segunda-feira, novembro 14, 2011

Dixlesia. Perdão. Dislexia

Sou um pouco disléxica, nada de grave, mas sou. Nunca tive problemas de concentração e sempre tive facilidade e paixão pela leitura. Com os números, a história já é diferente. A probabilidade de ler 458 em vez de 485 é mais que muita. Não é que não saiba ler números, não tem nada a ver com isso. Simplesmente o meu cérebro troca-se todo, tendo de ler (mentalmente) cada algarismo individualmente antes de verbalizar o número. O mais estranho, é que eu gostava e era boa aluna a matemática.

Mas bem pior que isso, é conseguir trocar-me toda a falar. Passo a explicar: no metro, se me pisam e desculpam-se, eu sou capaz de dizer "obrigada" e não o típico "não faz mal". Ao telefone, sou capaz de atender com um "Adeus" ou despedir-me com "Olá". De manhã, digo "Boa tarde", à noite digo "Bom dia". 

Uma vez, queixava-me eu ao meu pai que andava sempre carregada com livros, cadernos, portátil e afins, colmato o meu lamento com "Pronto... sou uma carga de burra!".
Num trabalho para a faculdade escrevi Mais é menos, Mies Van der Rohe. Ora, eu sabia perfeitamente que a frase correcta era Menos é Mais. Mas a dislexia não perdoa.
Nos testes, tinha de reler tudo o que tinha escrito para me certificar que não tinha deixado alguma palavra por escrever, e para riscar palavras que tivesse escrito duas vezes seguidas. Era muito frequente ver num teste meu qualquer coisa idêntica a isto:
                                    
- A bicicleta bicicleta foi em inventada em 1817.

Felizmente estou muito melhor, notando mais destas crises quando estou mais nervosa ou cansada. Mas também não é coisa que me preocupe. Apesar de me tornar alvo de chacota por alguns minutos e deixar o pessoal todo a rir-se de mim - "Ahahahahahah, ela disse nata de pastéis!" - grandes génios da humanidade também eram disléxicos, como o Einstein, o Charles Darwin e o Auguste Rodin.


P.S. eu aqui a escrever sobre a minha dislexia, e acabei de escrever Ausgute.


13 comentários:

  1. A do ''Obrigada'' em vez do ''Não faz mal'' também me acontece frequentemente.
    Ah e trocar os bons dias e boas tardes também é algo sistemático, principalmente no trabalho.
    Gostei do blog! :P

    ResponderEliminar
  2. Ai o que me ri, mas sabes que deve ser mesmo um "mal" de génios da arte porque o meu marido é igualzinho e mais, não distingue a esquerda da direita em momentos cruciais.
    beijinhos

    ResponderEliminar
  3. LOL eu também dou por mim a escrever palavras todas trocas mas penso para mim que é de escrever rápido no computador =P Mas pronto olha acontece, cada um é como é e até tem uma certa piada porque te torna diferente ;) Há que pensar assim

    Beijinho*

    ResponderEliminar
  4. A do obrigado e do bom dia e boa noite acho que é um problema global (gosto de acreditar que sim para não me sentir sozinha e estranha xD). O resto...ena...não tinha talento para dislexica eu --'

    ResponderEliminar
  5. Pipolete: é raro o dia em que não troque a manha pela tarde, o obrigada por outra coisa qualquer ahahah :P e obrigada pelo elogio ;) *

    Tsuri: ahahahah nem me lembrei dessa! Esquece, eu nunca sei qual é a esquerda ou a direita :P

    Pretty in Pink: pois claro! eheheh era mais chato era nas frequências, tinha de deixar sempre algum tempo para ler tudo :P

    60 sinais: lolol ui, eu então sou muito talentosa :P

    ResponderEliminar
  6. Oh meu deus, ja me ri bem com o teu post...
    A mim tambem me acontece dar alguma coisa alguem e depois dizer "Obrigada", ou entao cumprimentar alguem e dizer "ola daniela" (o meu nome)... ka vergonha =)

    ResponderEliminar
  7. Ah e também tenho dificuldade com a direita e a esquerda, principalmente quando vou a conduzir e a explicarem me o caminho! ahah
    Besito*

    ResponderEliminar
  8. Karina, já realizaste uma avaliação que te diga que tens dislexia e de carácter permanente? Sabes que podemos ter várias dificuldades mas daí a ser disléxico é bem diferente. A dislexia é uma diferença na aprendizagem e no modo como vemos as coisas. Não tem necessariamente que ver com números até porque para esses existe outra.
    Se quiseres saber mais sobre o assunto, conheço livros bem acessíveis.
    Beijinho.

    ResponderEliminar
  9. A dislexia começa, gradualmente, a ser mais e melhor diagnosticada, mesmo em contexto precoce, no ensino pré-escolar. Por vezes acontece-me trocar as palavras mas é mais cansaço do que outra coisa qualquer...!
    Beijinhos e parabéns pelo blog,
    Sofia

    ResponderEliminar
  10. Daniela: lolol isso nunca fiz, cumprimentar-me a mim própria lol

    Ana: não, nunca fiz nada disso porque felizmente nunca tive problemas nos estudos. Quando digo que sou disléxico é porque baralho-me facilmente a falar, a ler números, e a escrever. Mas como sei disto, tenho uma atenção redobrada - principalmente quando escrevo... Mas o saber não ocupa, fiquei curiosa sobre esses livros ;) obrigada

    Sofia: obrigada! eu agora noto que troco mais quando estou cansada ou nervosa. Mas antes era algo sistemático, sem qualquer causa. Oh well :P

    ResponderEliminar
  11. Como entendo isto... Eu também não distingo de imediato a direita da esquerda e tenho de pensar duas vezes sobre isso, eu troco as letras sobretudo a escrever no teclado, muito mesmo! Eu troco a escrever o r pelo s, e ainda sou capaz de estar a conversar e dizer uma coisa qualquer que me tenha passado pela cabeça naquele instante, e ainda acrescento letras onde não existem... Não sei se sou bem disléxica mas que há aqui situações comuns a mim há :) Eh... Deve ser característica dos génios :D

    ResponderEliminar
  12. Catarina: quando era pequena confundia era o f com o v. Ou seja, convundia! LOL *

    ResponderEliminar
  13. Comigo acontece o mesmo, em relação aos números e quando escrevo textos muitos extensões tendo a repetir palavras.. daí eu e a matemática sermos grandes inimigas =P

    ResponderEliminar

Gambuzinem