quinta-feira, março 31, 2011

Visita presedencial ao estaminé

que é como quem diz: o chatinho do cliente vem ver as instalações...

Porque é que nos filmes e videoclips

Sempre que uma pessoa se quer suicidar ao cortar os pulsos, primeiro despe-se, enche a banheira de água, deita-se lá, e só depois é que corta os pulsos?! Não pode simplesmente cortar os pulsos vestida em cima da cama?! Ou está preocupada em sujar os lençois de sangue?! Ou é para criar um ambiente mais dramático?, como se o simples facto de cortar o pulso não fosse suficiente dramático... Ou será para, na via das dúvidas, ao ficar inconsciente, se afogar na água para ficar bem morta?!

quarta-feira, março 30, 2011

O pseudo-conceptual artístico fbauliano

Quem lá andou sabe do que estou a falar: de uma espécie facilmente encontrada na Faculdade de Belas-Artes, da Universidade de Lisboa.
É uma espécie diferente de todas as outras, sendo a sua principal característica a chamada "mania de superioridade cultural, social e artística".

O pseudo-conceptual artístico fbauliano destaca-se das restantes espécies por andar vestido com roupa rota da pepe-jeans ou da sisley e sapatinho da camper, com manchas de tinta, um pincel comprido a sair da mala, e por norma despenteado e/ou com rastas. Existem algumas variações em relação aos acessórios: uns usam uma máquina fotográfica reflex analógica, outros usam uma máquina fotográfica lomo, outros usam as duas. Há aqueles que andam com um livro, de preferência, ou bem grosso - o calhamaço - ou com um livro muito fininho, por norma de filosofia ou poesia.

O pseudo-conceptual, por norma, fala de assuntos elaborados como a evolução artística influenciada pelo poder cósmico universal (também conhecido como "ontem à noite fumei umas ganzas"), cita Nietzsche e Kant. O pseudo-conceptual prega aos sete ventos que é contra o imperialismo capitalista norte-americano apesar da sua conta bancária recheada e das suas calças muito americanas Levis.

O pseudo-conceptual artístico fbauliano vê poesia na roda de uma bicicleta, ou o mar revolto no encosto de uma cadeira e chora de emoção, se for preciso, ao rabiscar qualquer coisa abstracta. Para qualque mortal comum, o Van Gogh ter cortado a orelha foi por o homem ser maluquinho. Para o pseudo-conceptual fbauliano, o Van Gogh cortou a sua própria orelha como chamada de atenção do seu psique perturbado devido aos traumas infantis e de adolescente.

Alguém que possua todas estas características mas que nunca tenha tido a bela da discussão às 3 da manhã "o que é o design? é arte, ou não?", não pode ser considerado pseudo-conceptual artístico fbauliano.

Contudo, esta espécie pode abranger qualquer tipo de pessoa: desde o aluno ao professor. A grande diferença entre estes dois é que o aluno ainda não desenvolveu em pleno as características de "como humilhar e deitar abaixo a pessoa que está ao lado mesmo que seja o seu melhor amigo".

Para finalizar, o pseudo-conceptual artístico fbauliano consegue tirar o seu curso - de design de comunicação, de design de equipamento, pintura ou escultura - sem nunca pegar numa única ferramenta específica. Por exemplo: um pseudo-conceptual artístico estudante de design de comunicação consegue safar-se em todas as suas avaliações sem saber sequer o que é o Photoshop, ao abrir a goela e começar a disparatar qualquer um discurso sem qualquer tipo de coerência mas profundamente conceptual. Para que isto aconteça só é necessário que o seu professor seja da mesma espécie, o que é o mais provável de acontecer.

terça-feira, março 29, 2011

Se depois de

andar a gastar dinheiro no nutricionista, em vitaminas, em proteínas, em comidinha biológica saudável (já o fazia antes, mas é para reforçar a ideia), em iogurtes de soja (que são bem bons mas caros comó raio!), nuns ténis xpto, naquela cenaita da nike+i pod para contar os kms e calorias e tudo e tudo e tudo, mais numa bracelete para pôr o ipod enquanto ando/corro... depois de não andar a comer massa, arroz, batatas e cenoura e, já para não falar, em nada do que seja gordura (as saudades que eu tenho da minha manteiguinha), e doces (aiiii os doces!)....

se, depois disto tudo, eu não ficar com a minha barriga igual a esta






















eu amuo!

segunda-feira, março 28, 2011

Há que estimular a economia nacional

São lindas, maravilhosas! São as Cubanas! E sim, é uma marca portuguesa.






À Mafalda Veiga, ao André Sardet, ao João Pedro Pais:

Vocês que têm a mania (o chamado "caganço") que fazem músiquinha romântica e com versos que ninguém sabe muito bem o que querem dizer como "sou a poeira do mar atirado aos lobos", aprendam com a esta menina, portuguesa!

O estilo é diferente do vosso, mas não era nada mal pensado vocês mudarem um pouco - muitoooooooo ou, quiça, tudo - já que pedir para se calarem/catarem é estar a abusar da vossa boa vontade.

Oiçam e aprendam:

domingo, março 27, 2011

Querida Wii

fico derretida quando me dizes "YOU'RE POETRY IN MOTION!"

Melhor invenção depois da roda:

Soutien de desporto.

sábado, março 26, 2011

Ontem, ao entrar num parque de estacionamento em Lisboa

Olhei para o lado e vi um pequenote. Não era bem anão, mas era bem pequenote.
Era o Carrilho.

E se

há um ano atrás me dissessem que eu estaria agora a comprar uns ténis de corrida, eu teria, muito provavelmente, caído para o lado, rebolado e ficado com os olhos tão vermelhos de tanto me rir - situação muito idêntica, presumo eu, se me tivessem esfregado com uma cebola inteira nos olhos.

Mas a verdade é que eu tenho uns ténis de corrida, são lindos, foram um negócio da china (como eu gosto de apanhar as coisas em promoção!), e tenho intenção de os usar até à exaustão. Deles, e alguma minha, pronto.  Não digo que vá correr muito, diria antes que vai ser mais uma conjugação entre pouca corrida e algum andar. Mas pelo menos ando incentivada em ver-me livre da barriga.


sexta-feira, março 25, 2011

E mais loguinho

maratona de curtíssimas, no São Jorge.

Vou papá-las todas, como se fosse uma monstra!

Euromilhões

Vá lá, vá lá, vá lá! Só precisava de um milhãozinho. Vá, a casa paga. E um mini Cooper S.

Vá láááááááá!

quinta-feira, março 24, 2011

Recordando os tempos de estudante VS agorinha mesmo

















Estão a ver alguma coisa em comum, mesmo após 10 anos de separação?!
Obviamente que não ganhei o gostinho e que ando com esta armação dentária há 10 anos. Dois anos da primeira vez, e agora, pela segunda vez, ando há um ano e meio.

Caso para dizer: 3 anos e meio a proteger inocentes dos relâmpagos!

E porque amanha lá vou eu apanhar mais trânsito por causa da greve:

meus senhores, estamos com um governo de gestão. Podem fazer as greves todas que quiserem, que só lixam quem quer ir trabalhar. Podem tirar o cavalinho da chuva que se não conseguiram nada até agora, também não vai ser nos próximos meses (pelo menos), que o vão conseguir.

Besta em Terra, Anjo no Céu

Isto ainda mal começou e já parece aquela história de sempre, idêntica aos funerais: a pessoa defunta pode ter sido a maior besta enquanto viva, mas depois de morta torna-se numa santa "que Deus a leve!".

Por cá, em terras lusas, o primeiro-ministro demissionário só o é há menos de 24 horas e já se lê nos jornais que ele foi um porreiro, que só quis lutar pelo país, e que as medidas foram austeras mas tinha mesmo de ser (apesar de serem austeras apenas e unicamente para o povo, porque para eles tem sido o bem-bom).

Tenho pena que o povo português tenha memória curta e que no momento de voto, não se lembre dos escândalos, na mãe do primeiro-ministro que, depois de uma vida a trabalhar como senhora de limpezas (que não tem desprestígio nenhum, atenção), mas que agora tenha uma reforma de 3000€, no senhor deputado que praticamente exigiu que a cantina da assembleia da república estivesse aberta à noite porque "60€ por dia não chega para os gastos", fora o ordenado, apesar de haver muita gente a viver com 5€ ou menos por dia, na deputada que andou a viajar entre portugal-paris em vôos de primeira classe mesmo depois dos impostos subirem, que não se lembre que quando foi aprovado o último PEC a promessa foi de que não seriam necessárias mais medidas para, passados 5 meses, irem falar com Bruxelas para mais medidas, e sem o conhecimento de ninguém, que não se lembre de todas as manifestações feitas contra este governo, nos institutos públicos criados em 6 anos que não servem para rigorosamente nada e que só dão prejuízo. Tenho pena que muita gente não se vá lembrar que o governo quis aumentar não só os impostos em produtos não essenciais mas como também quis aumentar os impostos em produtos essenciais - que não se lembre que foi a oposição que conseguiu que isto não fosse avante. Tenho pena que muita pouca gente se vá lembrar que este primeiro-ministro nunca conseguiu manter uma postura digna, tendo como característica principal em todos os seus discursos a defesa da sua pessoa, o sarcasmo, a arrogância e a vitimização.

No final, tenho pena que a santa ignorância aliada à falta de memória, nos possa conduzir a um buraco sem fundo. "Não gosto do Socras mas os outros também não mandam uma para a caixa", e quando pergunto o porquê, ninguém me consegue realmente responder quais os ideiais e as propostas defendidas pelos partidos de oposição.

Espero estar profundamente enganada e que afinal ninguém se esqueça disto tudo.

quarta-feira, março 23, 2011

Venham lá as campanhas

e gastar mais milhares e milhões de euros com a com o mesma lenga-lenga de sempre: "Eu é que sou bom, tu és mau, votem em mimimimimi!".

Só espero que, no fim e depois disto tudo, não vá toda a gente a votar no traste do pinócrates só porque "coitadinho a oposição é que lhe fez a folha".

Que bom que é

rever amigas com quem já não estava há algum tempo. Falarmos dos "bons" velhos tempo da faculdade, e descobrir o que o resto do pessoal anda a fazer. Contar as novidades, e matar saudades porque não se sabe quando voltaremos a beber café.

Foi nice!

terça-feira, março 22, 2011

O cúmulo da tecnologia

Ter colocado um post-it amarelo atrás do Blackberry por não encontrar uma aplicação no telemóvel de lembrete com alarme.

S. Pedro

Eu e tu vamos ter uma conversinha. E não vai ser bonita.

Hot or Not

Que haja revistas que nos queiram impingir aquilo que está ou não na moda, as cores que se vão usar na nova estação, que penteados aconselham para este ano, que as maxi clutch (yack!) são in, que verniz matte (sim, gosto) são uma alternativa cool, e patatati pataté, vá, pronto, compreendo (apesar de não compreender aquelas moças que só usam aquilo e nada mais que aquilo que está na moda mesmo que pareçam umas autênticas palhaças).

Agora que me venham dizer que os cocktails piriris é fashion mas que beber saké já é um crime de moda... errr, meus amigos, já é a dar para o descabido, no mínimo.

Será que há gente que não tenha um pensamento auto-crítico e que vá nestas conversas?

segunda-feira, março 21, 2011

Eu sei que há pessoas com digestão difícil

e com muita azia, e tudo mais.

Mas arrotar no local de trabalho, a alto e a bom som?! Se ainda fosse daqueles pequinininhos, mas não. Daqueles normalecos que até se consegue evitar. 2 dias seguidos?

God!

Completamente viciada

nisto.


É pura e simplesmente genial.

(p.s. como dá para ver e ouvir, eu não oiço só rockalhadas e música de cães com cio!)

A pedido da CCM

[...] e livrai-nos do Malowmen!

domingo, março 20, 2011

Eu sabia...

que hoje não me ia conseguir mexer.

Ora seja benvinda!

Pode entrar, cara PrimaVera! Faça o favor! Traz bom tempo e calor?! Ohh, que atenciosa, era mesmo isso que eu estava a precisar! Está a redimir-se pelo Inverno, esse malandro que só dá desgostos?! Há sempre a ovelha negra na família.

Ora, seja benvinda!

sábado, março 19, 2011

A minha prenda do dia do Pai

Ter sobrevivido, há 14 anos atrás, a uma apendicite aguda com piritonite à mistura daquelas bem jeitosas, que quase me levaram desta para a melhor (depois de um médico ter ido lá a casa e ter achado que era apenas uma intoxicação alimentar, pois claro, 3 dias depois não me mexia com tanta dor, literalmente).

Depois disto, digam lá se eu não faço tudo pelo meu paizinho!

Daddy, love you!***

Let the Wii Active season begin!

Hoje comecei a minha temporada de Wii. É corridas, é alongamentos, é boxe, é ténis, é volley, é tudo!
E pronto, correr não é assim tão mau. Qualquer dia ainda me vêem em maratonas. Meia-maratona. Mini. Ok, maratonas piriris, mas para quem sempre disse "As galinhas têm asas e não voam, e eu tenho pernas e não corro!", não está nada mal!

sexta-feira, março 18, 2011

Às 18h

de ontem, recebi uma chamada para o meu telemóvel.

-"Estou sim?", atendo.
-"Sim! Sim", do outro lado, a voz de uma rapariga.
-"Simmm?"
-"Boa tarde, daqui está a falar.... blá blá blá, blá blá blá.... inquérito sobre cascais... blá blá blá... 5 minutos do seu tempo!" - mas onde é que estes sacaninhas vão arranjar o meu número de telefone, raios?!
-"Pois, mas eu agora não posso", respondo eu.
-"Ohhh, hummm, ahhh, e noutra altura?!", pergunta-me a moça.
-"Noutra altura? Talvez..."
-"A que horas?", pergunta a menina, já a salivar!
-"Hummm, por volta da uma."
-"Da manhã?!"
.....
.....
.....
5 segundos de silêncio.

-"Da tarde, da tarde!"

quinta-feira, março 17, 2011

Ir às compras é totalmente terapêutico

desde que não vá experimentar roupa (especialmente calças) na zara, stradivarius e bershka. Isto porque, apesar de estar mais magra e de ter menos anca, o número de roupa nas lojas está cada vez mais pequeno, o que me faz levar o mesmo número de antes. Para além disto, a bela da calça que consegue passar pelas minhas ancas e rabo, fica-me a nadar na cintura.

Por isso é que gosto cada vez mais de saias.

quarta-feira, março 16, 2011

Os meus comentários sobre certos comentários

Há um comentário em especial que me tem vindo a intrigar: o facto de muita gente querer-se desculpar da crise com o facto de, há 60 anos atrás, haver agregados familiares com 7 e 10 pessoas a viverem numa casa com 2 quartos e com uma carcaça para comer durante um dia inteiro.

Isto tudo porque em primeiro, considero este argumente um autêntico insulto aos nossos avós que muito trabalharam e muito lutaram para conseguirem alguma coisa na vida e, consequentemente, lutaram por uma vida e país melhores. Para agora estarmos numa situação de crise económica, política e social como estamos.
Em segundo: lá por há 60 anos atrás ter havido fome, não quer dizer que eu tenha que me contentar por, felizmente, ter um prato de sopa às refeições. Para já porque, como foi dito, muito os nossos avós fizeram para que não se passasse fome, além de que eu não me posso contentar apenas com um prato de sopa se eu trabalho muito mais para ter só isso, merecendo ter também um bom e caro peixe assado à minha frente.

Outro comentário muito ouvido por aí: "aiiiiii, querem lá ver que o governo tem culpa da crise mundial?". Não, não tem. Mas muito antes de se ouvir falar da crise mundial, já se ouvia falar na crise em Portugal. Que as coisas iam descambar. Que tínhamos um primeiro que comprou a licenciatura, por fax e a um domingo. Uma data de escândalos a envolver o governo e toda a gente a dar o benefício da dúvida para, mais tarde, ninguém ter dúvidas que nos encontramos perante um governo manipulador, mentiroso, que só quer saber dos amigos. Tão manipulador que se aproveitou da crise mundial para se desculpar. Novidade, meus senhores, muitos países já se encontram em dar volta à crise graças às suas políticas de contenção não só civil mas também e principalmente pública. Por cá, bem... já podemos ir jogar golfe que está mais baratito.

Outro comentário: "os da oposição só já estão a fazer-se ao bife! O home até quer fazer alguma coisita, mas nã pode que os da oposição não ajudam, é só criticar, é só criticar, mas fazê-las é que está quieto". A isto só tenho a perguntar: mas afinal quem está no governo?! É a oposição?!

O pior é que o povo português está muito habituado a esperar que seja o estado a dar tudo, a dar todos subsídios possíveis e imaginários, esquecendo-se que para dar a uns, tem que tirar a outros. O estado deve criar condições abonatórias aos seus cidadãos, não oferecer de mão beijada dinheirinho vivo para quem não quer fazer nada. E, ao contrário do que se diz por aí, não são os da geração à rasca (à qual eu faço parte) que andam a pedir subsídios (sem querer pôr tudo no mesmo saco, sempre houve, há, e vai sempre haver, os calões e os muito trabalhadores). Esses, os da geração à rasca, quando conseguem arranjar emprego na área de formação, são brutalmente explorados com estágios não remunerados/muito pouco remunerados ou a recibos verdes. E ainda têm sorte de ter emprego na área de formação, porque muitos estão é em call centers e em caixas de supermercado, situação a meu ver, totalmente deprezível, porque uma pessoa não anda a estudar durante 5 anos (pré-bolonha) para depois não conseguir sequer uma oportunidade na sua área. E é errado pensar que se poderia estar bem melhor, a ganhar mais e a trabalhar naquilo que se quer?! Claro que não, errado é sonharmos com tudo mas contentarmo-nos com pouco ou nada.

O irónico é que a única coisa que eu realmente peço e espero de um governo, é a única coisa que não vejo a acontecer: governação honesta, empenhada, e merecedora do nosso voto.

É cá uma gracinha

Para se ter o que se quer, não importa que se lixe quem seja preciso lixar. Quando as coisas correm mal, tentam virar o jogo e procurar apoio ao mexilhão, que já se lixou.

P.s.: mas o mexilhão desta vez safou-se. Muahahahah!

Meu Senhor dos céus:

(peço, por favor, para se abstraírem do facto de eu ser agnóstica)

Eu sei que sou um pouco pedinchona. Sempre o fui. Com 4 anitos, conta a minha mãe, fiz uma birra no Jumbo de Cascais porque queria levar para casa um camaroeiro (talvez isso tenha marcado a minha infância e, de forma traumática, me levasse a pintar para exprimir o sentimento de recusa; ou isso ou porque com 4 anos de idade talvez não haja muito mais para se fazer). Hoje, quem sabe, poderia ser uma feliz pescadora com o meu camaroeiro.

Continuando.

Eu sei que sou pedinchona. Mesmo. Mas tenho que te pedir mais uma coisinha. É que eu tenho conseguido ir ver os concertos das bandas que eu mais gosto. Algumas delas até já fui 2 vezes. Outras pensei que nunca iria vê-las por a banda ter acabado e, surpresa surpresa, anos mais tarde voltarem a reatar, como é o caso dos Skunk Anansie (já disse que o concerto, em Fevereiro, foi brutal?!). E já tenho o bilhete para ver os Guano Apes, apesar do concerto ser só mesmo no final de Outubro - não fosse o teu concorrente dos infernos tecê-las e comprar todos os bilhetes de uma acentada. Ao que me lembrei: e que tal puxares os cordelinhos aí de cima e tratares de voltar a reunir os Smashing Pumpkins?! HUM?! E trazê-los a Portugal para um concerto espectacular, o qual eu estaria, decididamente, batida?! Parece bem, não parece?!

Por isso, toca a trabalhar, que tens andado a passar muito tempo pelas brasas!

Atenciosamente*
Karina sem acento

terça-feira, março 15, 2011

Aos senhores do Barclays:

Porque é que tenho quase todos os dias a minha caixa de correio entupida com os vossos e-mails quando eu não sou vossa cliente, e de momento nem sequer estou interessada nos vossos serviços?

Já chega ter que me desviar, baixar a cabeça ou olhar para o lado e mesmo assim ter de dizer "não, obrigada, não estou interessada, não venha atrás de mim, olhe que eu tenho uma lata spray de pimenta na minha mala!!!" quando tenho de passar ao lado das vossas bancas nos centros comerciais.

segunda-feira, março 14, 2011

Eu, como mulher adulta, informada e culta que sou,

acho o Sócrates um grandessíssimo cocó!

"Prostituição política generalizada"*

Ainda existem senhores com dois dedos de testa. Pena é não quererem ouvi-los, pondo-os mesmo de lado. Por serem incómodos, por dizerem as verdades.


Aconselho vivamente verem este programa (até porque foi censurado), dirigido por Mário Crespo, com Henrique Neto e Medina Carreira.

*excerto de uma frase, por Medina Carreira. Escolhi esta frase para título por sentir isso em relação à nossa situação política.

Estou a ressacar

Há duas semanas inteirinhas que não vou ao cinema. Indecente!

domingo, março 13, 2011

E quando se pensa que já estão bons, e que até já vai tirar o aparelho nos dentes em baixo

"Bem, Karina, a situação é esta: devido aos elásticos que tem usado para prender os dentes de baixo aos de cima, estes seus dois dentes em baixo rodaram um pouco. Vou ter de pôr brackets nos dentes atrás".

Sim, quando eu pensava que estava cada vez mais próximo tirarem, pelo menos o aparelho nos dentes em baixo, ainda me põem mais brackets naqueles dois dentes que tinham estado a salvo até agora.

Boa!

sexta-feira, março 11, 2011

Ah pois é, ah pois é, ah pois é!

E quem é que vai ver os Guano Apes dia 29 de Outubro no Coliseu dos Recreios?!

Eu!

Ah pois é!

Os porquês se conduzir como se conduz. Ou antes a irresponsabilidade de quem anda na estrada.

É porque se vai atrasado. É porque se tem mesmo de responder àquela chamada, ou responder àquele sms. É o rádio que não passa boa música e não se encontra o cd que se quer ouvir naquele instante. É pura e simplesmente a falta de paciência. É aquele momento em que se pensa "dá tempo". É aquela buzinadela porque a pessoa que está à frente só está a empatar e se não sabe o caminho, fica em casa.

São tudo desculpas para arriscar enquanto se tem um "simples" automóvel em seu controlo - quando esse simples automóvel é, na verdade, uma máquina pesada e complexa. Para mim é apenas irresponsabilidade e falta de civismo.
Talvez seja por sermos um país em que a fuga à responsabilidade é quase obrigatório. A punição de crimes e delitos acaba por ser, quando é, ínfima. E assim lá nos vamos escapando com mais uma ou outra desculpa, com uma mentirinha, com uma manipulaçãozita.

O meu pai ontem sofreu um acidente de carro. Felizmente, ao carro que tem airbags em tudo quando é sítio, o meu pai sofreu "só" uns golpes, cara inchada e algumas queimaduras. E a possibilidade de uma cirurgia plástica na cara. O carro, esse, vai para a sucata. Tendo em conta o que poderia ter acontecido, foi uma sorte. Tendo em conta aquilo que poderia ter sido evitado, foi um azar do caraças.
Não se sabe o que se passou pela cabeça da mulher quando decidiu atravessar-se à frente do carro onde o meu pai ía, sabendo que iria passar sem ter prioridade. À distância em que o meu pai ia, talvez um caracol tivesse conseguido travar. E mesmo depois de tudo, recusa-se a dar como culpada.

Sinceramente, acho que as pessoas não devem ter uma noção real e verdadeira daquilo que é conduzir. Qualquer distracção pode ser fatal, a verdade é essa. E não devem haver desculpas em relação a isso. Eu nem sequer sou contra a andar depressa, eu própria gosto de carregar no acelerador. Nem acho que isso seja o mais perigoso. O que realmente é perigoso é andar depressa quando chove ou em más estradas, é a falta de civismo e de educação, é aquela manobra mal pensada, é a ultrapassagem sem haver tempo nem espaço para tal, é a arrogância de se pensar que somos os maiores a conduzir e que nunca teremos culpa de nada que possa acontecer.

Nas nossas estradas impera a má educação, não se respeitando as regras, o código, as prioridades. Nem sequer a prioridade à vida, nossa e dos outros.

quinta-feira, março 10, 2011

Parabéns ao mano

que hoje faz aninhos!

Love you, bro!*

quarta-feira, março 09, 2011

Toda a gente sabe que eu não gosto de futebol...

Ainda muito menos se falarmos do benfica.




















Parece castigo

Andei mascarada de  freira marota com vestido curto e meias com lacinhos, ora toma lá uma constipação em cima para não gozar com quem não faz nada - nem podem, com tanto voto, de celibato, de silêncio, de tudo e tudo...

terça-feira, março 08, 2011

Excursão fotográfica

Há umas semanas lembrámo-nos de aproveitar este fim-de-semana prolongado de carnaval para fazer uma excursão fotográfica algures no país. Sim, porque somos todos maluquinhos por fotografia. E por liró. E por estar uns diazinhos fora de casa com a malta amiga. E pronto, lá escolhemos um sítio, arranjamos um poiso, e lá fomos nós para Peniche. Dois diazitos numa villa de um hotel, com direito a piscina interior e jacuzzi! E uma constipação no fim de tudo por andar com o cabelo molhado na rua. Mas isso são outras histórias.

Foi um bom fim-de-semana. Não houve grandes surpresas, ou daquelas histórias mirabolásticas. Apenas 2 dias com amigos a tirar fotografias entre Peniche, Alcobaça e S. Martinho do Porto. E o Carnaval passado em Peniche, que, pessoalmente, gostei muito mais do que o das Caldas da Rainha, há dois anos atrás.

Foi divertido. E tirámos muito boas fotos. Podem vir mais (de preferência com sol e calor).

P.S. a água daquela zona é que me deixou as mãos secas que nem um bacalhau. Tirando isso, 5*!

Carnaval... sagrado!

E abençoado, com tanta chuvinha!



sábado, março 05, 2011

sexta-feira, março 04, 2011

A maldição dos dois iogurtes

Era uma vez uma menina que decidiu ir ao nutricionista, para ver se dava cabo dos quilinhos (gramas, gramas!) que tinha a mais. O senhor nutricionista mandou a menina comer 7 vezes por dia: pequeno-almoço, um lanche a meio da tarde (um iogurte), o almoço (sopa, salada, carne ou, visto que não como carne, peixinho com um comprimidozito de vitamina B12), 2 lanches à tarde (2 galletas de milhos, no primeiro lanche, e um iogurte ou batido, ou ovo cozido, ou 1 galleta de milho no segundo lanche), e ainda o jantar (o mesmo que o almoço mas sem a vitaminazeca), e ainda a ceia, constituído por uma valente gelantina sem açúcar, sem gordura, sem sabor, sem nada.
Isto para que o organismo começasse a queimar a massa gorda que se tinha instalado pelo corpo.

Pois que a menina começou-se a aperceber que havia dias que não conseguia fazer as sete refeições diárias. Havia dias que um dos lanches ficava para trás. E esses dias era quando a menina levava 2 iogurtes, um para de manha outro para a tarde. Não, não, não. É imaginação minha, pensou a menina. E a menina decidiu levar, mais uma vez, dois iogurtes para o seu local de trabalho, desafiando a MALDIÇÃO DOS 2 IOGURTES POR DIA!, e mais um vez saltou um dos lanches, e não comeu conseguiu comer um dos iogurtes!!!!

A menina está com medo. A menina está em pânico! E agora?! Terá de viver a vida toda comendo apenas e unicamente 1 iogurte por dia?!

A menina está desesperada! São 13h30 e ainda não almoçou, nem sequer comeu o iogurte a meio da manha! A menina está com fome!

quinta-feira, março 03, 2011

Para pessoas que, como eu, têm uma máquina esmifradora na boca,

também conhecido por aparelho ortodôntico fixo, vá, pronto, o vulgo aparelho nas dentuças, dizer palavras como:

- Otorrinolaringologista
- Infra-estruturas
- Minibabybel
- Arquipélago
- Stradivarius
- Propriedade
- Paralelismo
- Centrifugação
- Gama cromática
- Qualquer palavra em inglês, visto que não é a minha língua materna

é chato.
As palavras saem com o som distorcido. Em vez de otorrinolaringologista, sai qualquer coisa como ohtorinnalagistootsta. Centrifugação, por sua vez, pode sair centifufagaçoão. And so on and on (ou, à lá aparelhómetro dental, "end seu une end une"). Isto tudo agravou-se quando tive de começar a usar uns elásticos a agarrar dente de baixo a cima. A minha dicção assemelha-se à do Xanana Gusmão. Nunca mais fui a mesma.

Eu precisava

só de uma semaninha no The biggest loser.

quarta-feira, março 02, 2011

Passados seis meses

Eu sei que já foi há dois dias, mas nesse dia nem dei conta que estavamos a 28.

Passados seis meses já viajámos, conhecemos, já ficámos doentes, já sofremos crises externas. Já nos rimos, já chorámos, já cantámos e dançamos. Já discutimos, já me tiraste do sério e eu também já te tirei do sério. Já ficámos em casa à sexta-feira por estarmos demasiado cansados. Já ficámos em casa ao SÁ-BA-DO por estarmos cansados. Já marcámos novas viagens e já planeamos outras. Já conspirámos juntos. Já gozámos juntos. Já nos surpreendemos um ao outro. Já muita coisa, sempre juntos, nos últimos seis meses. Fora os quase 5 anos antes.

Eu, batata casada, quero assim continuar. Tal e qual. Pronto, de preferência sem a parte da doença. Mas se vier, quando vier, lá vou eu estar ao lado para o que der e vier. Para tudo.

terça-feira, março 01, 2011

Sala de cinema como objecto de estudo sociológico

Os valores morais/sociais/culturais da nossa sociedade podem ser vistos representados numa sala de cinema perto de si.

Sempre houve aqueles cochichos na sala de cinema. Sempre houve pessoas a mastigarem pipocas como se disso a sua vida dependesse. Sempre houve pessoas com um riso mais histérico, ou pessoas mais assustadiças que outras, deixando soltar pequenos berros aquando uma cena assustadora.

Mas caramba, nunca houve tanta gente tão mal-educada que não respeitasse os outros no cinema! E quem diz gente diz principalmente aqueles pirralhos dos adolescentes. É falar alto como se estivesse em casa, ineterruptamente, é devorar pipocas a alto e bom som, é bater com os pés na cadeira da frente, é um farrabadó! E quando se pede, educadamente, para falarem baixo ou, quiçá, calarem-se mesmo, ainda fazem pior. É, é nisto que vivemos: numa sociedade em os piquenos não tiveram e educação, e agora pensam que são os donos do mundo e que podem fazer tudo o que querem. Vivemos numa sociedade em que não há respeito pelo próximo, é o salve-se quem puder.

Ora, se esta gentinha não se sabe comportar numa sala de cinema e ficar 2 horas de bico calado, como é que se espera que se comportem no dia-a-dia?!

Cá eu não espero grande coisa...