quarta-feira, outubro 03, 2012

Um grande defeito meu

Eu tenho a mania que tenho quase sempre razão. Mas também não sou uma arrogantezinha e uma convencida que nem sequer é capaz de dar o braço a torcer. Nada disso. Nas alturas em que não tenho razão, sei ver e reconheço isso.

O grande problema nisto é que quase sempre, tenho mesmo razão.

Por exemplo, eu tenho alguma facilidade em topar as pessoas. Já me enganei, é claro, até porque isto não é uma ciência, e as pessoas podem mudar ao longo dos tempos, pelos mais variados motivos. E eu não estou a falar de julgar as pessoas pela maneira como se apresentam, como se vestem, como se penteiam, nem por aquilo que ouvem ou gostam de ver no cinema. Não tem nada a ver com isso, tem a ver com algo maior, algo inerente à maneira de ser da pessoa. Como tal, por norma basta estar duas vezes com alguém anteriormente desconhecido para perceber minimamente o tipo de pessoa que é. Mais: muitas vezes faço-me de parva mas vejo perfeitamente quando estão a ingrupir e a inventar desculpas esfarrapadas. Não sei o porquê nem como consigo isto, talvez seja pela reacção da pessoa, por alguma expressão facial, ou por pura e simplesmente conseguir juntar os factos e chegar à conclusão de que estão a mentir - ainda para mais quando hoje em dia há certas coisas que são tão facilmente descobertas. Porque já diz o velhinho ditado popular "mais depressa se apanha um mentiroso do que um coxo."

Às vezes é chato ser assim. Não me dá espaço para idealizar o melhor das pessoas porque percebo logo o pior delas. E eu, que me considero uma pessoa brutalmente amiga dos amigos, sincera e honesta - como diz o meu irmão, não importa quem seja, nem quando, nem onde - não consigo esperar menos dos outros. E gostava de dizer que já apanhei grandes surpresas, pela positiva, mas essas foram muito raras.

Talvez seja por isso que não tenha muitos amigos. Mas pelo menos os poucos que tenho, sei que são realmente de confiança.



17 comentários:

  1. Identifico-me imenso contigo neste aspecto. É raro enganar-me e é por isso que prefiro ter poucos mas bons amigos que estar rodeada de pessoas que se dizem minhas amigas. Mas, sim, às vezes tenho algumas desiluções :(

    Bjokas

    ResponderEliminar
  2. Eu geralmente vejo as pessoas...mas no fundo no fundo até espero que elas mudem..até que bato com a cabeça na parede e digo: "alto, afinal ela era o que eu pensava ser"...toca a partir para outra...já tive muitas desilusões.mas com elas também aprendi e agora já ando de pé atrás muitas mais vezes quando conheço alguém :)

    Também tenho muitos poucos amigos.mas sei que esses não me abandonam e posso contar sempre com eles :)

    ResponderEliminar
  3. Adorei o teu blog. Talvez nos pudéssemos seguir?*

    ResponderEliminar
  4. Eu também sou um bocadinho assim... Não sei explicar, mas tenho uma sensibilidade às outras pessoas. Às vezes percebo se elas gostaram de mim, se estão a ser falsas, se estão armadas em boas... Às vezes é só por causa de um olhar, da postura... Não sei explicar...
    Mas também me engano muitas vezes, isto acontece mais com pessoas que vou conhecendo. E se as conhecer bem, então aí sei quando me estão a mentir, a tentar enganar e etc...

    ResponderEliminar
  5. Também sou um pouco assim, é uma espécie de sexto sentido apurado para ler as pessoas. Há quem aprenda línguas facilmente, neste caso, conseguimos entender a linguagem dos outros mais facilmente, mesmo aquilo que eles não querem dizer. Eu acho que é vantajoso, o problema é explicar aos outros a razão de não se gostar de X ou Y.

    E confio muito neste sentido!

    ResponderEliminar
  6. Eu também sou muito assim, mas eu acho que isso não é propriamente um sexto sentido e tem mesmo o seu quê de ciência ;)

    Beijinhos :D

    ResponderEliminar
  7. Podia mesmo ter sido escrito por mim, tal e qual! Acontece é que, quando "cedo" logo vejo o erro e levo grande palmada na cara. Levei um bem acente à bem pouco tempo.
    Sempre ouvi dizer e bem que Poucos mas bons!

    ResponderEliminar
  8. Pois eu sou tal e qual, acho que é por isso que faço amizades novas com tanta dificuldade...

    Beijinho*

    ResponderEliminar
  9. A minha primeira impressão de determinada pessoa é mesmo muito importante e normalmente não erro muito.

    ResponderEliminar
  10. Ui como eu te entendo! Há alturas em que não gosto nada de ter razão!
    **

    ResponderEliminar
  11. Tens sorte :) Eu já não dou confiança para me enganar ou não =)

    ResponderEliminar
  12. Existem pessoas que são mais sensíveis aos comportamentos e reacções dos outros, e que baseadas nisso conseguem prever futuros comportamentos, é o que te acontece de certo, obviamente nem sempre acertamos (felizmente, é preciso dizer), mas é um sistema de defesa muito bom. Eu sou bastante como a ádescávir, não dou confiança, assim não me desiludo, e acredito muito nas minhas primeiras impressões, mas também tenho consciência e o cuidado de não me deixar levar só por isso, porque muitas vezes estão enganadas.

    ResponderEliminar
  13. Olha, sabes o que sempre me disseram?
    Mais vale poucos mas bons! =)
    Eu acredito mesmo nisso! *

    ResponderEliminar
  14. Acredito que há situações onde é fácil fazer um juízo relativamente "honesto" logo às primeiras impressões, mas na generalidade as pessoas têm imensas nuances que, para além de tornarem difícil "catalogá-las" como boas, más ou péssimas, pode levar-nos a ser injustos na apreciação, pois o bem e o mal estão lá e há que perceber o que mais sobressai.
    Não é o facto de uma pessoa exibir um determinado comportamento socialmente reprovável, que faz dela um ser ignóbil.
    No fim, temos de conseguir "caldear" o bem e o mal que há em nós, para sermos pessoas aceitáveis de acordo com os padrões sociais. Mesmo nas nossas apreciações, devemos ter o cuidado de evitar generalizações, pois o juiz que não é isento, tem tanto de reprovável como o réu que está a julgar.
    Eu confesso: às vezes tenho tanta dificuldade em conhecer-me a mim próprio, que não me atrevo a avaliar ninguém, a não ser por factos indesmentíveis.

    ResponderEliminar
  15. Como eu costumo dizer mais vale ter poucos amigos desde que sejam bons!

    ResponderEliminar
  16. Eu também sou assim, e sinceramente gosto de ser como sou :D Pelo menos já sei logo com o que contar, desta forma não me enganam!

    Bom fim-de-semana ^^
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  17. *C*inderela: poucos mas bons :)

    OrquideaBranca*: pois, eu não sou muito optimista... prefiro vir a ser surpreendida pela positiva do que depois apanhar desilusões, mas já aconteceu!

    Kelinha: obrigada! ;)

    Patrícia: pois, é como eu então :)

    Dúvidas e Certezas: pois, eu também depois não sei explicar muito bem, mas lá está... é daquelas coisas que "sei" :P

    Joana: pois não sei... alguma coisa será lol

    Tsuri: nem mais querida!

    Pretty in Pink: é verdade, eu sei o que é isso :)

    Noa: eu também acho o mesmo :)

    L*: lol podes crer!

    ádescávir: lol eu também não dou muito espaço para isso, mas já aconteceu!

    Bruna @ FloralToday: eu também não dou muita confiança quando conheço alguém pela primeira vez, exactamente por isso. Já tive desilusões, mas é raro :P

    Catarina: eu também sempre ouvi isso e cada vez acredito mais nisso :)

    standby: não tem nada a ver com comportamentos socialmente reprováveis. Não tem nada a ver com o que a sociedade acha ou deixa de achar ou com atitudes isoladas. Tem a ver com a personalidade de uma pessoa. Eu posso ter atitudes "anormais" em relação ao que é costume para mim própria, mas a minha personalidade é o que é, não há grandes nuances. E é isso que eu interpreto, não as nuances, não atitudes isoladas nem muito menos o que a sociedade aprova ou reprova.

    Jovem $0nhador@: é que é mesmo isso :)

    Pi Maria: pois, eu também prefiro ser assim. :)

    ResponderEliminar

Gambuzinem