segunda-feira, agosto 22, 2011

Caros paizinhos:

eu não sou mãe, e não estou aqui para vos ensinar a fazer o vosso trabalho. No entanto, a minha mãe tem sido uma grande mãe. A melhor mesmo. E se, quando íamos ao cinema, eu fizesse algum comentário ou perguntasse algo, a minha mãe mandava-me logo calar porque estaria a incomodar os demais espectadores presentes na sala.

E como não acho piada nenhuma às teorias actuais de deixarem os putos fazerem o que quiserem (chamam nova educação, eu chamo anarquia), peço-vos, encarecidamente, para controlarem as vossas criancinhas nas salas de cinema e mandem-nas calar, invés de incentivarem à conversa ao responderem, e terem uma longa conversa ali no meio de toda a gente, principalmente quando o filme não é dirigido a crianças. E já agora, controlem-se a vocês próprios. Não é difícil. Basta escolherem entre estar duas horas fechados numa sala de bico fechado, ou, caso queiram conversar, ir a um cafézito. Ou ficam em casa. É simples.



11 comentários:

  1. Ai Karina sem acento,

    Ultimamente eu ando assim... intolerante para criancinhas mal educadas, adolescentes que acham que são os donos do mundo e principalmente para pais que acham que educam bem os filhos só porque não os contrariam e os deixam fazer tudo e mais alguma coisa... Sei lá... se calhar o problema é meu... se calhar é porque não tenho filho, ou se calhar é porque não quero ter filhos! Enfim... que dizer a estes pais? Que ESTÃO COMPLETAMENTE ERRADOS NA EDUCAÇÃO QUE DÃO AOS VOSSO FILHOS. Por muito que vos custe ouvir! Contrariar faz bem, castigar (na medida certa) faz milagres e uma bofetada na hora certa educa!! Eu fui contrariada, e muito, fui castigada quando mereci e levei muita bofetada bem dada! Novidade: não estou traumatizada e sei-me colocar no meu lugar quando é preciso sei respeitar os outros. Porque houve um princípio muito importante que pautou a minha educação (coisa que os vossos filhos não sabem o que quer dizer): A MINHA LIBERDADE TERMINA QUANDO COMEÇA A LIBERDADE DOS OUTROS!!!

    Pais idiotas!!!

    ResponderEliminar
  2. Tou contigo!
    Há uns anos tive a "sorte" de ficar ao lado de uma mãe que passou o filme todo a ler as legendas ao filho. Era um barulhinho de fundo...
    Mas há outra coisa que me passo completamente quando vou ao cinema: aquelas pessoas que põem a dar pntapés à nossa cadeira. Detesto!

    ResponderEliminar
  3. Dá vontade de dar uma marretada nos paizinhos e nos filhinhos!!!!!

    ResponderEliminar
  4. Epá, não podem ser tão radicais, pois a certa altura mandámos calar o puto, com o tipico "shiu", e ele até se calou. No entanto estava um casal com os seus 30 e tal anos à nossa frente, que utilizando a mesma técnica, não ligaram, por isso não sejam tão radicais.
    A titulo de exemplo, ultimamente acho pior os GRAÚDOS SEM FILHOS (mais de 30 anos) no cinema que os próprios putos.

    ResponderEliminar
  5. Helenis: apoiado! Eu também levei algumas palmadas, também tive castigos e não fiquei traumatizada com isso. Antes pelo contrário! Hoje sou como sou, porque os meus pais deram-me educação. Contrariaram-me quando foi necessário.

    trintona: bem, essa nunca me aconteceu! e sim, isso dos pontapés também é horrível!

    Ana FVP: principalmente aos paizinhos!

    Pedro: calou-se sim, mas depois de alguns "shius", não foi à primeira. E não disse mais nada porque entretanto o filme também acabou. E a rapariga que estava atrás?! Também não se calou! A questão aqui é que os pais agora querem fazer as vontadinhas todas aos putos, que é como quem diz "eu não sou educado, e não tenho paciência para educar o meu filho". E pronto, a sala de cinema é dos melhores sítios para se constatar isso: nem pais, nem filhos, nem irmãos nem ninguém já tem respeito pelos outros.

    ResponderEliminar
  6. lol... um clássico, nas salas de cinema portuguesas.

    ResponderEliminar
  7. Karina acreditas que hoje de manhã ao café o tema de conversa era precisamente esse? Os meus pais não me educaram assim. Acreditas que num disparate absurdo e irritante duma criança o pai vira-se para ele e diz "O pai não está feliz!" com uma voz serena. Eu cá teria logo dado uma palmada, tal foi a brutalidade, mas aquele pai só mostrou a infelicidade. Está bonito está.
    beijinho

    ResponderEliminar
  8. Tsuri: a sério que não sei onde isto vai parar. E se dizemos alguma coisa para chamar a atenção, óh meu deus, óh meu deus... Eu também não fui educada assim, levei muitas palmadas e muitos castigos, e não é por isso que os miúdos de hoje em dia, que não são contrariados, são mais amados do que eu fui. Antes pelo contrário.

    ResponderEliminar
  9. Karina, o teu último comentário é na mouche, esqueceste-te foi que para além das criancinhas há quem passe o filme a escrever mensagens ou a falar ao telemóvel

    ResponderEliminar
  10. André: também, também! Muito irritante. Dá vontade de esmagar os dedinhos da pessoa!

    ResponderEliminar

Gambuzinem