.

*desta vez, só para variar, é um empurrão metafórico

quinta-feira, junho 16, 2016

Coisas que só a mim me acontecem


Estar a lavar os armários da cozinha em cima de uma cadeira e, ao descer, dar um jeito de tal maneira que para não cair estatelada de trombas e partir-me toda, conseguir apoiar um pé no chão mas ficar com a ponta das costas da cadeira, mais saliente, enfiada na dobra entre o rabo e a outra perna.

Ora portanto, de momento tenho uma nódoa negra (bem negra) do tamanho de uma laranja no rabo. Mais aquela que tenho na perna, à frente, que não faço a mínima ideia como fiz. 

'Tá-se.