sexta-feira, setembro 09, 2011

Vamos lá ver...

As pílulas vão continuar a ser dadas de forma gratuita nos centros de saúde. E porque é que o Estado terá de subsidiar a venda das pílulas na farmácia e ainda oferecê-las no centro de saúde?

Se é chatinho ter de ir ao centro de saúde, é. Se é mais fácil ir à farmácia. É. Mas é mais chatinho e muito mais complicado vivermos num país que tem a mania das grandezas quando na verdade é um país pobre, pobre, pobre. E ainda pior porque as pessoas ainda não se convenceram disso, e ainda pensam que o Estado tem de pagar tudo. Esquecem-se é que, para o Estado pagar tudo, têm de ir buscar dinheiro de algum lado, que é, obviamente aos nossos bolsos.

Acredito que nós, como cidadãos trabalhadores e que pagam os seus impostos, devemos ter direito a certas coisas, nomeadamente direito à saúde e direito à educação. A pílula, como forma de contracepção, não me defende de nada a não ser de uma futura criança, não é algo que se possa considerar fundamental à saúde de uma pessoa, salvo raras excepções em que a pílula é usado como medicamento e não como forma de contracepção. Já o preservativo protege de certas doenças.

Não concordo que deixem de subsidiar vacinas e certos medicamentos - acho poderiam arranjar dinheiro de outras formas como cobrar taxas aos abortos voluntário, pelo menos a partir do segundo aborto (não estou a dizer para tornarem o aborto ilegal, estou só a dizer que sempre que alguém o faz, eu estou a pagar por essa intervenção), que deixem de dar metadona aos drogados, que legalizem a prostituição e ponham as prostitutas a pagar impostos, por exemplo. Mas em relação a toda esta polémica das pílulas, depois de ter lido como as coisas como vão realmente funcionar, não me parece uma medida totalmente descabida.

21 comentários:

  1. Mas existem pessoas como é o meu caso que tenho de tomar uma pílula especifica devido a problemas de saúde e que no posto médico infelizmente, não tem . A minha pílula se deixar de ser comparticipada vai-me custar 10€ não é propriamente nada barata :S

    ResponderEliminar
  2. a minha pilula já não é dada nos centros de saude há muitos anos, tenho mesmo que a comprar. Ainda não sei se vai aumentar mas espero que não, até porque eu experimentei outras antes e dei-me muito mal com elas. beijinhos***

    ResponderEliminar
  3. Concordo com tudo o que dizes no último parágrafo!! Já a pílula protege-nos de gravidezes indesejáveis e de IVG muito caras para os bolsos dos contribuintes!!

    Só há uma coisa que não percebo: se comprar uma pílula na farmácia, ainda pago parte do seu custo. Se for ao Centro, é o Estado que paga tudo. Então, onde está a poupança?

    ResponderEliminar
  4. D: mas nesses casos específicos deveria ser subsidiado - por isso é que disse que não seria totalmente descabido, não disse que estava totalmente de acordo. Mas por exemplo, eu tenho de andar sempre com inalador que, tendo comparticipação, já pago 30€, se pagar na totalidade ronda os 60€...

    Vânia: pois, eu sei que há pílulas que não há nos centros de saúde. Mas pensa assim: é preferível pagar 10€ na farmácia todos os meses, do que ter uma criança... ****

    ResponderEliminar
  5. Dina: o Estado deixa de subsidiar em 2 sítios, passando a subsidiar apenas num. Penso que seja isto...

    ResponderEliminar
  6. bem a minha se aumentar para 10€ já não é mau porque normalmente custa 8.70€, mas eu ontem vi malta a dizer que algumas iam subir para os 18€ e se isto for verdade já não acho que seja normal, mas secalhar estas são as dadas nos centros de saude.

    ResponderEliminar
  7. A minha pílula não é dada no Centro de Saúde. Este mês tenho de comprar (compro embalagens para 3 meses), vamos lá ver quanto pago.

    ResponderEliminar
  8. Partilho/Gambuzino exactamente da mesma opinião! Parabéns pela forma como escreve e pelo blogue! Está muito giro! Sou o seu gambuzino seguidor nº 80! :)

    ResponderEliminar
  9. Vânia: pois, agora é esperar para ver. Passar de 5€ para 18€ é, de facto, um abuso, mas lá está, provavelmente esta até poderá encontrar-se no centro de saúde de borla. Sabes, os media também gostam muito de deixar as pessoas em pânico, e muitas vezes só dizem às metades... ****

    A Produtora: pois... a ver ;) ***

    Coquette: enaaaaaaaaa! Muito obrigada pelos elogios! **** E seja benvinda aqui ao estaminé! ***

    ResponderEliminar
  10. Concordo contigo! Não me choca nada assim tanto que deixem de comparticipar as pílulas. Aliás deviam inclusive só dá-las nos centros de saúde às pessoas que não têm possibilidades de as comprar mensalmente. Eu nunca as fui buscar ao Centro de Saúde, porque sempre achei que se as podia comprar não as devia estar a esgotar para mim quando poderia haver alguém a precisar mais do que eu. Também, não vou ao médico assim com tanta frequência para me passar a devida receita para as comprar mais baratas! Concordo sim, que comparticipem coisas mais fundamentais como a vacina contra o cancro do colo do útero, porque isso sim é preocupante que deixe de ser comparticipado. Para não variar muito, corta-se indiscriminadamente, sem se tentar perceber ou distinguir entre o que é acessório e o que é fundamental. Obriguem a pagar impostos quem a eles foge descaradamente, acabem com os subsídios absurdos que são pagos aos que querem viver no bem bom... eu também gostava de viver assim... mas a minha dignidade e respeito como ser humano e para com os outros seres humanos não mo permite! Wake up and smell the coffee, people!!!!

    ResponderEliminar
  11. Helenis: concordo contigo! Até porque muita gente que diz não poder pagar a pílula, mas passa os dias num café a fumar (para isso já tem dinheiro), a coçar a micose, e pouco mais. Penso que hoje em dia as pessoas não tem prioridades estabelecidas. Se vai continuar a haver pílulas gratuitas no centro de saúde, não percebo este alarido todo...

    ResponderEliminar
  12. Bem enquanto houver no centro de saúde estou safa :p não me custa nada ir lá! Agora a questão das vacinas é que acho mesmo mal. A do colo do útero ao que parece já não vai ser comparticipada. E é tão cara! Aliás, os medicamentos vacinas e tudo mais tendem a ser caros. O que é parvo porque são indispensáveis em muitos casos.

    ResponderEliminar
  13. Susi: sim, acho isso muito mais preocupante. No entanto, ninguém fala disso. Não percebo! **

    ResponderEliminar
  14. Concordo contigo e com a Helenis, até porque possivelmente para haverem coisas comparticipadas outras não o são e deviam, dou-te um exemplo.
    Eu tenho infecções urinarias cronicas, e que se manifestaram agressivamente no inicio do ano passado, tomei todos os antibioticos existentes e as malditas voltavam sempre, graças a isto ganhei um pequeno problema nos rins. Entretanto apareceu no mercado um medicamento chamado prevecist que tomado devidamente tem uma taxa de sucesso na redução das infecções em 80%, comecei a tomar em Março e desde junho que não tenho nenhuma o que para mim é um alivio uma vez que eu tinha semanais, o problema é que uma caixa só dá para 15 dias e custa 20€ e eu tenho que tomar todos os dias durante um ano. o bonito é que o estado não comparticipa porque este medicamento está inserido na categoria de suplemento alimentar. A juntar a isto, vem a vacina contra a E-coli que também não é comparticipada e custa 23€. enfim, há muita coisa mal feita neste país e por uns pagamos todos.

    ResponderEliminar
  15. Vânia: isso sim, é preocupante. Porque é um motivo de saúde, e não tens alternativas em relação a isso. Aiii olha, as sinceras melhoras****

    ResponderEliminar
  16. "Prontes", quanto à metadona estamos de acordo. Quanto à "pirula" no centro de saúde... não sei como se processa, mas se for preciso receita médica para aviar na farmácia, não vejo vantagem nenhuma, uma vez que a dita receita é obtida no centro médico e a mulher vai ter de lá ir, de qualquer maneira. Estou certo?
    Agora aquela parte do país que tem a mania das grandezas. Tem sim senhor. A começar pelos políticos, que gastam os nossos descontos para a S. Social a financiar bancos falidos e não tem dinheiro para a saúde.
    Aliás, esta é uma grande confusão lançada na cabeças das pessoas. A segurança social não dá nada: apenas gere (ou devia gerir) os nossos descontos.
    O subsídio de desemprego não é uma esmola: é o dinheiro que descontámos enquanto tínhamos emprego.
    Se o estado não tem dinheiro, não é por culpa nossa. Nós trabalhamos (se trabalhamos mal é por culpa de quem gere os processos produtivos), descontamos e voltamos a descontar.
    Em tempos houve um senhor que se servia dos descontos da antiga Caixa de Previdência, a título de empréstimo, para comprar acções na bolsa. Se dava para isso, porque não criar um fundo de investimento (já foi criado mas o guito não ia para lá), de modo a rentabilizar os descontos?
    O Estado prefere gastar o dinheiro dos descontos em obras de fachada e deixar a saúde e as reformas a viverem de esmolas inscritas no Orçamento Geral do Estado.
    Fosga-se, isto vai aqui um testamento... loooool

    ResponderEliminar
  17. Ora vou gambuzinar (ihih)

    A minha pílula é 100% comparticipada, ao escolher genérico.
    Mas vamos lá ver, a pílula não é só um método contraceptivo, mas para algumas pessoas é um 'estabilizador' hormonal (períodos irregulares, dores, etc), mas é considerado mais secundário.

    A mim realmente não me chateia tanto não ser comparticipada. Como diz a Karina sem acento, se para tal não ser comparticipado, então a metadona também não devia ser uma substituição grátis dos efeitos da droga, etc..
    Mas este Estado é estranho, mesmo porque antes já ajudava para quem quer fazer abortos voluntários (e sem controlo), mas não ajuda nos tratamentos de fertilidade...

    Em relação à pilula nos centros de saúde, é fachada. Quem já tentou, como eu (que tomo desde os 14 anos), sabe que os horários (quem se lixa sempre é o trabalhador) e as marcas são limitadas, assim como os stocks esgotam facilmente, mas adiante. Não tenho fé que melhorem nisto.

    A Vânia disse uma coisa que me fez lembrar a minha situação: também eu tenho de comprar 2 cremes específicos para a pele, que tenho dermatite atópica, e têm de ser usados TOODOS os dias, porque dá problemas a vários níveis. O estado continua a considerar estética variadíssimas coisas para a pele (até os da famosa psoríase).

    Enfim, a única boa notícia que vim juntamente com essas todas hoje (vacinas, medicamentos, ivas, etc) foi mesmo a criação de mais 5.000 vagas para idosos nos lares (e mesmo assim é um tema sensível).

    bjinhos e agora vou tomar a minha pílula, que 'tá na hora!*** ;)

    ResponderEliminar
  18. Eu estou contigo. Não entendo qual é
    o problema de em vez de irem a farmácia irem ao centro de saúde.

    ResponderEliminar
  19. Semprábrir: Sim senhor, toda a razão. Até chegares à parte que a Segurança Social só gere. Aquilo que descontas para a segurança social é sempre inferior àquilo que recebes em caso de desemprego. Logo aí, não está apenas a gerir, está a "dar" dinheiro que não foste tu a descontar. O grande problema é que há muita gente que não quer trabalhar porque está no bem bom sem fazer nenhum enquanto recebe do subsídio de desemprego que sou eu, tu, e tantos outros que andam a pagar.

    E sim, aí o Estado tem culpa, porque devia haver maior fiscalização em relação a estes casos.

    E sim, o Estado gasta imenso dinheiro em obras de fachada, mas chateia-me ainda mais o dinheiro que o Estado dá para quem não quer trabalhar, com subsídios disto, subsídios daquilo. Não me chateia tanto que um (bom) político ganhe bem, afinal gerir um país não é fácil. Mas irrita-me solenemente que um mau político não só ganhe bem, como ande a oferecer tudo a todos que não merecem nada.

    E em relação à pílula: há sim casos em que compreendo que se queixem. Mas há tantos outros casos que se queixam de barriga cheia.

    ResponderEliminar
  20. Pat: eu acho que devia haver diferenciação entre quando se compra a pílula como apenas meio contraceptivo, e também como medicamento para outra coisa qualquer. E eu sei que há certos centros de saúde que nunca têm pílulas. Mas também te digo uma coisa: eu nunca fui ao centro de saúde buscar nada, vou à farmácia e compro sem comparticipação, porque prefiro gastar 12€ por mês para me prevenir de uma futura gravidez do que gastá-los noutra coisa qualquer. Porque há muita gente a queixar-se que é muito caro é muito caro é muito caro, mas depois gasta muito mais em coisas fúteis - tipo, cigarros, e manicures de gel e bla bla bla.

    E pronto, isto para dizer que continuo sem perceber porque é que estão tão escandalizados com isto da pílula mas ninguém fala dos medicamentos... bah!

    Soraia: deve causar urticária... lol não sei não...

    ResponderEliminar
  21. Semprabrir: só mais uma outra coisa que me esqueci de dizer antes... Sobre o que escreveste "se trabalhamos mal é por culpa de quem gere os processos produtivos": acho que está na altura das pessoas se responsabilizarem pelos seus actos. Antes de alguém ter alguma coisa que seja para se queixar do meu trabalho, eu sou a primeira a criticá-lo. Porque eu sou responsável pelo meu trabalho, e faço de tudo para que nunca ninguém venha dizer que eu fiz alguma coisa mal. E no dia que isso aconteça, eu sou a primeira a dizer que sou culpada.

    ResponderEliminar

Gambuzinem