terça-feira, maio 31, 2011

O hálito

A alegria de uns
é a agonia de outros
Não cheira a puns
mas faz lembrar esgotos.

Tenho gostos caros. E contra isso, batatas!

Não tenho é carteira para os meus gostos.






























Isto é tudo da Skunkfunk. Mas ontem descobri uma marca portuguesa muitoooo gira, infelizmente não encontro nenhum catálogo deles na net. A marca chama-se Vintage Bazaar. Cheira-me que vamos ser amigalhaças do peito!

segunda-feira, maio 30, 2011

Mas será

que sou a única pessoa deste universo que ainda não viu o famoso vestido da Bárbara Guimarães?!

Humpf...

Bravo!!! Bravoooooooooooo!!!!

Palminhas porque este livro é simplesmente divinal!























Só uma notinha: José Rodrigues dos Santos, como é que é possível que tu, com o teu pai que também foi piloto, tiveste a ousadia de escrever "avioneta"?! É que lá em casa, sempre que se ouve alguém a dizer "avioneta", começam todos a barafustar - é mesmo capaz de chover um ou outro palavrão -, porque qualquer pessoa ligada à aviação que se preze diz logo "Lá por ser mais pequeno, não deixa de ser avião!".

Segunda-feira, chuva, dia de greve dos comboios e, consequentemente, um trânsito do camandro. Estou a sentir-me assim:

domingo, maio 29, 2011

Eu só faço anos em Novembro mas...

é para vos dar tempo a todos vocês, meus queridos familiares e amigos, para se organizarem e fazerem uma vaquinha, de modo a que me possam oferecer isto:

















Para vos facilitar a escolha, pode ser nesta cor, ou noutra qualquer. Não sou esquisitinha nesse sentido.
Ah, e não se preocupem que o seguro pago eu. Oki?!

Produtos nacionais

Já algum tempo que só compro produto nacional, no que diz respeito a fruta e a vegetais - tirando fruta que não é cá produzida, mas tendo em conta que eu nem sequer gosto de frutas como a manga (blhac, blhac, blhac!!!), é raríssimo ter de comprar produto estrangeiro. Para além de estarmos a ajudar e a estimular a economia nacional, a verdade é que não há fruta e vegetais como os nossos. Já dei por mim a não trazer fruta por só haver de Espanha, e para mim fruta espanhola é dinheiro deitado fora: simplesmente sabe a nada.

Só tenho pena que a roupa/calçado português seja tão caro. Mas em compensação, é de uma qualidade soberba - o que me faz, muitas vezes, preferir não levar meia dúzia de peças produzidas na china e, invés disso, levo uma única peça, de produção portuguesa. Sim, é mais cara, mas acaba por compensar porque dura mais, tem melhores acabamentos, e são bem mais bonitas e originais. 

Como se costuma dizer: o que é nacional, é bom!








sexta-feira, maio 27, 2011

Para o jantarinho

sabia bem isto!

1,2,3 Teste, teste!

Mensagem inteiramente escrita e publicada no novo computador! Que partilhemos muitas alegras e poucas demoras!

quinta-feira, maio 26, 2011

Uma régua e um x-acto nas mãos

A probabilidade de uma pessoa se magoar com o x-acto é bem maior do que com a régua. Certo?!

Pois, mas eu magoei-me com a régua.

Ouch!

Da lei do aborto

tal e qual como é hoje, neste país, sou contra.

Para mim o aborto não é dar direito de decisão sobre o corpo da mulher, ou da decisão individual, mas sim um acto criminoso. Não quer dizer que seja contra o aborto em todas as situações: em caso de perigo de vida para a mulher, em caso de malformação do feto ou em caso de violação, concordo que se possa decidir em relação à interrupção voluntária da gravidez. Tirando estas situações, ficam outras que podiam ser evitadas com o uso de preservativo e/ou da pílula.

A lei diz que uma mulher pode interromper a sua gravidez até às 10 semanas de gestação. Só que às 10 semanas, o feto já tem braços, pernas e os seus orgãos formados. Tem sangue, e nervos - ou seja, sente dor. E a mulher nunca descobre a sua gravidez na duas primeiras semanas, mas algum tempo depois, quando o embrião já se encontra em pleno desenvolvimento.

Se eu não como carne porque tenho pena dos animais, quem sou eu para decidir a vida e a morte de um pequeno ser humano que não tem qualquer meio de defesa?!

Isto são motivos éticos e morais. Eu sou contra, não o faria, mas também não ando a apontar o dedo às mulheres que o façam. A consciência de cada um dita a sua escolha, e a minha consciência não me permitiria cometer um acto como este. Mas não condeno quem o faça.

Mas existem também outros motivos, como económicos. A verdade é que uma mulher, sempre que decide interromper a sua gravidez de forma involuntária, independentemente dos seus motivos, custa dinheiro ao estado. Ocupa camas nos hospitais que podiam servir para salvar vidas - não para as tirar. Tem prioridade em relação a outras "maleitas". E ainda recebe subsídio de maternidade, tal e qual como se tivesse decidido ter a criança. Acho isto, no mínimo, absurdo.

É claro que há azares. Mas esses azares justificam a morte e a despesa ao estado como está actualmente estipulado neste país?!

quarta-feira, maio 25, 2011

Por estranho que pareça

estou a descansar um pouco as pernas antes de ir tomar banho.

Aquela corrida deixou-me exausta e a ideia de ter de ficar mais 5 minutos que sejam em pé, deixa-me ainda mais exausta.

Coragem miúda, coragem!


O melhor cão do mundo

O melhor cão do mundo era o meu boxer, o Rocky de Shakazulo. Também tenho um cão de água, o Snoopy, que deve ser o melhor cão de água do mundo - muito esperto, muito meigo, muito ladino - e um gato - que também é o melhor gato do mundo, não tivesse ele atitudes de um autêntico cão.

Mas o melhor cão era o Rocky: era definitivamente o melhor amigo do dono, imensamente meigo, super inteligente e incrivelmente obediente. Se eu (ou alguém que da família) estivesse triste, o cão também ficava triste, e nessas alturas, ía pôr o seu focinho em cima do seu colo e olhava-nos com o olhar canino mais fofo que alguma vez podia existir.
Desde que nasceu até à sua fase final, foi sempre brincalhão ao ponto de nunca conseguirmos ter uns canteiros decentes no quintal, que ele ia lá e arrancava tudo - menos as rosas.
Tinha uma força brutal, e, se bem que fosse ciúmento em relação ao Snoopy, se era para defender o seu amigo cão de água, dos cães da rua, ele tratava do assunto.

Para além disso, estava sempre atento e sabíamos sempre que alguém estava a chegar porque, muito antes de tocarem à porta, já ele estava a ladrar.

Foi sempre um apreciador de comida, e nunca foi muito esquisito: tão depressa comia carne como estava a comer calças, casacos, tapetes, sapatos, comandos da televisão, o que lhe aparecesse à frente, basicamente.

E foi um lutador: a esperança média de vida de um boxer ronda os 8 anos, mas este durou 11 anos. O último ano já foi muito complicado, o cão começou com muitas dores, com dificuldades a respirar, entre outras maleitas. Mas sempre que o levávamos ao veterinário com a ideia de que provavelmente teria de ser abatido, ele melhorava um pouco e lá o traziamos de volta para casa, todos contentes. Até que na primeira semana de 2010 ele teve de ficar internado na clínica veterinária e no dia 6 de Janeiro, passado pouco tempo de ter comido, partiu.

Nunca consegui falar muito bem do assunto. Mesmo agora, passado mais de um ano, escrever isto está a ser um teste à minha força para conter as lágrimas.

O Rocky de Shakazulo era o melhor cão do mundo e provavelmente não vou ter cão como ele. Só espero que neste momento ele esteja no paraíso canino, a roer um bom par de calças.

Cá está ele, o meu Rockinho, já velhote*

terça-feira, maio 24, 2011

Out of Memory, sucker!!!

Tenho um novo computador aqui no estaminé. É muita bom, rapidinho, montes de memória, e tudo e tudo e tudo - segundo dizem. O cinema 4D - o meu programa Rei - vai ficar todo feliz, e eu já vou conseguir fazer os renders sem que esteja sempre a aparecer a bela da mensagem "OUT OF MEMORY, SUCKER!!". Ok, não diz sucker, mas eu bem sei q é isso o que ele pensa.

Vá, agora toca de instalar tudo o que é programa e programinha e fonts e elementos e passar os trabalhos de um computador para o outro. Mas que seca...

Help!

Recadinho de mim para mim

Da próxima vez que pensares em tocar numa batata frita, lembra-te da gigantesca borbulha que se instalou do lado direito do queixo. Lembra-te que ela é enorme, vermelhona e feia que até dói - literalmente!

Ai de ti que voltes a tocar numa batatinha frita que seja!


P.S. por norma não acho muita piada àquelas pessoas que falam de si próprias na 3ª pessoa. Mas neste caso teve mesmo de ser.

segunda-feira, maio 23, 2011

Confissão/ Desabafo

Estou farta de andar com o aparelho nos dentes. Farta de ter que usar uns elásticos a prender um dente em cima a outro dente de baixo. Farta de olhar ao espelho e ver um grandessíssimo buracão por terem-me arrancado três dentes - eu sei, era necessário, dois buracos já fecharam e o outro já está cada vez mais pequeno, mas mesmo assim, não gosto.

Estou farta, principalmente, por ser a segunda vez a ter de usar este esmifrador. E que os anjinhos protegam a minha dentista que ela é super querida e super profissional e não tem culpa que os outros dentistas, os do primeiro esmifrador, fossem uns chupistas incompetentes, mas que estou fartinha até ao tutano, estou.

No dia em que me veja sem esta traquitana, até penso que é mentira, um sonho, um milagre!

Pronto, as minhas sobrancelhas estão arranjadas... não é bem assim como a Betty!

domingo, maio 22, 2011

sexta-feira, maio 20, 2011

"Eu faço o meu melhor para que as minhas palavras correspondam aos meus actos"

diz o Sócrates.

Vá-se lá saber o que diz com a porta fechada - tenho uma piquinina ideia.

O poço sem fundo

Como qualquer mulher, moça, rapariga, moçoila, e até alguns homens e o Castelo Branco, eu gosto de malas. Grandes, pequenas, médias, nas mais variadas cores e formas. Gosto, de paixão. Mas tenho um problema com malas: independentemente do seu tamanho, parecem ser sempre um poço sem fundo. Vou lá pondo tudo e mais alguma coisa: carteira, porta-moedas, bolsa com escova de dentes, pasta de dentes, gloss, e afins, agenda, um caderno moleskine, creme para as mãos, 2 telemóveis, a caixa de óculos para ver, a caixa de óculos escuros, estojo com lapiseira, caneta, borracha, pen, livro que estiver a ler na altura, chaves de casa, e mais o que for preciso.

O problema disto é que, quando preciso de tirar alguma coisa, nunca encontro à primeira. Vem tudo parar às mãos, menos aquilo que eu preciso no momento. Se quero o telemóvel, agarro no porta-moedas. Se preciso do porta-moedas, agarro na caixa para os óculos. E é assim: chega o momento do desespero profundo e, já com as lágrimas a inundarem-me os meus olhos, começo a tirar tudo, já a pensar que perdi, que deixei nalgum lado ou, pior, que fui assaltada por algum larápio qualquer. Claro que não, está lá, naquele cantinho, sossegadito, a rir de gozo para mim. O pior é mesmo o telemóvel: esta pequena besta pisca, berra e vibra, mas mesmo assim nunca o encontro no sítio onde penso que possa estar. Está sempre do lado oposto. Como é que ele faz isso, ainda não percebi, mas aposto que anda por lá às corridinhas para não ser apanhado.

E depois há sempre a vertente masculina que, já não bastando a nossa consciência feminina saber da cruz que é ter de carregar com uma mala e seus infindáveis apetrechos, ainda nos vêm chatear mais com o seu discurso ultra-macho: "mulheres e as suas malas, nunca encontram nada!". Não é que não tenham razão, porque até têm. Simplesmente escusavam de estar sempre a atirar com isso à cara, muito menos quando, passados 5 minutos de nos gozarem, estão "morzinhooooo, guarda lá isso na tua mala, tão linda que só ela!".

quinta-feira, maio 19, 2011

A banana não desilude,

é um bom fruto. É fácil, é simples e não, nunca desilude: nunca deitei uma banana no lixo por ser má. Nunca, nunquinha, ao contrário de outras peças de frutas como a maçã, a laranja e até meloa, melão e melancia. Há bananas boas, muito boas, não tão boas, mas duvido que haja bananas intragavéis - isto falando de frutos em perfeitas condições, sem estarem podres.

Pronto, também nunca comi uma cereja má, nojenta, blhec blhec, mas a cereja tem um caroço, o que a torna num fruto muito mais complicado do que a banana.

Ahhh bananas... gosto!


Creme hidratante cheirosinho e contra celulite e contra gordura e contra rugas e contra papos e tudo e tudo e tudo

Tenho 2 cremes hidratantes para o corpo: um da body shop (oferta da loja, por ter efectuado compras para cima de upa upa um dinheirão em prendas de natal) e outro da Johnson's. E pronto, estão lá à espera que eu tenha paciência para untar o meu corpito com aquela nhanha maravilhosa que deixa a pele bonita, hidratada e macia que nem rabinho de bebé, tal e qual um frango com manteiga no forno.

Isto para dizer que ultimamente só oiço e leio as pessoas a falarem de cremes maravilhosos para tudo e para nada. É lá cremes que hidratam cotovelos, é cremes que apagam rugas tal e qual uma borracha, é cremes anti tudo. E eu que não tenho paciência nenhuma para isso.

Quando chego ao corredor de cremes e demais produtos (de tortura) beleza - aquele corredor maravilhoso que de um lado tem cremes e do outro lado tem gillettes e cera de depilação - ainda me ponho a ver os cremes. E leio as caixinhas. As moças das embalagens têm mesmo rabos bons. E depois lembro que eu sou designer e, se for preciso, ganho a vida a desenhar rabos daqueles. E claro, não tenho paciência nenhuma para andar a barrar creme no corpo toda santa manhã, toda santa noite e mais um pouco pelo caminho. Tenho mais que fazer, como pintar as unhas. Isso sim, é um tempo bem dispendido: pôr base, pôr a primeira cama de verniz, pôr segunda camada de verniz, e mais meia hora a tirar o verniz que foi para fora da unha, algumas vezes chegando até aos cotovelos.

O único creme que ponho é para a cara, por causa das manchas malditas que ficaram depois de uma pós-adolescência a espremer borbulhas - sim, já não bastava ter miopia, uma vértebra aberta, e dentes tortos (que estão a ser arranjados), também tive de ter acne tardio, que é bem pior que o acne na adolescência. E como isso também me chateia, ter de pôr creme na cara, ainda vou é fazer um peeling. Lá para 2080, quando tiver dinheiro para isso.

quarta-feira, maio 18, 2011

Senhora Dona Angela Merkel

Então vocemessê agora vem-nos dizer que devemos aumentar a idade da reforma? Que ninguém deve ousar trabalhar menos que os alemães?! Que tem que ficar tudo igual. Ahhh... então vamos fazer o seguinte:

1- Vamos diminuir o número de horas de trabalho, para ficar com isto tudo unificado. Menos uma hora por dia. Sim, porque aqui são 8 horas de trabalho, sem contar com o almoço, aí são 8 horas por dia - já a contar com a hora de almoço. Das 9h às 17h, pode ser?
2- Horas extra à borlieux?! Nein!
3- Vamos todos subir os salários. Não acho que deva ganhar nem menos um cêntimo que um designer júnior ganha por aí.
4- Vocês tem 20 dias de férias por ano, que pode ser alargado até 30 dias e mais. Aqui são 22 dias podendo ir até aos 25. O que prefere?!
5- Salário mínimo igual para todos. Gostava de vos ver a desenvencilharem-se com 480€ por mês.
5- Mas quem pensa que é?! Outro Hitlerzinho para vir com as suas conversas de que quem manda são vocês?! O melhor é a senhora ficar-se por aí, que de gentinha parva e idiota já nos basta o pinócrates. Ja?! Ja!

Precisooooo de ir a Miami,

para ir ao Miami Ink e pedir ao Chris Garver para me fazer esta tatuagem.

























Vá lááááá!!!!

terça-feira, maio 17, 2011

Das novas oportunidades

É a grande polémica do dia. E não é para menos: um menino decidiu entrar na faculdade e toca lá de fazer um examezeco de inglês, toma lá nota 20, entra para onde quiseres e não me aborreças mais. Sem sequer ser necessário efectuar o ensino secundário, tornou-se no "melhor" aluno em Portugal.

Que haja alguma forma de ajudar os jovens a fazer o secundário à noite, que tenham um tipo de matéria mais dedicada à saída profissional que anseiam, que haja cursos técnico-profissionais que possibilitem, futuramente, o ingresso nas faculdades, eu concordo. Desde que esse mesmo ingresso seja feito da mesma maneira que todos aqueles que querem estudar e querem aprender no ensino secundário "regular". Desde que façam os mesmos exames que qualquer outro aluno. E desde que, claro está, tenham notas válidas e não para encher o olho a quem vê as estatísticas.

É injusto para os estudantes que querem realmente aprender, andarem tanto tempo a queimar pestaninhas para depois vir um indíviduo que assinou o seu nome todos os dias durante três meses seguidos numa folha pautada e ficar, assim, com as mesmas oportunidades daqueles primeiros. Para além de que se tem vindo a verificar que as exigências pedidas nas faculdades - e não só - têm vindo a descer consideravelmente - o que vai afectar, obrigatoriamente, a sua carreira. Para aqueles que nem sequer pensavam que podiam e conseguiam entrar na faculdade, "tá-se bem", o que vier à rede é peixe; mas para aqueles que querem ser alguém na vida, vêm todo o seu percurso profissional manchado pela má qualidade de ensino.

Ao contrário daquilo que o primeiro-ministro demissionário José Sócrates disse, as novas oportunidades não são uma ofensa aos 500 000 portugueses que frequentaram as novas oportunidades. São, sim, uma ofensa, a todos os outros estudantes do ensino regular que realmente estudam e trabalham para conseguirem entrar nas faculdades. É uma ofensa para toda uma geração que vê a sua educação comprometida. É uma ofensa para qualquer contribuinte, que anda a pagar impostos para a pouca-vergonha que são as novas oportunidades.

O Símbolo Perdido

Acabei de ler este livro, de Dan Brown - o mesmo autor do Código DaVinci - no fim-de-semana passado. Leu-se bem e prende o leitor por todo o suspense criado, disso não há dúvida.

Mas o final é espatafúrdio. Não faz sentido, nem tem rigor histórico, cultural e social. Estranha-me este senhor que, apesar de não ser o melhor dos escritores - para mim - é notavelmente culto, ter-se lembrado de um final tão mau, tão pouco verdadeiro, tão escabroso. Preferia que o enigma tivesse ficado por revelar do que ser aquela barbaridade.

segunda-feira, maio 16, 2011

Com sono,

com a neura, irritada, sem paciência, sem vontade para nada.

Enfim, segunda-feira.

sexta-feira, maio 13, 2011

Primeiro Dia Oficial "Pé ao Léu"

WTF?

Onde estão vocês, meus queridos posts de quinta-feira?!

quinta-feira, maio 12, 2011

O dilema

o que fazer hoje à noite?!

Correr?!

Cinema?!

Correr?!

Cinema?!

Talvez dormir...

A piadinha do dia

A partir de hoje, as contas públicas passam a ser chamadas contas púbicas!

Para quando me acusam de ter mau feitio

quarta-feira, maio 11, 2011

Balança para míopes

Ontem fui-me pesar.

Não consegui distinguir em que traço estava.

Oh well...

terça-feira, maio 10, 2011

É, no mínimo, frustrante

Estar a chegar ao ponto de partida para ir correr/caminhar e aperceber-me que o i pod está sem bateria. Ou seja, nada de música nem nada de nadica da miúda da nike a dar-me informações tais como o tempo e distância percorrida.

Foi como andar por andar, perdida por aí, sem rumo nem destino. Snif.

Cara Judite de Sousa,

1 - Quando faz perguntas, deve deixar os seus entrevistados responder.
2 - Relativamente ao seu comentário "Falemos do presente e do futuro, não do passado": mas que critinice da sua parte!

Assim já gosto mais

segunda-feira, maio 09, 2011

Portugal é uma mulher que gosta de levar pancada

Vejo, desde há muito, diversas semelhanças entre a mulher de um homem violento com Portugal e o Sócrates.

Por norma, os casos de violência doméstica começam com um namoro bastante romântico e calmo. Há paixão, há amor. Não conseguem viver um sem o outro. Depois começam, muitas vezes antes do casamento, os primeiros sintomas de algo mau: os primeiros berros, as primeiras mentiras, as primeiras traições, seguidas logo por desculpas e por cenas de defesa pela parte do marido. De seguida vêm os maus tratos: uma chapadinha aqui e a promessa que foi a primeira e última vez; a estalada forte e um ramo de flores como forma de desculpa. Depois os empurrões, os murros, as ameaças com facas, armas de fogo, o terror psicológico, o terror físico.

Com Portugal aconteceu o mesmo: da fuga de um ministro cobarde e interesseiro, veio um outro político sedento de poder. E depois veio o "salvador", aquele que namorou Portugal, que prometeu mundos e fundos. Também começou com palavras meigas de amor e carinho. Deu tudo, o que tinha o que não tinha, a uma percentagem da população que lá achou que não precisava de trabalhar para ter uma casa, carro e dinheiro.

Depois, vieram as mentiras. E, consequentemente, chegaram as desculpas e o ataque auto defensor. Como uma mulher vê tudo a acontecer à sua frente e, mesmo assim, não reage, o mesmo tem vindo a acontecer com Portugal: não reagiu a tempo a todas as mentiras e a toda corrupção que se vieram a descobrir. Ficou parado, à espera. Depois veio a auge da crise: mais mentiras, mais manipulação. Veio a violência: o desemprego, a fome, a precariedade. Os jovens saem da faculdade e não encontram emprego. A justiça tornou-se injusta. A educação tornou-se em brincadeira anedótica. Os mais velhos começaram a ver as suas reformas ameaçadas. Do outro lado, do lado do governo, vieram mais desculpas, e depois as medidas de austeridade. Desse mesmo lado, continuaram a viver bem, com os seus brutos salários, com os seus carros renovados de ano a ano, sempre a enganar as suas esposas (os portugueses).

Como num caso de violência doméstica em que os vizinhos que se apercebem o que se passa do outro lado da parede, fazem queixa à polícia, aqui acontece o mesmo. As denúncias do mau marido Português começaram a alastrar a comunicação social lá fora, mas nem assim, as vítimas abrem os olhos: ainda esta semana, o Financial Times veio a desmarcar o discurso vergonhoso de Sócrates que insiste em não desistir e divorciar-se deste país.

Portugal só tem vindo a levar tareia, mas deixa-se estar, ainda acreditando e desculpando o pior marido que pode ter.

As próximas eleições será o momento decisivo, será o momento em que pode dizer "Chega, estamos fartos de levar tareia! Estamos fartos desta violência, destes abusos consecutivos!". Caso contrário, deste povo só tenho a dizer: "quanto mais me bates, mais gosto de ti!".

Meu querido bikini:

eu apaixonei-me por ti desde o primeiro momento que te vi, exposto num manequim da Oysho. Eu soube logo que era paixão ardente porque tive de entrar na loja, procurar-te, namorar-te e levar-te comigo para casa.

Foi por ti, bikini, que eu estive a tarde de ontem a fazer árduos exercícios físicos, inclusivé a correr. É por ti que eu quero ficar em forma, para não passares vergonhas quando fores para a praia. Não quero que oiças "olha-me aquele desgraçado daquele bikini, naquela gambuzina!!!". Nananim na não. Tu e eu vamos ser muito felizes na praia, vais ver!


Obrigada, marido!

Mais um relógio, para a colecção

























Lady Collection, Swatch

sábado, maio 07, 2011

Da dor de dentes

F!$%$"$ M&#$%#$&# C&#(%/))!!!!!

sexta-feira, maio 06, 2011

A preparar-me mentalmente

para mais uma sessão esmifradora dentária.

À minha mãe

A minha mãe é a melhor mãe do mundo. É ela o pilar da nossa família. É a minha mãe que nos apoia, que está lá, sempre com um sorriso, nas piores alturas. E nas melhores. É a minha mãe que nos anima, que nos acalma, que nos mima. É a minha mãe que fica acordada a noite inteira preocupada com todos. É a minha mãe que, não sendo muito beijoqueira, sabe quando eu preciso um beijinho.

É a minha mãe que me faz acordar e voltar com os pés à terra. É ela que sabe sempre o que dizer, mesmo quando eu acho que ela não tem razão. Mas tem sempre.

A minha mãe tem um sentido de humor único. Consegue ser tão irónica, que deixa todos na dúvida. E também sabe dizer coisas disparatadas.

A minha mãe é das mulheres mais cultas que eu conheço. É das mulheres com mais força que eu conheço. É das mulheres mais bonitas que eu conheço. E tudo isto, só com 4 a 5 horas de sono por dia - quando é.

E se há coisa que eu gosto, é quando me dizem que eu sou parecida com a minha mãe.

Eu tenho a melhor mãe do universo, e isso ninguém me tira.

Feliz aniversário mummy*

É sexta-feira

tenho dito.

Olha, um selo!

A Blair Randall, do blog Xá das 5 com Blair Randall ofereceu-me este selo. O primeiro deste blog! Muito obrigada :)


E agora está na altura de responder às perguntas que vêm com o selo.

1. Se fosses uma peça de roupa, o que serias? Um vestido.
2. Se fosses um personagem de bd/ desenhos animados quem serias? Ahahaah, boa pergunta... talvez a Jasmine, do Aladino.
3. Se fosses uma praia, qual serias? Praia de Copacabana. Nunca lá fui (ainda), mas parece-me bem.
4. Se fosses um destino turistico, qual serias? Maldivas.
5. Se fosses uma cidade, qual serias? Miami. Ou New York.
6. Se fosses um apresentador de talk-show, quem serias? hummmm... homem seria o Conan O'Brien. Mulher, não sei...
7. Se fosses uma parte do corpo, qual parte serias? Os olhos.
8. Se fosses um beijo, que tipo de beijo serias? Um beijinho.
9. Se fosses uma estação do ano, que estação serias? VERÃO!
10. Se fosses um blog, que blog serias? (Escolhe um blog da tua lista, não vale o teu) 
Não sei, gosto de muitos. Mas vou escolher o blog da Vânia, LollyTaste. Indentifico-me bastante com os seus posts e também é designer aqui como a je.


Oferece este selo ao blog que respondeste na questão 10.

quinta-feira, maio 05, 2011

Uma pessoa vai às compras

para comprar aquilo em específico.

Traz metade do supermercado. Menos aquilo em específico.

Não gosto

disto:




















Andava eu com a minha pele facial tão bóoonitinha, sem borbulhas, quando acabou o gel que andava a usar para lavar a cara, da Nuxe. Ida à farmácia, não há Nuxe cá para ninguém, leva mas é este da Avene que é tão bonzinho.

E a partir daí foi o descalabro: aparece uma borbulha aqui, outra ali, e quando dou por mim, estou outra vez encharcada de borbulhas.

Adeus Avene. Olááaa Nuxe para peles mistas! Que saudades!


Descubram as diferenças:


Agora vem dizer que fizeram um bom acordo. Não vai haver desempregados, nem cortes, tudo muito bonitinho. Pelo discurso proclamado, é basicamente um autêntico mar de rosas. Esqueceu-se foi de dizer que o acordo só foi concretizado por a oposição ter chumbado o PEC 4. Esqueceu-se foi de dizer que isto de pedir ajuda externa (extra, porque ajudas já há muito que vínhamos a receber), não foi "ideia" dele, que até estava contra. Também não disse que foi um bom acordo porque tem diversas medidas defendidas pela oposição, rejeitadas por ele próprio, primeiro-ministro.

E aparentemente, também se esqueceu que chegou a dizer que não sabia governar com a presença do FMI. Nisso concordo com ele, até digo mais: não sabe governar nem com nem sem a presença do FMI. A grande questão que se coloca, assim sendo, é: o que é que ainda estás cá a fazer?!

quarta-feira, maio 04, 2011

Sovacão:

voltas a escrever o meu nome com C, nem sabes de que terra vens (da Parvónia, pois claro está)!

KA-RI-NA. Carina é o pai da tua avó.

Tão engraçados que são!

Senhores empregadores:

Venho por este meio expressar o quanto eu me divirto ao ler os vossos anúncios de recrutamento para as vossas empresas de design. Eu rio-me, rio-me, rio-me e farto-me de chorar a rir com os vossos anúncios.

Ora bem, como qualquer pessoa sabe, nós, designers gráficos, sabemos mexer com todos os programas da adobe - photoshop, illustrator, indesign, flash, dreamworks, premiere, after effects, etc -, mais o freehand e o corel. Também todos nós sabemos, ohh se sabemos, mexer em cinema 4D, maya,  e outros demais programinhas de 3D. Também somos todos muitos trabalhadores e aguentamos toda a pressão, mesmo após 56 horas sem ir à cama. Sempre com um sorrisinho na cara - aquele sorrisinho que faz parecer o psicopata do Massacre no Texas um autêntico quiducho - mas não deixa de ser um sorriso.

Sabemos, da mesma forma, actionscript 1.0, actionscript 2.0, actionscript 3.0, flex, html, css, java, c, c++, pascal, visual basic.
Também sabemos falar e escrever português (tanto com o novo e antigo acordos ortográficos), inglês, castelhano, francês, alemão, italiano, árabe e mais uns quantos dialectos falados em África, Ásia e até dialectos de ilhas desertas ainda não descobertas.

Sabemos também resolver enigmas matemáticos, fazer traduções; fazemos de jornalistas, copy e de dramaturgos.

E tudo por meia dúzia de tostões que darão para meio passe de transportes - mas andar também faz bem à saudinha, para quê gastar dinheiro em transportes?!

Ohh tãooooo fofos e giros e cómicos que vocês são! Tanto mas tanto que há dias que vou ver o que há de "ofertas" só para me rir um pouco com as vossas piadolas!

Estás com pressinha,

aguenta!

Também esperei nove meses para nascer.

terça-feira, maio 03, 2011

Always...

"Ready for the Summer"

Meu gambuzino,

meu faneco, meu choco, meu patanisco, meu pastel de nata com açúcar e canela, minha bola de berlim com creme de ovos num dia quente de praia, meu cheesecake de frutos silvestres, meu bolo brigadeiro, minha bolachinha de manteiga e chocolate, minha papaia, meu abacaxi, meu docinho de côco, minha pipoca doce, meu profiterole, meu gelado de baunilha com waffles, caramelo e canela, meu leite creme, meu salmãozinho grelhado, meu raio de sol em dia de chuva:

Feliz Aniversário!*

segunda-feira, maio 02, 2011

Na compra de uma constipação + uma alergia agressiva

Oferta de um japonês a tocar, repetidamente e sem cessar, o gongo dentro da sua cabeça!

Indecente!

Uma pessoa quer usar os seus novos óculos de sol, e só chove, só chove e só chove!

Mauuuuuu!

Bin Laden apanhado!

Obama anunciou que o Bin Laden foi morto numa acção militar.

Bem... Já podem tratar do Sócrates?! É que para mim é tão terrorista um psicopata que mata/manda matar milhares de pessoas, como um sociopata que destrói um país inteiro com as suas políticas de desgoverno, levando muitas pessoas ao desemprego, à pobreza extrema, à fome e, consequentemente, aumentando os níveis de criminalidade. Já para não falar na não-autoridade das forças policiais que, quando tentam fazer o seu trabalho, muitas vezes ainda vão parar presos e os reais criminosos ainda recebem alguma indemnização choruda; na (falta de) justiça; no sistema educativo facilitado; etc etc.

Basicamente, vivemos no Afeganistão mas com ruas alcatroadas (algumas).