sábado, dezembro 31, 2011

O último post deste ano

As últimas horas deste ano vão ser passadas em casa dos pais, com a família, com muita comida, com muitos doces, com muita alegria. E as primeiras horas de 2012 vão ser com os amigos. Porque é assim que sou feliz, com a família e com os amigos por perto, por isso não consigo arranjar melhor programa que passar o fim de um ano e o início de outro com aqueles que mais amo.

A todos que por aqui passam, desejo um Feliz Ano Novo, entrem com o pé direito, ponham dinheiro em cima da mesa (com um guardanapo por baixo, que é dar para o badalhoco aqueles que pões as moedas vindas sabe-se lá de onde por cima da toalha com comida), saltem da cadeira e não se esqueçam das 12 passas à meia-noite.

Eu agora vou agora arranjar-me, vestir as cuecas azuis e pôr-me toda pipi. 

Beijo grande e até p'ró ano!


sexta-feira, dezembro 30, 2011

Só mais uma coisinha a dizer...

FÉRIAS!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

Do aumento do IVA

Que a vida está cara, já nós todos sabemos, mas verdade seja dita, refrigerantes, batatas fritas, refeições pré-preparadas e sobremesas lácteas são alguns dos alimentos não essenciais, só fazem é mal à saúde. Não me choca que estes passem para 23%.

Mas peço, encarecidamente, que alguém explique aos senhores Doutores que decidiram aumentar o IVA dos produtos alimentares de 6% para 23% que o Tofu não é uma sobremesa láctea. O Tofu é, para quem não come carne, um dos seus substitutos.

quinta-feira, dezembro 29, 2011

Longe longe longe de ser inveja

Mas ler uma entrevista numa certa revista com aquela menina que foi colega de faculdade, que era a lambe-botas professional do sítio, mete-me um pouco de nojo. Esqueceram-se, no entanto, de explicar que ela consegue avançar tão depressa na carreira porque os papás são figuras importantíssimas cheias de conhecimentos, e que por muito mau que fosse o seu trabalhinho, o seu parlapiê abrangia níveis incríveis de genialidade, quase convencendo um cego que consegue ver.

Mas se calhar sou eu que sou burra, talvez devesse ter dado mais graxa e trabalhado menos. Porque a vida é mesmo dos (chicos) espertos.

Os saldos e a luta-livre

Gosto muito dos saldos. Pena não ter paciência para andar a vasculhar as feiras que se tornam as lojas nestas épocas. Ou vejo logo alguma coisa que me agrada, ou vou à procura de algo em concreto, ou entro, dou meia volta e saio.

Mesmo que insista em tentar encontrar alguma coisa, há sempre meia dúzia de mãos a quererem agarrar a mesma coisa, outra dúzia de mãos a mexer e remexer nas pilhas de roupa de forma a transformar essas mesmas pilhas em Everests de trapos, e nunca menos de duas dúzias de cotovelos prontos a efectuar autênticos golpes de Karaté, sem qualquer pingo de misericórdia.

Ou seja, durante a época de saldos, para além de feiras, as lojas tornam-se em verdadeiros ringues de luta-livre, em que todos lutam pelo Cinturão Melhor Comprador.

É o salve-se quem puder.

quarta-feira, dezembro 28, 2011

Sobre aquela frase que relaciona a falta de memória com a ingestão massiva de queijo

"Não te lembras?! Andas a comer muito queijo!"

Cá para mim isto foi algo inventado por alguma fábrica de fiambres.

Se por um lado eu tenho uma memória praticamente fotográfica e era capaz de me alimentar só de queijo, por outro lado conheço pessoas que só de ouvirem a palavra queijo ficam enjoadas e tem uma memória idêntica a um peixinho dourado.

É, acho que é um complô das fábricas de fiambres aos queijos.

terça-feira, dezembro 27, 2011

Eu sei, eu sei, sou brutal... cof cof...

Andava já há uns dias a ver se descobria uma música que costuma dar num anúncio do canal TLC. Bem podia procurar no Google, que aparecia tudo e mais alguma coisa menos aquilo que queria.

Ontem à noite estava eu na cozinha quando começou a dar o dito anúncio. Parei de fazer o quer que estivesse a fazer, aumentei o volume. "Eu conheço esta voz... eu conheço esta voz!".

Há pouco lembrei-me de confirmar se seria mesmo o que eu estava a pensar. Na mouche!

Calma, relaxa, inspira, expira...

para a próxima semana estás de férias, Karina. Lembra-te disso. É só mais esta semana.

Inspira, expira... inspira, expira... conta até dez...

segunda-feira, dezembro 26, 2011

Primeiro GiveAway!

Ofereço uma dor de cabeça brutal, com direito a pontadas na testa, olhos e nariz.

Os custos de envio ficam a meu encargo. Digam lá se não é um giveaway imperdível!

Do Natal 2011

Tenho um abastecimento avultado de chocolates que deve dar para um ano. Mas estão "escondidos", para não me perder em tentações.

E o vosso Natal foi bom?!
























Muito obrigada a todos pelas mensagens ***

sexta-feira, dezembro 23, 2011

Fomos tão felizes juntos

Eu e tu. Tu e eu... mas chegou a hora de partires. Não sei como vai ser a minha vida sem ti, que tanto jeito me deste. Ainda por cima foi tão repentino. Estava eu a pôr dentro de ti as batatas doces cortadas em cubos com oregãos, azeite e alho quando puff... foste à vida. Ainda pensei que fosse alguma macacoazita, mas não. Morreste, deixando-me desamparada. E as batatas lá tiveram de ir para o forno grande, que gasta muito mais electricidade.

Adeus, adeus querido mini-forno eléctrico!

Feliz Natal*

Desejo a todos um Feliz Natal, cheio de amor, paz e saúde. E aproveitar agora para comer aqueles docinhos maravilhosos (já me estou a babar só de pensar nos coscorões maravilhosos que a minha mãe faz).

Um beijo enorme ***

quinta-feira, dezembro 22, 2011

Duplo prazer

Oh yes, era mesmo disto que eu andava a precisar!

Acabinho de ler

Um dia, David Nicholls.

Confesso que antes de o comprar andei uns meses a hesitar, se o compraria ou não. Não sei porquê, achava sempre que seria mais alguma historia à Nicholas Sparks - não que tenha alguma coisa contra o Nico, até já li uns quantos livros dele, mas não são o meu tipo de leitura preferida. Até que um dia, após uma pessoa conhecida ter falado tão bem do dito cujo, ganhei coragem e fui à Fnac direitinha ao livro e lá o adquiri.

E li-o de rajada. É bom, tão bom. Daqueles livros que, num momento ora ria às gargalhadas ora, no momento seguinte, dava por mim a abanar a cabeça como forma de concordância, como se o que tivesse acabado de ler fosse a absoluta das verdades. Tem partes leves, partes mais pesadas, e um fim inesperado.

Bom bom bom!

quarta-feira, dezembro 21, 2011

O escorpião que há em mim

Se há coisa que me tira do sério é que me interrompam quando estou a falar.

Uma coisa é quando estão várias pessoas a participar numa conversa. Há sempre interrupções porque alguém não concorda com algo, outro acha bem, aquele diz que sim, este diz que não ou assim-assim. Nestas situações, é perfeitamente normal.

Outra coisa é quando, por exemplo, estou a ter uma conversa com uma outra pessoa e de repente, do nada, surge uma terceira voz que se está absolutamente a marimbar se está a interromper ou não. O chamado, chegou, viu e venceu, também conhecido por arrogante-mal-educado-inoportuno.

Mas eu, torta como sou, continuo a falar, nuns decibéis mais altos. Fecho ligeiramente os olhos, com tendência para fechar mais um que o outro, para ficar com um olhar sério, frio, fulminante. Franzo a testa, para mostrar que não estou contente com a situação. O meu tom de voz torna-se numa espada afiada capaz de cortar sombras de crocodilo. Todo o meu corpo grita: "MAS QUÉ ESTA MERDA?! A INTERROMPER-ME?!". E, muito educadamente, após todo este processo, faço um ar cândido, como se não tivesse acontecido nada.

terça-feira, dezembro 20, 2011

Ai daquele que tenha a ousadia de desligar o ar condicionado.

Terá uma supresa - para não dizer que não avisei - desagradável. Qualquer coisa que poderá envolver tortura medieval com práticas musicais utilizadas em Guantánamo.

Os meus pés assemelham-se a um rissol congelado esquecido há 3 anos numa arca frigorífica, e isto tudo com o ar condicionado ligado nos 30ºC - temperatura essa longe de ser atingida, diga-se. Imagino se estivesse desligado.

segunda-feira, dezembro 19, 2011

Das piores coisinhas que me podem dizer

"Vais ter uma surpresa!". Não é que não goste de surpresas, mas vejamos os factos:

1. - Uma surpresa é um acontecimento inesperado. A partir do momento em que se diz que algo inesperado vai acontecer, perde imediatamente esse mesmo estatuto, visto que
2. - se for como eu, fica logo com os sentidos em alerta à caça de sinais que tentem descobrir qual será a dita surpresa;
3. - Pior, não me calo até descobrir qual será a tal surpresa. E, por norma, ou adivinho, ou canso tanto a pessoa que esta acaba por me revelar a verdade.
4. - Ao revelar a surpresa, deixa de o ser, ou seja,
5. - deixa de ter piada.

Portanto, se é para se fazer uma surpresa, que assim seja até ao final. Contar as coisas às mijinhas é irritante.

sexta-feira, dezembro 16, 2011

Numa próxima vida quero ser

professora de Educação Física.
Faz-se desporto - o que é saudável -, está-se sempre em forma e ainda por cima é-se pago por isso. Só preciso é de gostar realmente de fazer exercício físico... mas tirando isso, parece-me genial!

quinta-feira, dezembro 15, 2011

Momento alto da noite de ontem

Estava eu a jantar com as minhas queridas C. e I., quando um miúdo com os seus três, quatro anos, se aproxima da nossa mesa, e agarra-a com uma das mãos. A mãe, que estava sentada umas mesas à frente chama por ele "Vem cá, vem cá!".

Ao que o puto, ainda agarrado à nossa mesa, vira-se para a mãe e grita com toda a pujança: "MÃE! QUERO CÓCÓ!".

E pronto. Foi risota até me doerem as bochechas.

Super romântico

Ouvir um tipo todo chungoso, daqueles que gosta de sacudir as mãos para falar e inclinar a cabeça para trás para o seu boné criar aquela sombra misteriosa, com uma voz super analasada, a dizer "ÉS BONITA PÁ!", enquanto subo a correr as escadas rolantes.

Opah, amigo, dá para ver que és montes de bués romântico, mas não é numas escadas rolantes que vais encontrar a mulher dos teus sonhos.

Parabéns Pat!

Conhecemo-nos na secundária e somos amigas desde o primeiro dia. As melhores. Temos crescido juntas, temos aprendido juntas, temos ensinado muita coisa uma à outra.

Tens estado ao meu lado nas alturas mais importantes. Quando estou triste, seguras-me a mão. Quando estou feliz, ris comigo. Quando é preciso sabes o que dizer, da mesma forma que ficas calada quando sabes que não é preciso dizer nada. Para bom, e para o meu, estás sempre presente. 

Parabéns amiga, espero que tenhas um dia fantástico! Um beijo enorme cheio de amor*


quarta-feira, dezembro 14, 2011

Obras lá em casa

Depois de uma infiltração vinda da casa-de-banho do vizinho, e depois do perito da sua seguradora querer-nos ingrupir que as nossas paredes tinham a tinta a saltar e o soalho a ficar preto por mil e uma coisas que poderiam não ser da casa-de-banho do vizinho, e após lá se verificar que o problema vinha da falta de silicone à volta da sua banheira, as paredes estão a ser pintadas e o chão a ser trocado.

O que nunca me passou pela cabeça foi que, tendo tão pouca coisa nos corredores - uma consola com um candeeiro, uma taça para as chaves e uma coisa muito gira para guardarmos as cartas, um cabide de parede com alguns casacos, uma sapateira, e algumas molduras - fosse o suficiente para deixar a casa completamente virada do avesso.

E ver as coisas fora do sítio deixa-me completamente neurótica. Neurótica!

terça-feira, dezembro 13, 2011

Canadá abandona Protocolo de Quioto

Segundo o seu primeiro-ministro, Peter Kent, este protocolo é coisa do passado.

A mim parece-me que a massa cinzenta deste senhor é tão poluída quanto um esgoto de cidade. Coisa para nos deixar o futuro um pouco pior que o nosso presente.

Grrrrrrrrrrrrrrr grrrrrrrrrrr xiiiiiiiiiii shuuuuuuuuuuu txiiiiiiiiiiiiiiiii djiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiii

Há uns dias atrás estivemos a falar aqui no estaminé sobre disquetes, cassetes e do tempo em que uma pen de 256mb custava 40€. E, no decorrer da nossa conversa nostálgica, lembrei-me do famoso Spectrum.

O meu irmão tinha um, que até dava para pôr cassetes. Era o máximo. Ainda me lembro do grrrrrrrrrrrrrrr grrrrrrrrrrr xiiiiiiiiiii shuuuuuuuuuuu txiiiiiiiiiiiiiiiii djiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiii que fazia ao carregar o jogo e que demorava uma eternidade, mas eu tinha o tempo todo do mundo para esperar. Já hoje em dia, quando o Photoshop demora 3 minutos a gravar um documento mais pesado, já não sei o que fazer, o dia já fica estragado, óh meu deus que assim não dá, óh virgem que isto tem que ser feito agora imediatamente para ontem e o idiota do estupido do anormal do photoshop não se mexe.

Mas naquele tempo em que era criança, conseguíamos fazer tudo. Estudávamos, brincávamos, comíamos com calma, dormíamos, crescíamos com tempo. O dia parecia ter 36 horas, e havia sempre tempo para mais qualquer coisa.

Ah que saudadinhas desse tempo!

segunda-feira, dezembro 12, 2011

Ultimate Cake-Off

De certeza que todos os bolos, com a quantidade de madeira, plásticos e afins que têm para servir de estrutura, devem vir com um livro de instruções para se saber o que é ou não comestível. Sim, porque pelos vistos, apenas 70% do bolo tem de ser comestível (e eu a jurar que teria de ser 100%).

Estou a imaginar o livro de instruções: pegue na faca, conte 10 degraus para cima. Nesse andar, vai encontrar uma rosa no centro e uma margarida à sua direita. Posicone a sua mão com a faca no meio daquelas duas. Rode a faca 10º no sentido dos ponteiros do relógio, 2cm para cima, e pode fazer um corte, com 4 cm de largura e 3cm de profundidade.
Se não seguir estes passos à risca, poderá ingerir pedacinhos de contraplacado e pregos.
Bom apetite.

sábado, dezembro 10, 2011

Conversa cinematográfica - ou como convencê-lo ir ver aquele filme

Eu para o Gambuzino: Quero ir ver aquele filme... Um Método Perigoso.
Gambuzino: Qual?
Eu: Um Método Perigoso. Sobre o Freud e o Jung.
Gambuzino: Não sei qual é...
Eu: mas nós vimos o trailer, na semana passada...
Gambuzino: pois... mas não sei.
Eu: aquele filme da moça que gosta de levar tau-tau!
Gambuzino: AH! Já sei. Sim, vamos ver!

Projecto de Vida

Não é bem o meu projecto de vida. São mais dois grandes sonhos.

E estão no Emotional Algebra, da nossa querida Ana.

Obrigada Ana***

sexta-feira, dezembro 09, 2011

Ó Billy,

vá, apesar do teu ar inicialmente a dar para o apático, foi um prazer! Principalmente pela recta final, que foi de arromba!










P.S.1:  ao tipo que estava 2 metros à minha frente a tirar fotografias de 5 em 5 segundos, monopolizando o espaço visual por completo: espero que as fotos tenham ficado todas desfocadinhas!
P.S.2: ao irmão e irmã que apareceram ao meu lado nas últimas três músicas: meu, que raio de sítio para contares à tua irmã que ela vai ser tia! É que eu é que levei com as cotoveladas, pisadelas, empurrões e eu é que andei a comer o cabelo dela, porque a moça não parava de pular e saltar e pôr os braços para cima, para os lados, para todo o lado. Ainda por cima, tendo em conta que ela era o dobro do meu tamanho, foi uma "batalha" injusta para mim.

quinta-feira, dezembro 08, 2011

E para quando um gorriz?

Um gorro para a ponta do nariz. Escusava de ficar com a penca congelada...

Tonight, tonight

Sim, é já hoje!




Bom feriado a todos*

quarta-feira, dezembro 07, 2011

Raios partam

Não sei onde meti o meu baton do cieiro. Logo hoje que a minha boca mais parece um bacalhau seco.

Caso das orgias começa hoje a ser julgado.

E um dos advogados chama-se, muito convenientemente, Brochado Teixeira.

terça-feira, dezembro 06, 2011

Em contagem decrescente

Mamas, maminhas e mamonas

Ontem à noite, no What not to wear, a "vítima" era uma jovem com 26 que já tinha feito uma operação de redução de peito. Aos 18 anos, usava o Triplo E.

Ou seja, só o mamilo dela devia ser do tamanho da minha maminha...

segunda-feira, dezembro 05, 2011

Parabéns aos meus Papás!

Que hoje fazem 41 anos de casados! *********************************

domingo, dezembro 04, 2011

sábado, dezembro 03, 2011

Retrato fiel da Faculdade de Belas-Artes, Lisboa

Obviamente que estou a generalizar. Mas durante os 5 anos de curso, vi muita gente assim, que quer ter aquela aparência de "eu não quero saber", que acha tudo "demasiado comercial", que só os que têm uma mente conceptual e abstracta e que leram tudo o que havia para ler de Nietzsche, é que são fixes.


sexta-feira, dezembro 02, 2011

Soufflé de Limão. São servidos?

Estava aterrorizada. Não sabia se iria sair alguma coisa minimamente comestível. É um soufflé, convém ter aquela textura suave, como se estivessemos a saborear nuvens brancas fofinhas. E a verdade é que deitei fora a primeira mistura (por estupidez minha, mesmo).

Mas a segunda mistura ficou maravilhosa. Fiz tudo certinho como vinha na receita - conceito estranho para mim, que nunca consigo seguir uma receita à risca, tenho sempre de dar o meu toque. Da próxima vez que fizer - sim, porque ficou tão bom, que vou ter de fazer mais vezes - já dou o meu toque.

Aqui ficam as fotos.



quinta-feira, dezembro 01, 2011

Restaurante Aashiana

Como grande fãs da cozinha indiana que somos, hoje o almoço foi num restaurante Indiano, em Carcavelos. Foi a primeira vez que lá fomos, mas fiquei com a vaga ideia que vamos lá voltar muitas mais vezes. É um restaurante pequeno, mas muito giro. Com uma decoração tipicamente indiana, mas sóbria, ao entrarmos notamos logo naquele cheiro maravilhoso a caril. Os empregados de mesa são bastante simpáticos, e a comida é simplesmente maravilhosa. Adorámos tudo!









quarta-feira, novembro 30, 2011

Como deixar alguém animado

Estava eu ontem a comentar que tinha de ir ao médico ver o que se passa com as minhas costas - presumo eu ser algum nervo armado em parvo, que me deixa a zona da omoplata esquerda dormente - quando oiço isto:

- "Karina, vai ver disso! Soube da história de uma rapariga da tua idade que andava a queixar-se que andava toda dormente do pescoço para baixo [a mim é só uma pequena zona na omoplata, mas adiante], foi a ver... era esclerose múltipla!".

E é assim, meus senhores e minhas senhoras, que se deixa alguém animadinho para o resto da semana. 


Qual Louis Vuitton, qual Chanel, qual Dior, qual quê. Tetra Pak é que é!

A minha nova aquisição é um porta-moedas feito com material reutilizável. Neste caso, uma embalagem de leite. Foi amor à primeira vista - o que até é extremamente irónico, visto que não gosto nada de leite.


terça-feira, novembro 29, 2011

A menina quer

estas calças. Não sei, não sei, não sei mesmo o que é que me deu. Mas quero muito estas calças. Diria mesmo que preciso de ter estas calças. Ideais para levar aos concertos.






































Stradivarius

Série fofinha

Gosto desta série. Gira. Leve. Ideal para domingo à noite (a noite de todas as neuras).

Último Segredo

Não sou, nem nunca fui, uma pessoa religiosa. Desde pequena que me questiono sobre certas coisas e, provavelmente, o facto de ter andado nove anos num colégio católico, fez com que suscitasse ainda mais dúvidas sobre a igreja e a biblia. Sou uma pessoa lógica e gosto de ter provas. Chegarem à minha frente e dizerem para eu acreditar porque é assim e mais nada, para mim não chega. Escusado dizer que sou agnóstica - acredito que possa existir algo superior, mas se é Deus, se é a Natureza, se é o quer que seja, não sei, e preciso de provas para acreditar.

Quando era criança, era o terror do meu professor de Catequese, sempre com questões embaraçosas para ele. Adão e Eva, eram o primeiro homem e a primeira mulher, e tiveram apenas dois filhos. Um matou o irmão, fugiu e casou-se. Com quem?! Se Deus criou o mundo, quem criou Deus? Se Ele é tão bom e mesericordioso, porque é que poupou apenas quem ía na arca de Noé? Virgem Maria? E os irmãos de Jesus, também foram fruto do Espírito Santo?

Como tal, sempre me interessei por tudo que falasse e desmitificasse os segredos e mistérios da biblia. E o Último Segredo, do José Rodrigues dos Santos, é um livro fabuloso, que põe em pratos limpos muitos assuntos "estranhos", mal contados, mal explicados.

Cada vez mais me convenço que isto é tudo uma grandessíssima trapalhada. Independentemente daquilo que se acredita ou não, a verdade é que a humanidade tem andado estes anos todos a criar guerras para impôr as suas crenças quando nunca não há certezas de nada.

segunda-feira, novembro 28, 2011

O meu novo brinquedo

O meu querido iPhone. Best friends!

Sábado à noite foi assim

Frio, mas com direito a gelado. Bom, muito bom!