sexta-feira, maio 20, 2011

O poço sem fundo

Como qualquer mulher, moça, rapariga, moçoila, e até alguns homens e o Castelo Branco, eu gosto de malas. Grandes, pequenas, médias, nas mais variadas cores e formas. Gosto, de paixão. Mas tenho um problema com malas: independentemente do seu tamanho, parecem ser sempre um poço sem fundo. Vou lá pondo tudo e mais alguma coisa: carteira, porta-moedas, bolsa com escova de dentes, pasta de dentes, gloss, e afins, agenda, um caderno moleskine, creme para as mãos, 2 telemóveis, a caixa de óculos para ver, a caixa de óculos escuros, estojo com lapiseira, caneta, borracha, pen, livro que estiver a ler na altura, chaves de casa, e mais o que for preciso.

O problema disto é que, quando preciso de tirar alguma coisa, nunca encontro à primeira. Vem tudo parar às mãos, menos aquilo que eu preciso no momento. Se quero o telemóvel, agarro no porta-moedas. Se preciso do porta-moedas, agarro na caixa para os óculos. E é assim: chega o momento do desespero profundo e, já com as lágrimas a inundarem-me os meus olhos, começo a tirar tudo, já a pensar que perdi, que deixei nalgum lado ou, pior, que fui assaltada por algum larápio qualquer. Claro que não, está lá, naquele cantinho, sossegadito, a rir de gozo para mim. O pior é mesmo o telemóvel: esta pequena besta pisca, berra e vibra, mas mesmo assim nunca o encontro no sítio onde penso que possa estar. Está sempre do lado oposto. Como é que ele faz isso, ainda não percebi, mas aposto que anda por lá às corridinhas para não ser apanhado.

E depois há sempre a vertente masculina que, já não bastando a nossa consciência feminina saber da cruz que é ter de carregar com uma mala e seus infindáveis apetrechos, ainda nos vêm chatear mais com o seu discurso ultra-macho: "mulheres e as suas malas, nunca encontram nada!". Não é que não tenham razão, porque até têm. Simplesmente escusavam de estar sempre a atirar com isso à cara, muito menos quando, passados 5 minutos de nos gozarem, estão "morzinhooooo, guarda lá isso na tua mala, tão linda que só ela!".

7 comentários:

  1. tal e qual, tenho montes de malas, sempre cheias e nunca encontro o que quero. Depois também oiço as bocas do amor, mas o mais engraçado é que na hora de lhe guardar a carteira lembra-se logo da minha mala, enfim, gajos:-)

    ResponderEliminar
  2. Oh, é tão típico, mas repara, o meu marido diz que se recusa a procurar o que quer que seja na minha mala, mas em momentos decisivos ela até parece ter um GPS de malas, encontra primeiro que eu.

    ResponderEliminar
  3. É um mal comum do mundo feminino, toda esta problemática do poço sem fundo que são as malas... Mas podia dar para pior :P

    ResponderEliminar
  4. Junta-te ao clube. Então de for uma mala grande...é o pesadelo. Mas sim, eles gozam e depois ainda acrescentam tralha nas nossas malas. Enfim.
    *

    ResponderEliminar
  5. o pior é quando ainda nos pedem para lá colocar o tmn a chave do carro e ..outras coisas porque nao têm bolsos
    kis ;=(

    ResponderEliminar
  6. LOL há coisas que NUNCA vão mudar: ele é malas que mais parecerem o buraco onde caiu a Alice do país das maravilhas e homens que nos fazem suas amas secas. Uns porque têm vergonha de usar mala de homem, outros porque são preguiçosos.

    ResponderEliminar

Gambuzinem