quarta-feira, março 16, 2011

Os meus comentários sobre certos comentários

Há um comentário em especial que me tem vindo a intrigar: o facto de muita gente querer-se desculpar da crise com o facto de, há 60 anos atrás, haver agregados familiares com 7 e 10 pessoas a viverem numa casa com 2 quartos e com uma carcaça para comer durante um dia inteiro.

Isto tudo porque em primeiro, considero este argumente um autêntico insulto aos nossos avós que muito trabalharam e muito lutaram para conseguirem alguma coisa na vida e, consequentemente, lutaram por uma vida e país melhores. Para agora estarmos numa situação de crise económica, política e social como estamos.
Em segundo: lá por há 60 anos atrás ter havido fome, não quer dizer que eu tenha que me contentar por, felizmente, ter um prato de sopa às refeições. Para já porque, como foi dito, muito os nossos avós fizeram para que não se passasse fome, além de que eu não me posso contentar apenas com um prato de sopa se eu trabalho muito mais para ter só isso, merecendo ter também um bom e caro peixe assado à minha frente.

Outro comentário muito ouvido por aí: "aiiiiii, querem lá ver que o governo tem culpa da crise mundial?". Não, não tem. Mas muito antes de se ouvir falar da crise mundial, já se ouvia falar na crise em Portugal. Que as coisas iam descambar. Que tínhamos um primeiro que comprou a licenciatura, por fax e a um domingo. Uma data de escândalos a envolver o governo e toda a gente a dar o benefício da dúvida para, mais tarde, ninguém ter dúvidas que nos encontramos perante um governo manipulador, mentiroso, que só quer saber dos amigos. Tão manipulador que se aproveitou da crise mundial para se desculpar. Novidade, meus senhores, muitos países já se encontram em dar volta à crise graças às suas políticas de contenção não só civil mas também e principalmente pública. Por cá, bem... já podemos ir jogar golfe que está mais baratito.

Outro comentário: "os da oposição só já estão a fazer-se ao bife! O home até quer fazer alguma coisita, mas nã pode que os da oposição não ajudam, é só criticar, é só criticar, mas fazê-las é que está quieto". A isto só tenho a perguntar: mas afinal quem está no governo?! É a oposição?!

O pior é que o povo português está muito habituado a esperar que seja o estado a dar tudo, a dar todos subsídios possíveis e imaginários, esquecendo-se que para dar a uns, tem que tirar a outros. O estado deve criar condições abonatórias aos seus cidadãos, não oferecer de mão beijada dinheirinho vivo para quem não quer fazer nada. E, ao contrário do que se diz por aí, não são os da geração à rasca (à qual eu faço parte) que andam a pedir subsídios (sem querer pôr tudo no mesmo saco, sempre houve, há, e vai sempre haver, os calões e os muito trabalhadores). Esses, os da geração à rasca, quando conseguem arranjar emprego na área de formação, são brutalmente explorados com estágios não remunerados/muito pouco remunerados ou a recibos verdes. E ainda têm sorte de ter emprego na área de formação, porque muitos estão é em call centers e em caixas de supermercado, situação a meu ver, totalmente deprezível, porque uma pessoa não anda a estudar durante 5 anos (pré-bolonha) para depois não conseguir sequer uma oportunidade na sua área. E é errado pensar que se poderia estar bem melhor, a ganhar mais e a trabalhar naquilo que se quer?! Claro que não, errado é sonharmos com tudo mas contentarmo-nos com pouco ou nada.

O irónico é que a única coisa que eu realmente peço e espero de um governo, é a única coisa que não vejo a acontecer: governação honesta, empenhada, e merecedora do nosso voto.

2 comentários:

Gambuzinem