terça-feira, julho 31, 2012

O meu dia de ontem

foi bastante complicado. Praia, sushi e cinema.

Não desejo isto a ninguém. Ainda por cima, parece que hoje vou ter de repetir a praia outra vez. Uma chatice dos diabos. Só a mim...

domingo, julho 29, 2012

Pensamentos que me ocorrem

Hoje de manhã, ao passar à frente de uma grande casa funerária, cheguei à conclusão que isso não seria negócio para mim. Eu sei que são necessárias, mas a ideia de lucrar com a morte de outras pessoas seria assunto para me deixar inquieta.

Mal por mal, preferia ter uma casa de prostitutas. Uma coisa como deve ser, com meninas lavadinhas, desinfectadas, com análises feitas regularmente. Mil vezes isso do que ter uma funerária.

Nota: não quero que fiquem a pensar que eu gostaria de ser dona de um bordel. De ser um chulo, ou de ser tratada por Madame. Nada disso. Na verdade, eu não gostava de ter nenhum destes negócios, mas preferia menos ter a casa funerária.

sexta-feira, julho 27, 2012

Em pulgas, pulguinhas

para ir ver o Christian Bale. Ai... o Batman, o Batman!


Nada mais frustrante

que correr uma maratona até ficar com os bofes de fora para apanhar o comboio a horas e mesmo assim chegar à estação, pôr o pé na plataforma e vê-lo a partir... tuca-tuca... tuca-tuca... uhhh-uhhhhh!.

Pior que isso, só mesmo chegar à rua onde moro, dar duas voltas para cima e para baixo com o carro à procura de estacionamento e acabar pôr no único sítio possível, lá em cima, longe, num terreno de terra batida para o carro ficar todo badalhoco. Estar a chegar à porta do prédio e ver um carro a sair mesmo à minha frente.

Mas é sexta-feira, ié, e eu entro de férias, ié!






















Boa sexta a todos!*

quinta-feira, julho 26, 2012

Eu vou arder no inferno...

mas não sou daquelas pessoas que consegue achar todos os bebés bonitos só porque são bebés e pequenos (os que são) e seres indefesos. 

Um casal nosso conhecido teve há algum tempo um bebé que é tão feeinho. Coitado, ele não tem culpa, mas tem uns péssimos genes. A mãe já tem cara de bulldog, e a criança foi-me sair cara chapada da mãe.

E antes que digam ou pensem sequer que eu sou uma insensível e que "um dia poderás ter filhos feios que nem trovões", a verdade é que eu também nasci feia. A minha mãe é a primeira a dizê-lo, que no primeiro mês eu não devia nada à beleza. O meu irmão chamava-me, inclusive, de Punk Chinesa, por ter os olhos achinesados e um cabelo preto farto e todo espetado. No entanto, depois do primeiro mês, tornei-me num bebé bonito.

Pode ser que a criança mude, tenho fé que sim... coitadinha...

Karininha sem acento (já depois da fase Punk)

Numa ervanária perto de si

Se vos começar a cheirar a vulcão, não se preocupem. Sou eu.

Tudo porque comprei um sabonete de enxofre. Mas não quero saber, prometeram a pés juntos que aquilo faria maravilhas à minha cara e que iria matar as borbulhas e tudo o mais que tentasse instalar na minha cara.

O melhor disto é que comprei o sabonete mais 1Kg de argila em pó para fazer as famosas máscaras e gastei ao todo cerca de 3 euros. Se isto funcionar, nunca mais gasto um cêntimo nas farmácias para aqueles produtos todos xpto que custam os olhos da cara.

A Trilogia The Hunger Games

Não os li. Devorei os três a uma velocidade alucinante. Quanto mais lia, mais queria ler.

Apesar de não se saber ao certo em que altura a acção se desenrola, pressupõe-se que é num tempo futuro mas acaba por ser uma crítica à nossa sociedade actual, aos valores de hoje em dia, à necessidade cultural/social/económica que se tem por guerras e sangue. E, se há primeira vista pode parecer um pouco ficção científica uma história em que se escolhem 24 jovens com idades compreendidas entre os 12 e os 18 anos para lutarem entre si até só existir um único sobrevivente, a verdade é que já tivemos outrora os Gladiadores, que também lutavam pela sua sobrevivência.

Desta saga só consigo dizer: viciante. Viciantes!


quarta-feira, julho 25, 2012

Por aqui ouve-se...



Porque voz como a o Frederico Mercúrio não há!

Uma pessoa sabe que está a ficar senil quando... #2

Depois de ir ao supermercado e andar o tempo todo com as chaves do carro na mão, ir já a caminho de casa a conduzir e pensar "Bolas onde meti as chaves do carro?! Já as perdi!".

Certo...

terça-feira, julho 24, 2012

Do "Vocês estragam-me com mimos" da Pipoca mais Doce

Opah, tudo bem. Uma pessoa vive bem ao ver que lhe estão sempre a dar pulseiras e colares e anéis e aquela parafernália toda. Eu não sou invejosa, nem ligo a pulseiras e anéis nem tenho o intuito de fazer disto um blog de moda e de publicidade por isso, é na boa.

Mas oferecerem comida? Preparados para fazer bolachas?! Aí eu já fico com ciúmes. Para isso eu posso reconsiderar e fazer publicidade a certas comidinhas... fica a dica...

Comer à frente do computador, dá nisto...

Aqui no estaminé não temos uma copa onde almoçar. Temos uma mini-micro-tiny-little-bit-copa com um frigorífico, um microondas e lava-louças. Almoçar é na secretária, à frente do computador.

Pois bem que eu, como é costume, vou aquecer o meu almoço, chego à minha secretária e, ao querer pousar o tupperware em cima da mesa não sei como faço (ainda estou para perceber, eu nem sou muito mãos manteiga) deixo aquela treta cai virar ao contrário (lei de Murphy a provar a sua eficácia) em cima da mesa.

O pânico, o terror, o drama. Feijão verde para um lado, molho espalhado na mesa e na cadeira.

Primeiro momento: puro terror na minha cara.

Segundo momento: virar o tupperware com o máximo cuidado.

Terceiro momento: verificação dos danos: não foi nada para cima do teclado nem para o rato. Base do rato, essa é que vai ficar a cheirar a peixe durante algum tempo. A cadeira, ensopada em molho, idem idem, aspas aspas.

Quarto momento: limpeza. Correr até à mini-micro-tiny-little-bit-copa para ir buscar guardanapos e o pano húmido. Voltar a correr até à secretária, limpar e esfregar tudo.

Quinto momento: análise do estado da comida: o feijão verde, que era o que estava por cima, vai à vida. As batatas e o peixe são salvas pela cama de feijão verde.

Sexto momento: ver que a blusa ficou com uma nódoa do tamanho do Texas. Felizmente tenho a écharpe para pôr e disfarçar.

Sétimo momento: rezar para que ninguém se aperceba do cheiro a peixe...

Porque o meu sentido de humor tinha de vir de algum lado

Tenho um cão já sénior a quem se descobriu, recentemente, que tem uma doença chamada Leishmaniose. Durante as últimas semanas, a minha mãe tem andado com ele no veterinário para exames e análises, mais exames e mais análises. Numa primeira fase, o veterinário estava preocupado em estabilizar os seus valores e, agora que já estão muito melhores, o meu cão vai começar a fazer um tratamento para controlar a Leishmaniose, visto que não tem cura.

Estava a minha mãe a fazer o plano da medicação (cuja toma terá de ser feita por fases) quando repara que um dos medicamentos que tinha comprado na clínica veterinária era para pombos. Preocupada e com receio que se tivessem enganado, telefonou para a clínica a perguntar se era realmente aquele medicamento. A veterinária que falou com a minha mãe disse-lhe logo para não se preocupar, porque era mesmo aquele e que "o que faz bem aos pombos, faz ainda melhor aos cães, não se preocupe!".

Ao que a minha mãe responde: "Preocupo-me pois. O meu cão ainda ganha asas e voa!".

Vergonhoso, é o que eu tenho a dizer

O Dr. José Hermano Saraiva, este grande senhor português, que tanto nos ensinou sobre a nossa história e cultura, morre e não há um único representante do Estado nem da Presidência no seu funeral.

Vergonhoso!

segunda-feira, julho 23, 2012

Aquele momento em que se vai à casa-de-banho e repara-se que o fecho das calças esteve aberto a manhã inteira

Ainda bem que a t-shirt é comprida...

Mantra de segunda-feira

É só mais esta semana e vou de férias. É só mais esta semana e vou de férias. É só mais esta semana e vou de férias. É só mais esta semana e vou de férias. É só mais esta semana e vou de férias. É só mais esta semana e vou de férias. É só mais esta semana e vou de férias. É só mais esta semana e vou de férias. É só mais esta semana e vou de férias. É só mais esta semana e vou de férias. É só mais esta semana e vou de férias. É só mais esta semana e vou de férias. É só mais esta semana e vou de férias. É só mais esta semana e vou de férias. É só mais esta semana e vou de férias. É só mais esta semana e vou de férias. É só mais esta semana e vou de férias.  É só mais esta semana e vou de férias. É só mais esta semana e vou de férias. É só mais esta semana e vou de férias. É só mais esta semana e vou de férias. É só mais esta semana e vou de férias. É só mais esta semana e vou de férias...

Ommmmmmmmmmmmmmmmmmmmmm.


Boa semana para todos*

domingo, julho 22, 2012

Do casamento

Ohhh, os noivos estavam lindos! O copo foi numa quinta ao pé de sintra, num sítio lindo. Apesar do vento que não deu tréguas, foi lindo ver a felicidade estampada nos rostos dos pombinhos :)








sábado, julho 21, 2012

Wedding Season :: II

Ficou um pouco desfocada, mas mais logo ponho mais fotografias :)

sexta-feira, julho 20, 2012

Eu gosto... #5

De parques de estaionamento com via verde. Pronto, gosto mais quando são gratuitos, mas a pagar, que tenham via verde.

À minha Jaquina Maurícia

Amanhã casa-se uma amiga minha, por quem eu sinto um enorme carinho. Conhecemo-nos na faculdade: fomos colegas no primeiro mas foi só no ano seguinte que, à conta do laboratório de fotografia e do tempo que tinhamos de estar à espera das nossas fotografias pinhole que começámos a conversar mais e assim descobrimos a nossa paixão mútua (vá, vício) por séries. Passado pouco tempo, já falávamos de tudo um pouco: televisão, cinema, música, arte, da nossa vida dentro e fora da faculdade.

Apesar de não sermos do mesmo curso, tínhamos disciplinas teóricas em comum, e ajudávamo-nos uma à outra com os apontamentos. Muitos cafés nós tomámos ora nos Armazéns do Chiado, ora num Restaurante/Café na Calçada do Sacramento. Quando acabámos o curso, apesar de termos arranjado emprego relativamente perto uma da outra, por vezes passavam-se semanas e semanas e semanas sem conseguirmos estar uma com a outra. Mas sempre que íamos almoçar ou beber apenas um café, era uma alegria e tínhamos sempre um montão de novidades para contar uma à outra.

Eu gosto mesmo muito da minha Jaquina Maurícia (é impossível não se gostar dela!): ela não só é das raparigas mais giras que eu conheço, como é inteligente, culta, artística, trabalhadora e incrivelmente divertida, e por tudo isto e mais alguma coisa, merece tudo de melhor.

Jaquina Maurícia, meu amor: desejo-te do fundo do meu coração as maiores felicidades!
E agora, um brinde aos noivos!

quinta-feira, julho 19, 2012

Dos incêndios

É impressionante como basta uma manhã de calor e o país aparece a arder. Todos os anos, por esta altura é sempre mais do mesmo. Incêndios. A devorarem as nossas florestas. A matarem um sistema vivo tão puro e tão necessário. A aflição das pessoas que vivem ao pé de pinhais. Famílias que perdem tudo à conta de um dos elementos mais temíveis da natureza: o fogo.

E, se por um lado estes fogos são desencadeados por mão criminosa, a verdade é que temos aí muito mato sujo, cheio de lixo. Ninguém sabe limpar, mas depois todos sabem reclamar. Porque é que, pergunto eu, não metem as pessoas que estão a receber daqueles subsídios de-queres-ficar-em-casa-sem-fazer-nada (também conhecido como inserção social) a limpar as nossas florestas? Para além de justificarem o dinheiro que estão a receber em vez de ficarem com o rabo assolapado num café qualquer o dia inteiro, estariam a fazer algo de útil para a sociedade.

Quanto àqueles que fossem apanhados ou descobertos como os responsáveis por porem fogo: era amarrá-los a um poste e irem queimando-os vivos, aos poucos. Se é violento? Talvez, mas também serviria de exemplo para o futuro.

quarta-feira, julho 18, 2012

Momento "Piada seca do Dia"

Eu e o leite e os iogurtes

Nunca gostei de leite. Aos 7 dias de idade, a minha mãe levou-me ao pediatra para saber o que fazer comigo: eu queria o leite materno, mas a minha mãe já não tinha nada para mim, e não me dava com os biberons (nem com chupetas, quem se lixou foi o meu dedo grande da mão esquerda que foi chupado até aos 9 de idade) nem sequer gostava do leite de vaca. E foi assim que eu, recém-nascida, comecei a comer sopa. Nada de sopas da pedra, cheias de feijão e repolho, mas como também não podia morrer à fome, comecei a comer uns caldos muito leves.

E ao longo dos anos, continuei a nunca ir à bola com o leite.
Quando era miúda, para conseguir beber leite, teria de ser com chocolate. Mais tarde, com café. Leite sem nada, só se fosse magro e gelado de forma a que soubesse pouco (ou não soubesse de todo) a leite. Iogurtes, esses nem cheirá-los. Já queijo, gosto... ok, adoro... pronto, amo queijo!

Pois que pelos vistos essa minha aversão ao leite terá também a ver com o facto daquilo não me cair muito bem: fico mal disposta, com azia, náuseas, barriga inchada, etc. Apesar de ainda não ter feito o teste de intolerância, não é preciso ser-se muito inteligente para saber que, intolerante ou não, o leite faz-me um mal dos diabos. O que é uma chatice, tendo em conta que o leite, dizem, é importante principalmente pelo cálcio. O certo é que nunca parti nenhum ossinho o que é um fenómeno praticamente paranormal, tendo em conta o meu currículo impressionante de quedas, quer em quantidade quer na originalidade das mesmas - fica para outro post.

Quando comecei com as consultas de nutrição, o meu nutricionista aconselhou-me a comprar iogurtes de soja para os lanches, devendo ser naturais, sem fruta. Foi assim que eu descobri uns de que gosto muito, da Sojasun: são um pouco amargos (eu gosto) e não me sabem a leite. Perfeito. Prefiro-os mil vezes aos do Alpro Soya, que têm uma textura demasiado cremosa para o meu gosto. 

O problema é que há 2 semanas que não os encontro à venda em lado nenhum. Eles existem, porque eu chego à secção dos iogurtes de soja e lá estão os outros da mesma marca mas de frutos, e também lá está a etiqueta com o preço dos que costumo comprar. Ou andam a esgotar depressa de mais para o meu gosto e/ou não andam a repôr o stock tão depressa como deveriam. 

Portanto, gente de Lisboa, Oeiras, Carcavelos e Cascais: se não for muito o incómodo e se virem estes meninos aqui em baixo à venda, façam o obséquio de me informar onde os viram, que a gerência (eu, portanto), agradece. Os meus lanches estão comprometidos com esta história do desaparecimento em massa dos iogurtes naturais Sojasun e já não consigo comer tanto kiwi (sim, eu sei que há outros frutos, mas tem de ser kiwi) seguido.







Vá, façam figas por mim!

É por uma boa causa. E eu sou boa menina - um pouco teimosa, e orgulhosa, e refilona, mas sou boa menina - e isto vinha mesmo a calhar :)

terça-feira, julho 17, 2012

Definitivamente, sou uma pessoa de alimento

Hoje, pela primeira vez desde que aqui trabalho, há 3 anos e meio, que adormeci. O telefone tocou e eu virei-me para o lado e adormeci. Nunca tal me tinha acontecido. Com isto, a modos que quando voltei a abrir a pestana, já estava 25 minutos atrasada e algo teve de ser abdicado. Como não gosto de sair de casa sem o banho tomado nem de pijama ou nua, tive de abdicar do pequeno-almoço.

Bebi só um cafézinho antes de entrar no atelier e estive sem comer até a hora do almoço. Como hoje não trouxe almoço - estupidamente, ontem à noite esqueci-me de pôr no frigorífico o arroz de pimentos com peixe e preferi não arriscar com este calor - fui almoçar fora. Chego ao sítio e o que é que me estava a apetecer comer com este calor?

Salada.

Eu gosto de saladas e no verão sou capaz de me alimentar só de saladas. Bem, só de saladas não. Para já, têm de ser saladas fartas: muita alface, muito tomate, muita cebola, muita cenoura, muito milho. Atum, delícias do mar e queijo são bem vindos. É que eu sou uma pessoa de alimento, e se tiver só uma saladinha fraquinha para comer, como também um prato de sopa. Mas hoje não me estava a apetecer sopa, e a salada era para o fracota.

Resultado: passado uma hora e meia de ter almoçado, tenho o estômago colado às costas. Vou ali devorar os kiwis que trouxe e possivelmente as bolachas de milho. Um pratinho só de saladinha de alface e pouco mais não é, definitivamente para mim.

Desafio e selos

Desafio 
1. Dizer quem criou o desafio: a Marcela - confesso que não conhecia, mas agora já conheço :P
2. Dizer quem passou o desafio: a Catarina, que é uma doçura de uma querida, uma fofa!
3. Anunciar os seis seguidores que mais gostavas de conhecer pessoalmente: 

Catarina/ Cheirinho a chocolate e Canela - não é por me ter passado o desafio, é porque é mesmo um gosto recíproco :D
Tsuri / Tsuripa Buranka

(Só podem ser 6, mesmo? Mas há mais! Vá... só mais um pelo menos... hummm pronto... fica para a próxima...)

4. Passar este desafio aos 6 seguidores escolhidos e a outros que queiram também fazer o desafio: quem quiser que os leve :)


Selo
A Anita, do A minha vidinha, ofereceu-me este selo! Muito obrigada :D



As regras do selo são:
- Oferecer a 15 blogs
- Responder às curiosidades


Curiosidades:
1 - Um sonho realizado: ter alcançado todas as metas académicas que eu estabeleci a mim própria
2 - Um sonho por realizar: dar a volta ao mundo, tirar um ano de férias só para me dedicar à arte de viajar.
3 - O que adoro fazer em casa: cozinhar.
4 - O que odeio fazer em casa: tratar da roupa.
5 - O que me faz sorrir: hummm... muita coisa. Na verdade sou uma pessoa sorridente por natureza...
6 - O que me faz chorar: ver os animais maltratados e/ou abandonados.
7 - Um talento: desenhar.
8 - O que gostaria de saber fazer: cantar como deve ser, que nem um rouxinol apaixonado!
9 - Um segredo: vai continuar a ser segredo.
10 - Um medo: abelhas. Fobia mesmo.
11 - Um pecado: sou um pouco gulosa. O que vale é que também tenho força de vontade e resisto bem aos doces.
12 - Uma viagem: Ásia.
13 - Um doce: Strawberry Cheesecake.
14 - Um perfume: Deep Red, Hugo Boss.
15 - Uma história: a dos meus Avós Maternos.
16 - Um filme: Inception.
17 - Um blog: o meu ahahah e todos os que sigo :)
18 - Um nome: para rapaz, Rodrigo; para rapariga, Ema.
19 - Uma frase: What goes around, comes around.
20 - Uma vida: a minha.

Quem quiser, pode levar o selo!

Selo
E a Cátia do Viver Entre Laços ofereceu-me este:



Merci!***

Regras: 
- Dizer um facto sobre mim: tenho uma cicatriz feia na barriga, de quando fui operada ao apêndice (porque já fui em estado muito avançado de apendicite) mas não tenho vergonha nenhuma dela. Mesmo na praia, como a cicatriz está acima da zona do bikini está à vista de todos, eu não tenho qualquer problema com isso.

- Oferecer o selo a 5 pessoas
Podem levar ;)

segunda-feira, julho 16, 2012

Do fim-de-semana :: Parte II

Optimus Alive

Para terem um noção, ainda me doem os pés e ganhei uma bolha no dedo grande do pé esquerdo. Mas foi um dia e noite em cheio, principalmente pelos Radiohead.

Sempre fui fã dos Radiohead e quando soube que vinham cá, fui a correr à fnac comprar o bilhete. E, apesar de já ir com grandes expectativas, foi ainda melhor do que estava à espera. São uns  autênticos Senhores da Música, e o Thom Yorke é um géniozinho. Não é uma banda que interaja muito com o público, mas são simpáticos e dão um concerto fenomenal.

Eu já fui a muitos, muitos, muitos concertos e, para além de este ter sido um dos melhores que já vi, só espero conseguir voltar a vê-los ao vivo outra vez!

P.S.: queimaram o meu cotovelo com uma beata, mesmo mesmo mesmo em cima de uma borbulha. Chamei muitos nomes feios ao rapaz que o fez.
P.S.1: vá-se lá saber porquê, as pessoas pensavam que eu era estrangeira. Ou falavam comigo de imediato em inglês, ou perguntavam se eu falava português. Isto é sinal de que estou a precisar, urgentemente, de ir para a praia apanhar sol.
P.S.2: Ouvi uns minutos de Best Youth e acho que ainda vão dar que falar, do pouco que vi, gostei. Paus é fixe e são super simpáticos! The Kooks já os tinha visto numa outra edição do Optimus Alive, e apesar de se ouvir bem, acho que é o tipo de concerto que é sempre igual. Caribou também foi muito porreiro.

Laia

Best Youth

Paus

Paus

The Kooks



Caribou

Radiohead

Radiohead

Radiohead

Radiohead

Radiohead

Radiohead

Radiohead

Radiohead

Radiohead

Do fim-de-semana :: Parte I

A despedida de solteira

Houve stripper... anão!

sábado, julho 14, 2012

Bom fim-de-semana!

O meu será passado com as amigas. Hoje, uma despedida de solteira - vai ser bonito! Amanhã, Optimus Alive.

Bom fim-de-semana malta!*

sexta-feira, julho 13, 2012

Palavras sérias, para variar um pouco

Apesar de não ter o costume de ver os noticiários na televisão, tenho por hábito ler as notícias nos sites de vários jornais. Todos os dias lá abro as ditas páginas para me deparar com as mesmas notícias, dias e dias sem fim. Sinceramente, às vezes preferia ficar na ignorância e enterrar a cabeça na areia para não ficar todos os dias com esta sensação de tristeza e de vergonha por viver num país como este.

E, penso eu, que se compreende: eu vivo no país dos chicos-espertos, no país do "desenrasque", no país do "salve-se quem puder". Vivo no país em que políticos se acham tão inteligentes e capazes que conseguem tirar licenciaturas ao domingo e/ou durante apenas um ano tendo em conta a sua vasta experiência professional em enganar toda uma população. Vivo no país em que se descobrem as mais variadas mentiras, crimes, fraudes por parte dos políticos e, mesmo assim, nada lhes acontece. Vivo no país em que a justiça defende os criminosos e viola as vítimas. Vivo no país das estatísticas, no país que, apesar de estar completamente atolado até à raíz dos cabelos em dívidas, perdoa as dívidas dos bancos. Vivo no país em que se fazem cortes a torto e a direito, mas só para alguns, porque os outros são demasiado grandes para verem a sua vida a perder um grão de areia que seja de qualidade. Vivo no país em que para andar dois metros numa auto-estrada pago balúrdios. Vivo no país que se preocupa única e exclusivamente em pagar as suas dívidas, esquecendo-se de que a estimuação económica é que nos permite desenvolver num país próspero. Vivo no país que não se preocupa em arranjar medidas que fomente o emprego e que para pagar as dívidas, aumentam os impostos a um ritmo alucinante levando muitas empresas a terem de despedir os seus funcionários ou indo mesmo à falência. Mas também vivo no país em que muitos patrões preferem atirar os seus funcionários para o desemprego do que terem perder alguns dos seus lucros - porque sem esses lucros, já não poderiam fazer aquela viagem grande que fazem todos os anos. Vivo no país que se esquece que, por cada pessoa que vai para o desemprego, mais dinheiro sai da segurança social e menos dinheiro entra para os bolsos dos país. Vivo no país em que depois destes cortes e aumentos de impostos todos, vemos os nossos políticos a viverem à grande e à francesa, nos seus carros de luxo, com motoristas para qualquer hora do dia, com os seus grandes banquetes, com as suas múltiplas reformas.

Basicamente vivo no país em que a população é roubada descaradamente. Bem sei que muita coisa tinha e tem de ser mudada e que muitas pessoas estavam habituadas a gastar aquilo que tinham e não tinham. No entanto, gostaria de poder dizer que vivo no país em que os políticos percebem a ténue linha que separa as "medidas que devem ser realmente tomadas, apesar de críticas e difíceis" e "isto é um roubo escandaloso". Mas infelizmente é exactamente o contrário. E o pior disto tudo é que eu não consigo encontrar nenhuma única pessoa que tenha o seu real rabo sentado no parlamento como alternativa a estes escroques todos que tentam (des)governar este país.

Eu gosto...#4

De sextas-feiras. Pois claro que gosto, adoro as sextas-feiras!


quinta-feira, julho 12, 2012

Ainda sobre o post anterior

Verão quente sem chuva e sem vento, nicles batatóides. Mas mosquitos às pázadas a atazanar o meu sono e o meu corpo, já pode ser. Está certo...

Verão cocó

Acabei de vestir o meu casaco porque estou com frio. Além do mais, estou de sabrinas com meias de vidro e não de sandálias. Ainda não fui à praia este ano porque nos únicos dias em que poderia ir (fins-de-semana ou feriados) está a chover e/ou frio e/ou com uma ventania que só se fosse para comer areia.

Como tal, a meados de Julho, eu continuo com este tom de alforreca translúcida adoentada.

És um mete-nojo S. Pedro!



quarta-feira, julho 11, 2012

Sofia Aparício no Ice Age 4


Pronto, pronto Sofiazinha... Desculpa. Mas não resisti...

terça-feira, julho 10, 2012

E pronto

o Gambuzino já está de volta a Dublin. Gostaria de dizer que com o tempo, com a quantidade de vezes que nos temos abraçado no aeroporto à frente daqueles que querem ver e sussurrado ao ouvido um do outro que faltam apenas x dias até estarmos outra vez juntos como forma de consolo, que custa menos. Mas não custa. Não há forma de me habituar a isto.

E se por um lado custa-me vê-lo a desaparecer no meio da multidão em pleno aeroporto, por outro lado sei que está cada vez mais perto o dia de serem os meus pais a verem-me partir. É verdade que só podemos encarar isto como uma oportunidade, como um desafio, como uma fuga de um país que parece estar em queda livre em direcção a um poço sem fundo. Mas é muito mais que isso: emocionalmente é uma autêntica prova de fogo.

Por isso mesmo posso dizer que "saudade" é a palavra que melhor define a minha alma. "Saudade" está tatuado no meu coração, e tão depressa daqui não sai.

segunda-feira, julho 09, 2012

O fim-de-semana continua

por mais dois dias, com o Gambuzino que veio da República das Pint e dos Fish and Chips. Por isso, desculpem lá a ausência mas eu vou aproveitar para namorar mais um pouco :)


sexta-feira, julho 06, 2012

Deco tips: a vida num escritório

Palavra de ordem para um escritório: organização. Nada mais chato num escritório não encontrar aquele papel importante, não ter espaço livre em cima da secretária porque está completamente desarrumada, querer uma lapiseira e só aparecer à frente borrachas e canetas, ou ter o caderno algures perdido por aí. E, para isso, existem certas coisas praticamente obrigatórias: estantes, prateleiras, arquivadores. Outra coisa que ajuda bastante é identificar as pastas e dossiers e ter um quadro de cortiça onde se possa ir pondo recortes, posts its, papéis vários. Ter o material de escrita devidido em copos: lápis num copo, canetas noutro, pincéis noutro.

Algo de que sou igualmente apologista para uma mente sã num escritório: ter em cima da secretária apenas o que é realmente necessário. Tudo o resto que vá parar às estantes, prateleiras ou às gavetas.

Algo bastante importante: o mobiliário tem que se adequado à pessoa e nunca ao contrário. Ao estar sentada numa secretária, a pessoa deve manter uma postura correcta e ter os pés assentes no chão. Por isso, as mesas devem ter uma altura apropriada à altura da pessoa para que esta, ao estar sentada não tenha de ter subir a cadeira e acabar com os pézinhos no ar. E claro, são aconselhadas boas cadeiras. É preferível investir logo de início nestas coisas do que mais tarde em despesas médicas... como eu!