quarta-feira, agosto 31, 2011

Obrigadinha S.Pedro

Há conta deste tempinho de caca, parece que desceste dos céus e vieste lamber o meu cabelinho todinho. Que nojo, lavei o cabelo ontem e parece que não é lavado desde 1817, mais coisa menos coisa.

Obrigadinha, sim?!


Esta é boa...


Ser-se cool

Se nos anos 80 era cool fazer-se parte de um grupo em que todos os membros usavam roupas dread, a fazer gestos com os braços e mãos semelhantes a um macaco com cio, em que la piéce de le resistence era o famoso radiotape aos ombros de um dos membros, com música aos altos berros para todas as pessoas ouvirem, nos dias que decorrem a moda é totalmente diferente.

Hoje em dia é muito mais fashion ver-se por aí certos indivíduos - quer do sexo masculino quer do sexo feminino - a vaguearem pelas ruas, sozinhos, com calças de fato treino em que uma das pernas está arregaçada até ao joelho e, por norma, ou com um boné de lado ou com um penteado qualquer muito cool - cristas, e afins - segurando numa das mãos o seu smartphone última geração a tocar música a alto e a bom som para todos ouvirem.

Pelo meio, o uso dos phones ficou obseleto. Sinceramente não sei qual é o problema, são práticos, pequenos, não ocupam espaço nenhum e são leves. E o melhor é que ninguém tem de aturar com as músicas de ninguém. E se querem dar nas vistas (e não nos ouvidos), até podem usar aqueles headphones gigantes, são bué cool (para se ler de forma irónica e sarcástica)!

Pronto, eu  até entendo que estas pessoas sejam umas queridas e que queiram partilhar com todos as suas preferências musicais, mas parem lá com isso. Tipo, é que isso é uma cena bimba, 'tão a ver?!


terça-feira, agosto 30, 2011

Talvez não seja boa ideia

ter de ir ao Centro Comercial no dia de S. Receber. Mas lá vai ter de ser, e o que tem de ser, tem muita força.

segunda-feira, agosto 29, 2011

Do fim-de-semana II



As prendinhas do Gambuzino. Um livro de culinária do Gordon Ramsay (sim, sim, vem lá uma receita com as famosas vieiras e só espero que ninguém me diga "This piece of shit is raw, you bitch!"), e um vestido da Desigual*

Ora, a ver se o moço não tem bom gosto! Pois claro que tem :) *****

Do fim-de-semana I










O que diz o DJ iraniano numa discoteca?

LET'S BOMB ALL NIGHT LONG!!!

domingo, agosto 28, 2011

Foi há um ano atrás







































Venham muitos mais anos! ****

sexta-feira, agosto 26, 2011

Já marchavas...




















Assim, grandalhona, cheia de açúcar e com recheio de doce de ovos! E de preferência na praia, que eu acredito piamente que é aquele ar a mar e toda a areia que acaba por ir parar à bola de berlim que lhe dá todo o encanto e sabor!

Vergonha, vergonha, vergonha...

Ao espertinho que se lembrou de colocar alarmes dentro da forra dos porta-moedas (comprados em qualquer loja da Stradivarius, Bershka, Zaras e afins): meu c*brão, espero bem que passes o resto da tua vida com um alarme na tua cabeça a guinchar como se não houvesse amanhã, e mesmo assim não compensa a vergonha que passo sempre que entro numa loja e vejo alguma empregada a correr em minha direcção e meio mundo a olhar para mim com aquele ar reprovador de "ai minha menina, fostes apanhada!" porque o alarme desata a berrar.

Isto tudo porque há uns tempos decidi comprar um porta-moedas muito fofinho e piriri e granjola na Stradivarius, mas, em vez de ter o alarme num sítio minimamente decente e de fácil acesso para o cortar, não. Está dentro do forro e, como não me apetece estar a rasgar o forro (já basta quando os bolsos dos casacos se descosem e, quando dou por mim, tenho telemóveis, moedas e lenços de papel, perdidos dentro do forro do casaco), de vez em quando entro nas lojas e aquilo começa a apitar, apesar do porta-moedas já ter sido desmagnetizado pelo menos 5 vezes.

Só me apetece atirar com o porta-moedas (cheeínho de moedas) às fuças do tipo que se lembrou desta gracinha. E sim, de certeza que foi um homem que pensou nisto, uma mulher nunca iria pensar em algo que a fizesse dissuadir de entrar em qualquer loja que seja.

quinta-feira, agosto 25, 2011

Oh Brian, não era preciso teres-te lembrado de mim!




Babyyyyyyyyyyyyyyyy did you forget to take your meds?! Babyyyyyyy, did you forget to take your meds?

OMFG!

A esta hora está o querido do Cobain a rebolar de raiva no seu túmulo...
















Miley, fofa... smells like stupidity!

Mas porquê?

Que as grávidas agarram sempre a barriga por baixo?

Têm medo que a criança dê um trambulhão dali para baixo?!


(Vá, não me atirem pedras, mães e futuras mães! Já deviam saber que eu não funciono com o baralho todo!)

A neura

A neura é um bicho papão: papa toda a paciência, bom humor e alegria que uma pessoa possa ter. A neura é uma unha comprida a riscar um quadro de ardósia. A neura é uma placa de esferovite a raspar noutra placa de esferovite. A neura é um bolo de chocolate queimado. A neura é um cordeiro mascarado de leão (não, não é um leão mascarado de cordeiro). A neura é a vontade de esganar alguém só porque sim.

Maldita neura! Xô, xô!


quarta-feira, agosto 24, 2011

Sinais de insanidade mental

Colocar pasta dentrífica no dedo indicador como se uma escova de dentes tratasse. Levar o dedo à boca e só a meio caminho aperceber-me do ridículo da situação.

Rir-me sozinha enquanto olho para a pasta no dedo.



Olha qui coisa mai' linda, tão chêa de graça!


terça-feira, agosto 23, 2011

Alguém me explique

O preço do barril de petróleo aumenta = aumenta o preço da gasolina / gasóleo.
O preço do barril de petróleo estabiliza = aumenta o preço da gasolina /gasóleo.
O preço do barril de petróleo desce = aumenta o preço da gasolina / gasóleo.


Quê?!

Eu trato-te bem

dou-te miminhos, dou-te carinho. Dou-te banho todos os dias. Dou-te roupinha lavada e passadinha todos os dias. Dou-te de comer, várias vezes ao dia. E de vez em quando até te dou bolachinhas e docinhos. Mas é só às vezes, que gosto de te ver com esse ar saudável, óh corpo jeitoso. E tu o que me dás em troca, seu mal agradecido?!

Duas borbulhas enormes no meio das trombas! Anda aqui uma pessoa a cuidar e a tratar tão bem do seu corpo, e é isto que recebe de volta. Está bem... hás-de cá vir!



Hoje sonhei

que tinha feito um piercing no nariz. Tinha escolhido um pequeno, brilhante, não um cachucho suficiente para encadear alguém (a conduzir havia de ser giro - motivo do acidente: encadeamento provocado por cachucho narigal).

E, apesar de nunca me ter passado pela cabeça fazer um - que isto de ser uma miúda agarrada ao seu lencinho de papel por estar sempre aflitinha das suas alergias, faz com que muita nhannha (sim, nhanha, toda a gente tem nhanha dentro de si) passe pelo meu sensível nariz, levando-me a ter pensamentos pouco agradáveis (nhanha a passar pelo piercing) -, até que gostei de me ver.

Aqui está a vantagem de ser designer: vou tirar uma foto e fazer uma montagem. Até posso fazer várias perspectivas. Depois faço um filme stop-motion. Vai-se chamar "experiência vivencial do piercing pequeno no nariz da karina sem acento". E depois se gostar, logo se vê.

É que, afinal de contas, estou a ficar sem espaço livre nas orelhas...


segunda-feira, agosto 22, 2011

Qual dos dois levo?!

A sério?! Qual dos dois levo?! Gosto tantooooo dos dois. Mas tanto. Estou tão indeciso!
Já sei. Vou levar os dois!





















Dia típico de um designer

Designer: então como quer?!
Cliente: como quiser, deixo a seu critério!
Designer: tem a certeza?
Cliente: claro!!!!
Designer: não quer mesmo escolher entre A e B?!
Cliente: nãoooo, você como designer é que sabe!

Designer: então B.

Cliente: pensando bem, quero C.

Okidokie...

Caros paizinhos:

eu não sou mãe, e não estou aqui para vos ensinar a fazer o vosso trabalho. No entanto, a minha mãe tem sido uma grande mãe. A melhor mesmo. E se, quando íamos ao cinema, eu fizesse algum comentário ou perguntasse algo, a minha mãe mandava-me logo calar porque estaria a incomodar os demais espectadores presentes na sala.

E como não acho piada nenhuma às teorias actuais de deixarem os putos fazerem o que quiserem (chamam nova educação, eu chamo anarquia), peço-vos, encarecidamente, para controlarem as vossas criancinhas nas salas de cinema e mandem-nas calar, invés de incentivarem à conversa ao responderem, e terem uma longa conversa ali no meio de toda a gente, principalmente quando o filme não é dirigido a crianças. E já agora, controlem-se a vocês próprios. Não é difícil. Basta escolherem entre estar duas horas fechados numa sala de bico fechado, ou, caso queiram conversar, ir a um cafézito. Ou ficam em casa. É simples.



sábado, agosto 20, 2011

Agosto mais ronhónhó

Podia (devia) estar a fazer isto:




















Mas cheira-me que vai ser mais assim:


sexta-feira, agosto 19, 2011

S.O.S Bichinhos

Todos os anos, principalmente pela altura do verão, é sempre a mesma tristeza: os animais, como afinal não dão jeito, porque ninguém pode ficar com eles nas férias, como não dão para levar na viagem, porque cresceram muito, porque comem muito, porque sujam muito, porque mil e uma desculpas, são encontrados abandonados pelas estradas e ruas de Portugal. 

Felizmente há quem se preocupe com estes bichinhos, como é o caso da Vanessa G', que veio pedir para eu passar a mensagem: S.O.S Bichinhos, é o blog que pode mudar a vida a muitos destes bichinhos, ao tentar encontrar um lar e alguém que lhe dê carinho e atenção. 

Vão, vejam, sigam o blogue, passem a mensagem. É por uma causa magnífica. 


A má educação é uma cena que a mim não me assiste

Não tenho paciência para pessoas que não se enxergam, que pensam que só elas têm toda e a única razão, que toda a gente tem de fazer uma vénia pela sua presença. Pessoas que só falam o mínimo e indispensável porque a sua saliva tem de ser guardada para fins mais valiosos.

A Pessoa-muito-pouco-simpática, como doravante a vou tratar, é assim. Consegue sugar qualquer pingo de paciência a um santo. É mal educada, é rude, é arrogante. A Pessoa-muito-pouco-simpática vitimiza-se com o seu olhar de carneiro mal morto e o seu ar emproado como se tivesse engolido uma colher de pau. A Pessoa-muito-pouco-simpática podia ter o mundo a seus pés, mas devido ao seu feitiozinho intragável, tem o mundo a querer pisá-la.

Todas as pessoas têm maus dias. Mas ter maus dias e passar dos limites constantemente, dia após dia, sem se preocupar com as pessoas que estão ao seu redor, é algo que me tira do sério. Aiiii se tira.






Hoje é sexta-feira

Amén!



Esquinifobétiquices musicais

Ontem fui ao Casino do Estoril ouvir Orelha Negra. Não conhecia a banda - apesar de estar fartinha de ouvir falar bem deles - mas vamos lá a isso. Primeiro tocaram os Macacos do Chinês - que também não conhecia -, só depois foram os Orelhudos. Como a malta no dia seguinte trabalha, ouvimos apenas cerca de 15 minutos. Mas do que ouvi, até que gostei. Ainda tive direito a ouvir um comentário de um rapaz - que eu não percebi se estava a gozar, se estava alcoolizado, ou se estava mesmo a falar a sério - "epah, epah, isto parece Led Zeppelin!". Whatever.

E, enquanto estávamos à espera que aquilo tudo começasse, entre as slot machines (e a mulher que ganhou 950€ na máquina do Sex & the City) e a zona lounge, pus-me a pensar (medo, medo): mas que raio de nomes as bandas agora arranjam! Macacos do Chinês. Orelha Negra. Foge, foge bandido. Os Golpe. Toranja. Classificados. Os Azeitonas

Quando não é isto, são nomes estupidamente originais. Joana. Jessica. Iza. Mafalda Veiga. Leandro. Armando Stuart. A acompanhar nome tão giro e original, vem sempre uma capa de um cd ainda mais original: a fotografia em pose super sexy, com penteados que fariam corar qualquer prostituta dos anos 80, tendo como como cenário de fundo, uma parede pintada com tinta de areia, ou à frente do portão da garagem.

























Cá eu, se tivesse uma banda, e seguindo esta tendência para nomes esquinifobéticos, seria Karina sem acento e o queijo roquefort voador.


quinta-feira, agosto 18, 2011

Conversa de gajas

A.: Quando for grande [ela é grande, ela é alta, ela é loura, ela é boa e gira - um helicóptero, portantosss - mas diz estas coisas] quero ser assim [ao olhar para as fotografias de uma rapariga alta, loura, boa, com estilo, que passa a vida a viajar e a comprar roupa].

Eu: Ahhh pois... também eu... O mundo dá tudo a quem já tem tudo. "Mas és inteligente", diz a minha mãe. "E então?!", pergunto eu.


Já dá!

O truque é voltar ao editor antigo!

É o livro de reclamações, Sr. Blogger.

Não consigo escrever nadinha aqui no blog a não ser este mesmíssimo título. Não gosto. Amuei

quarta-feira, agosto 17, 2011

Os nudistas é que têm razão

Pelo menos não gastam dinheiro em fatos de banho, calções, bikinis, trikinis, nem burkinis e tantas outras coisas acabadas em inis.
Para além disso, também não correm o risco de ficarem sem alguma peça do seu vestuário de praia - quem diz alguma, diz todas - ao tentar sobreviver àquelas ondas mais marotas.

As mulheres nudistas também não se preocupam em trocar regularmente de bikini para não ficarem com as marcas do mesmo. Bronze uniforme, pelo corpo inteiro.

A parte mais chata, para pelo menos as mais fashionistas, é que também não discutem que "aquela gaja tem um bikini lindoooooo! Cabra!". Imagino que discutem outras modas, como "epahhhh, aquela tipa tem aquilo tudo rapadinho, parece uma franga!", ou então "elááááá, aquilo mais parece uma pista de aterragem!".

Penso eu que também deve ser agradável, em dias mais quentes, sentir aquela brisa fresquinha a passar nos entrefolhos. Ar condicionado incoporado e de forma ecológica.


terça-feira, agosto 16, 2011

A dor de cabeça que é ter de descolar a primeira folha do papel higiénico

Aquela primeira folha do rolo de papel higiénico que vem colada à folha que vem por baixo, é um tanto irritante. Não sei quem foi a pessoa que se lembrou disso, mas sei que foi aquando de uma tremenda diarreia mental. É que, das duas uma: ou se se tem a paciência de um santo para descolar aquilo sem grandes estragos, ou então, uma boa parte do papel vai à vida.

Quero rolos de papel higiénico que não venham com a primeira folha colada. Quero poder ter a felicidade de desenrolar o papel sem ter que perder mais de 2 segundos a ver onde começa o rolo, e a esticar as unhacas para descolar aquilo. Quero rolos de papel higiénico totalmente user frindly.


Conversa de surdos-mudos

Na praia, N. pergunta-nos se queremos um chocolate de morango.

C: o que é que ele perguntou?!
Eu: se queríamos um chocolate de qualquer coisa.
C: Chocolate de morango?!

segunda-feira, agosto 15, 2011

sábado, agosto 13, 2011

Adoro programas de culinária!

Desde o Jamie, à Nigella, ao Masterchef Australia, à Missa Dahl, ao Cook Yourself Thin...
Sempre que os vejo, fico com vontade de ir a correr para a cozinha preparar grandes pitéus e banquetes.
Gosto mesmo muito de programas de culinária.

Papo-os todos!


sexta-feira, agosto 12, 2011

Falta pouco... falta muito pouco

para o fim-de-semana prolongado. 1h22 minutos, para ser mais precisa. Com alguma sorte, até se poderá ouvir, daqui a 52 minutos a bela da frase: "Vá, vão-se lá embora! Bom fim-de-semana!!". Com muita sorte.

3 dias seguidos a praiar - se S. Pedro fizer o obséquio. Vá lá, vá lá, vá lá, vá lá, vá lá, vá lá, vá lá, vá lá, vá lá, vá lá, vá lá, vá lá, vá lá, vá lá, vá lá, vá lá, vá lá, vá lá, vá lá, vá lá, vá lá, vá lá, vá lá, vá lá, vá lá, vá lá, vá lá, vá lá!

Recadinho ao S. Pedro

Chuva?
Meteo no sítio que eu cá sei.




http://www.meteo.pt/

Há com cada coisa mais macaca...

Ontem o serão foi passado a ver a estreia do The rise of Planet of the Apes. Como o nome indica, o filme fala sobre os momentos que antecederam ao domínio primata de O Planeta dos Macacos.

Para o género, acho que foi um filme bastante interessante. É mais puxado do que estava à espera (eu que não posso ver bichinho maltratado, abandonado, com falta de amor e tudo mais), e é um filme que serve para relembrar que somos todos animais, que deve haver, acima de tudo, respeito pelas espécies, e conseguir ver quando é necessário deixar as coisas como estão. Porque há certas coisas que não devem ser mudadas.

Cada macaco no seu galho, por assim dizer. 

quinta-feira, agosto 11, 2011

Afinfava-te agora todo!



















Não sobrava nem uma migalhinha. Mas nãoooo, não posso. Não quero estragar aqui a média. Sim, porque ontem pesei-me três vezes numa balança meio desregulada e deu-me 3 valores diferentes, e, pois claro está, tive de fazer média. E retirei um quilo, por ser de noite (ai e tal, já comi, já bebi, uma pessoa incha durante o dia).

quarta-feira, agosto 10, 2011

Sobre Portugal vir a ter possíveis motins violentos

Eu cá não me preocupava muito com isso. Se os políticos discutissem futebol na Assembleia da República em vez de discutirem política, acredito que sim. Mas como não é o caso, penso que seja pacífico!

Porque eu mereço

e porque são bonitos c'a farta, e porque me ficariam a matar. Salvo seja.























Da Mango.
Li algures que os meninos que andam por Inglaterra a vandalizar, nunca trabalharam na vida e vivem à conta de subsídios.

Ora bem, então, pelo que percebi estes meninos, que não sabem o que é trabalhar, que só sabem viver à custa dos outros, à custa do chamado "estado social", andam a destruir os pertences e trabalho de pessoas que se esforçaram e trabalharam durante uma vida inteira, que vivem dos resultados dos seus sacríficios e não de subsídios do estado.

Acho que sim... acho que está tudo doido!

terça-feira, agosto 09, 2011

Estava aqui eu

a ver um passatempo num outro blog, para se votar na rapariga com mais estilo, ao que me ocorreu: não seria brutal ganhar um destes passatempos vestida com trapos da feira?!



Isto não é inveja...

daquelas moças sem um pingo de gordura em todo o seu corpo super tonificado, e que têm o descaramento de dizer que têm sorte por poderem comer de tudo. "Deve ser genético", dizem elas.

"Muita fominha que deves passar", digo eu.

Tem de haver uma explicação

científica para eu conseguir abrir as embalagens de medicamentos/produtos farmacêuticos SEMPRE do lado do folheto informativo.

segunda-feira, agosto 08, 2011

Casas-de-banho públicas

Não gosto de ir a casas-de-banho públicas. Considero o meu rabo demasiado precioso para se sentar nesses tronos repletos de micróbios. No entanto, como a bexiga é uma força da natureza muitas vezes tão pouco controlável, quando menos espero e quando menos quero, começo a ficar aflitinha e que remédio tenho em ter de ir com o rabinho entre as pernas a correr para a casa-de-banho mais próxima.

E na sexta-feira à noite lá tive que me dirigir ao Santo Graal das casas-de-banho públicas: as dos cinemas do centro comercial. Mal entrei, senti aquele cheiro tão pouco agradável, uma mistura entre embalagem de lixívia aberta, esquecida num canto por nunca ter sido usada e aquele cheiro vulgarmente conhecido como cheiro a puns. Já meio enojada, entro para o cubículo e começo a fazer o que faço sempre numa casa-de-banho pública: crio um colchãozinho de papel higiénico em cima da sanita, tirando sempre a primeira folha do papel para o lixo - eu sei lá quem já lá andou a mexer! E de seguida, ao invés de me sentar, fico apenas ligeiramente acocorada para poder efectuar o servicinho sem quaisquer problemas, apesar de sentir que as minhas pernas vão vacilar a qualquer momento - a posição não é, de todo, a mais confortável.

Azar dos azares, aquela primeira folha que eu deito para o lixo, era a última folha que havia.

Ok, vou tirar uns lenços da mala.

Mas só tenho um lenço.

Vou sair daqui e ponho-me no cubículo ao lado.

Mas eu acho que o cubículo ao lado está fora de serviço. E se o outro também não tem papel?

Oh god!

O pior dos pesadelos em termos bexigais está a acontecer! E agora?! Não conseguia aguentar o filme inteiro e ainda o caminho até casa para fazer um xixi rápido mas muito agoniante para a minha bexiga.

E, com aquele único lenço, armada em McGyver, dividi o lenço ao meio. O xixi, esse saiu envergonhado com toda a situação. Mas lá me safei.

Saí, lavei as mãos, tudo nice. Entro na sala de cinema, sento-me, abro a mala para tirar o telemóvel e pô-lo em silêncio quando me vem parar às mãos um pacote inteiro de lenços de papel.

Bonito.

Olhóóó selo fresquinhoooo!

Na verdade, são dois selinhos! Weeeeeeeeee!
O primeiro é repetido, mas vamos lá, é sempre bom receber selos :D
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
1. Regras do Selo:

2. Partilhar 7 coisas sobre mim:
1- É a segunda vez que estou a fazer este "questionário" lol;
2- Sou viciada em cinema, livros e música;
3- Houve uma altura em que só me vestia de preto (preto metal, não preto gótica);
4- É a segunda vez que estou a usar aparelho nos dentes: SE-CA!;
5- Odeio ver pássaros em gaiolas;
6- Não como carne;
7- Eu gosto é do verão!

3. Partilhar o selo.


 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Regras do Selo:
1. Agradecer à pessoa que ofereceu
Muito obrigada Daniela!

2. Escrever um posto sobre isto
Ora aqui está

3. Oferecer aos blogues que eu quiser com os respectivos links e avisá-los.
Opah, eu gosto de tantos, mas vou oferecer a 3, para a lista não ser muito extensa:

Se oiço

a Chorona* mais uma vez que seja, acho que dou um tiro no rádio.

*Aurea ( i cry every day, i cry every night, bla bla bla).

domingo, agosto 07, 2011

Txaraaaaannnnn!

Voilá, À Caça de Gambuzinos regressa com um novo look, com o header feito aqui pela je. Há ainda algumas coisas que poderão ser alteradas, mas com o seu devido tempo. Por agora, fica assim. Espero que gostem.

E agora vou dormir, que a praia - com o dia de ontem, quem diria que hoje iria ter um dia de praia tão bom - deixa qualquer um de rastos. 

*

sábado, agosto 06, 2011

À Caça de Gambuzinos

encontra-se em obras. Prometo ser breve. Obrigada pela compreensão.

A Gerência.

Grandes confusões

Agosto, pleno verão, entro nas lojas e o que vejo?! Colecção Outono-Inverno. Casacões, cachecóis, botas.
Não admira que o S. Pedro ande todo confuso e trocado com o tempo...

sexta-feira, agosto 05, 2011

A modos que ao almoço foi isto

Imaginem

um ovo cheínho, de casca fina, em cima de vidros partidos bem afiados a tentar não partir-se, mas cheio de sono, por isso tem uns phones enfiados, a ouvir rock para não adormecer, mas a vibração do som torna a casca mais sensível.

Esse ovo é a minha cabeça.

Boas notícias

A perna não caiu. Mas também não fui correr.

Fraca, muito fraca...

quinta-feira, agosto 04, 2011

Diz que

logo vamos correr para o paredão. Qualquer coisa como 7kms. Qualquer coisa como correr se-te qui-ló-me-tros após um mês sem corridas. Qualquer coisa como o suficiente para, a meio, cair-me uma perna.

Não há-de ser nada.

Como deixar alguém embaraçado

Centro comercial, a passear pelos corredores em direcção à fnac. Banca a meio do corredor de um ginásio qualquer. Promotor da banca do ginásio qualquer a esticar o braço em minha direcção para me oferecer um folheto do mesmo espaço.

Karina sem acento pega no folheto, olha para o rapaz e pergunta: "está a chamar-me de gorda?".

Rapaz com um ar assustadíssimo sem saber o que dizer, o que fazer, nem onde se enfiar.

Karina sem acento: "Ahahahah, estou a brincar! Obrigada!"

quarta-feira, agosto 03, 2011

És todo bom!

Macaron de limão. Tãoooo maravilhosamente super espectacular bom!