quarta-feira, novembro 30, 2011

Como deixar alguém animado

Estava eu ontem a comentar que tinha de ir ao médico ver o que se passa com as minhas costas - presumo eu ser algum nervo armado em parvo, que me deixa a zona da omoplata esquerda dormente - quando oiço isto:

- "Karina, vai ver disso! Soube da história de uma rapariga da tua idade que andava a queixar-se que andava toda dormente do pescoço para baixo [a mim é só uma pequena zona na omoplata, mas adiante], foi a ver... era esclerose múltipla!".

E é assim, meus senhores e minhas senhoras, que se deixa alguém animadinho para o resto da semana. 


Qual Louis Vuitton, qual Chanel, qual Dior, qual quê. Tetra Pak é que é!

A minha nova aquisição é um porta-moedas feito com material reutilizável. Neste caso, uma embalagem de leite. Foi amor à primeira vista - o que até é extremamente irónico, visto que não gosto nada de leite.


terça-feira, novembro 29, 2011

A menina quer

estas calças. Não sei, não sei, não sei mesmo o que é que me deu. Mas quero muito estas calças. Diria mesmo que preciso de ter estas calças. Ideais para levar aos concertos.






































Stradivarius

Série fofinha

Gosto desta série. Gira. Leve. Ideal para domingo à noite (a noite de todas as neuras).

Último Segredo

Não sou, nem nunca fui, uma pessoa religiosa. Desde pequena que me questiono sobre certas coisas e, provavelmente, o facto de ter andado nove anos num colégio católico, fez com que suscitasse ainda mais dúvidas sobre a igreja e a biblia. Sou uma pessoa lógica e gosto de ter provas. Chegarem à minha frente e dizerem para eu acreditar porque é assim e mais nada, para mim não chega. Escusado dizer que sou agnóstica - acredito que possa existir algo superior, mas se é Deus, se é a Natureza, se é o quer que seja, não sei, e preciso de provas para acreditar.

Quando era criança, era o terror do meu professor de Catequese, sempre com questões embaraçosas para ele. Adão e Eva, eram o primeiro homem e a primeira mulher, e tiveram apenas dois filhos. Um matou o irmão, fugiu e casou-se. Com quem?! Se Deus criou o mundo, quem criou Deus? Se Ele é tão bom e mesericordioso, porque é que poupou apenas quem ía na arca de Noé? Virgem Maria? E os irmãos de Jesus, também foram fruto do Espírito Santo?

Como tal, sempre me interessei por tudo que falasse e desmitificasse os segredos e mistérios da biblia. E o Último Segredo, do José Rodrigues dos Santos, é um livro fabuloso, que põe em pratos limpos muitos assuntos "estranhos", mal contados, mal explicados.

Cada vez mais me convenço que isto é tudo uma grandessíssima trapalhada. Independentemente daquilo que se acredita ou não, a verdade é que a humanidade tem andado estes anos todos a criar guerras para impôr as suas crenças quando nunca não há certezas de nada.

segunda-feira, novembro 28, 2011

O meu novo brinquedo

O meu querido iPhone. Best friends!

Sábado à noite foi assim

Frio, mas com direito a gelado. Bom, muito bom!


 


 

Boa semana!

Uma maravilhosamente espectacular fantástica semana, que ainda por cima é mais curtinha. Weeee ***


sábado, novembro 26, 2011

Mas como é que é possível, em 26 anos de existência, nunca me ter apercebido disto?

Que eu e o meu irmão do meio temos o mesmo segundo nome, com as respectivas variações feminino/masculino.

Ele é Miguel, e eu sou Michelle.

Duhhhhhhhhh

sexta-feira, novembro 25, 2011

Deus meu

(ou whatever)

livrai-nos do mal. E da Mafalda Veiga.

(não precisas de ser violento. Basta que ela deixe de "cantar".)

quinta-feira, novembro 24, 2011

Hoje de manhã foi assim

Apesar de hoje me ter levantado substancialmente mais cedo para não apanhar o trânsito caótico usual de um dia greve, acabei por ir ver o Centro de Investigação da Fundação Champalimaud, mesmo à beira rio para ocupar algum tempo e ainda tirei umas fotografias.  Aquilo, meus amigos, é um mundo!







Banda sonora da greve geral

Nunca gostei tanto da minha franja como hoje

Está a tapar uma borbulha enorme que tenho no meio da testa.

Pena não ter franja no queixo. Talvez deixe crescer uns pelinhos para me tapar a borbulha que tenho nessa área...

quarta-feira, novembro 23, 2011

Durante as massagens...

Depois de um mês ansiosamente à espera, lá fui eu para a minha sessão de massagem relaxante. Uma hora e vinte minutos de puro relaxamento. Ou seria, se eu conseguisse relaxar facilmente. Para além da massagista por diversas vezes agarrar-me nas pernas e braços e, quase numa fúria apocalíptica, pedir para relaxar, durante aquele tempo todo não parei de pensar em diversas coisas. No trabalho. Na família. Nos amigos. No frio que está cada vez mais presente. E nisto:

- "Será que fiz a depilação?!" - isto foi enquanto estava deitada, com uma toalha em cima, enquanto a massagista preparava tudo para começar. E sim, tinha.

- "E se eu desse agora um pum?! Ihihihihih!"

- "Tenho comichão no nariz e não me consigo mexer".

- "AUUUUUCH! Olááááá, sinto-me melhor... serei masoquista?!"

- "Acho que me estou a babar..."

terça-feira, novembro 22, 2011

Cheguei a uma triste conclusão

Não gosto de arco-íris.

São pirosos, fazem lembrar aqueles trabalhos para a escola com os textos em comic sans e títulos enormes, distorcidos e com cores fatelas.

Eu sei, devo ser a única pessoa no mundo que não gosta de arco-íris. Só por isso vou ter pesadelos com ursinhos carinhosos a espancarem-me violentamente.

segunda-feira, novembro 21, 2011

O que eu preciso mesmo, mesmo, mesmo, mesmo...

Este tempinho cinzento e frio em conjunto com a quantidade descomunal de trabalho que tenho, só me dá vontade de me atirar para dentro de uma piscina cheia de doces, chocolates, bolos, gomas.

Preciso de açúcar, montes de açúcar.





domingo, novembro 20, 2011

Natal 2011

Todos os anos é sempre a mesma história: uma autêntica maratona às lojas para encontrar prendas para todas as pessoas, a desdobrar-me em mil pensamentos de forma a lembrar-me o que oferecer. Quero sempre que seja algo diferente, original, algo que seja necessário. Mas a verdade é que muitas vezes, ando à procura do impossível uma vez que, felizmente, já as pessoas têm tudo aquilo que precisam.

Por isso mesmo, este ano decidimos que não vai haver troca de prendas. Não vale apena andarmos naquela correria louca para gastarmos dinheiro numa coisa que poderá ir parar a alguma gaveta e não ver a luz do dia durante os próximos anos. Além do mais, quando quero oferecer o quer que seja a alguém, ofereço. Independentemente da altura do ano.

Mas esta não foi a única decisão que tomámos.

O Natal é época de ajudarmos quem realmente precisa. E este ano, mais do que nunca, há tanta gente a precisar de coisas tão essenciais como um prato de sopa para comer. Por isso mesmo, este ano quero voluntariar-me para ir dar a sopa aos pobres na Véspera da Natal. Porque eu nunca passei fome, nunca passei frio, e não consigo imaginar como será ter de passar pelas privações mais primárias que tanta gente hoje em dia anda a passar. Este ano quero ajudar. 

Agora, meus queridos, é aqui que eu preciso da vossa ajuda: onde é que eu posso dirigir-me para pedir informações? Que associações tratam disso? Sou da zona de Lisboa.

E já agora, se houver mais alguém interessado, que se junte.

sábado, novembro 19, 2011

sexta-feira, novembro 18, 2011

Hoje foi dia de ir ao Xôr Doutor!

E está tudo bem comigo. Tensão boazinha (baixa, mas boa), ritmo cardíaco normal, xixi bonito clarinho. A visão continua a mesma pitosguice de sempre: vejo mal ao longe, mas muito bem ao perto.

E depois foi chegar ao estaminé e descobrir que aquela campanha que já tinha um prazo super apertado, ficou ainda mais apertado. Almoçar em 10 minutos, voltar ao computador, vir ao blog e agora é tempo de voltar ao lufa-lufa.

Bom fim-de-semana para todos!***

quinta-feira, novembro 17, 2011

Post dedicado à saga Twilight...



2h20 da tarde

Sentada na minha secretária, no meu local de trabalho (aka estaminé), reparo que o meu telemóvel vibra com uma chamada. Era o gambuzino.

- Sim? - atendo eu.
- Estou? - gambuzino.
- Sim, diz...
- Olha, não te rias muito, por favor! - diz ele, com um tom de voz dramático. 
- O que é que já fizeste? - pergunto eu, já a esforçar-me para cumprir o seu pedido.
- Comprei agora mesmo um par de sapatos. Há pouco reparei que tinha calçados um sapato castanho e o outro... preto!
- AHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAH!

Foi mais forte que eu. 

Vio: já que ninguém pode escrever no teu facebook...

PARABÉNS! Muitos parabéns minha querida! Que tenhas um dia espectacular, com muitos mimos, e prendas e que não te chateiem muito por aí! Beijos grandes!

P.S.: e os nossos pastéis de Belém?!

Duarte Lima detido

Esta manhã soube que Duarte Lima tinha sido detido, mas não como não ouvi o motivo, pensei que fosse devido ao caso de homícidio a que está ligado.

Afinal, foi detido por fraude relacionada com o BPN.

Uma jóia de moço, este senhor.

quarta-feira, novembro 16, 2011

Coisa mais sexy!

Apetece-me tanto

mas tanto, mas tanto, ir a Paris. Cada vez mais.












































































Guardar segredos

Acho o máximo quando oiço alguém na televisão comentar "Eu não quero que ninguém saiba disto ou daquilo. É segredo!".

E qual é a melhor maneira de se guardar um segredo? É contá-lo para a televisão.

terça-feira, novembro 15, 2011

Maldita a hora

em que experimentei aquelas botas tipo Ugg. Nunca as achei grande piada, parecem pantufas.

Mas que são confortáveis e quentinhas são. Óh se são! Não comprei, mas ficou o bichinho.
Raios!


Bases de dados

Gostava de saber quem foram os filhos daquela senhora que venderam a base de dados com o meu número de telemóvel.

Anda aqui uma pessoa descansadinha da vida a jurar a pés juntos que está a dar o seu contacto pessoal para uma base de dados segura e que os seus dados são pessoais e confidenciais, vai-se a ver e andam a vender este tipo de informações a todos os que aparecem à frente. Não é por nada, mas se eu quisesse dar o meu número de telemóvel ao Barclays, já tinha dado. Mas como não sou cliente e não tenho intenções de o ser, nunca dei.

Para a próxima vez que me peçam o contacto telefónico digo que não dou, que é pessoal, invento que não tenho ou caiu para dentro de uma sanita cheia de cocó e não tenho dinheiro para comprar outro (e rezo para o que o telemóvel não toque nesse instante).

A história da minha vida

Entrar numa sapataria com botas em promoção. Botas giras, de cano alto, salto raso e castanhas, tal como eu quero, com belos descontos.

Mas gostar daquele par de botas que me sussurra aos ouvidos "leva-nos, leva-nos, leva-nos, somos as botas mais lindas que já viste na tua vida", que são, assim só por acaso, logo as mais caras da loja e sem promoção.

segunda-feira, novembro 14, 2011

Dixlesia. Perdão. Dislexia

Sou um pouco disléxica, nada de grave, mas sou. Nunca tive problemas de concentração e sempre tive facilidade e paixão pela leitura. Com os números, a história já é diferente. A probabilidade de ler 458 em vez de 485 é mais que muita. Não é que não saiba ler números, não tem nada a ver com isso. Simplesmente o meu cérebro troca-se todo, tendo de ler (mentalmente) cada algarismo individualmente antes de verbalizar o número. O mais estranho, é que eu gostava e era boa aluna a matemática.

Mas bem pior que isso, é conseguir trocar-me toda a falar. Passo a explicar: no metro, se me pisam e desculpam-se, eu sou capaz de dizer "obrigada" e não o típico "não faz mal". Ao telefone, sou capaz de atender com um "Adeus" ou despedir-me com "Olá". De manhã, digo "Boa tarde", à noite digo "Bom dia". 

Uma vez, queixava-me eu ao meu pai que andava sempre carregada com livros, cadernos, portátil e afins, colmato o meu lamento com "Pronto... sou uma carga de burra!".
Num trabalho para a faculdade escrevi Mais é menos, Mies Van der Rohe. Ora, eu sabia perfeitamente que a frase correcta era Menos é Mais. Mas a dislexia não perdoa.
Nos testes, tinha de reler tudo o que tinha escrito para me certificar que não tinha deixado alguma palavra por escrever, e para riscar palavras que tivesse escrito duas vezes seguidas. Era muito frequente ver num teste meu qualquer coisa idêntica a isto:
                                    
- A bicicleta bicicleta foi em inventada em 1817.

Felizmente estou muito melhor, notando mais destas crises quando estou mais nervosa ou cansada. Mas também não é coisa que me preocupe. Apesar de me tornar alvo de chacota por alguns minutos e deixar o pessoal todo a rir-se de mim - "Ahahahahahah, ela disse nata de pastéis!" - grandes génios da humanidade também eram disléxicos, como o Einstein, o Charles Darwin e o Auguste Rodin.


P.S. eu aqui a escrever sobre a minha dislexia, e acabei de escrever Ausgute.


domingo, novembro 13, 2011

Sábado cultural

Ontem foi dia de ir ver a exposição da Frida Kahlo - As suas fotografias, no Museu da Cidade.

Nunca tinha lá ido, mas gostei. Não fazia a mínima ideia da existência daqueles jardins mesmo no centro da cidade de Lisboa - como a minha amiga Pat disse "um brônquio no centro da cidade!

Da exposição em si - com fotografias da família, amigos, contexto cultural e da Frida Kahlo, inclusive imagens da sua recuperação após o acidente - foi interessante, até porque a pintora mexicana é das minhas artistas preferidas, senão mesmo a minha preferida. No entanto, as condições do espaço deviam ser melhores: estava demasiado calor (até para mim), as legendas das fotografias deveriam ser maiores e estar ao lado das molduras, não por baixo, e, por fim, aquelas deveriam ter espelho anti-reflexo - ou não ter vidro de todo.

Tirando isto (e uma brutal dor de cabeça que atazanou a mioleira todo santo dia), foi uma tarde bem passada.