sexta-feira, novembro 30, 2012

Os últimos dias em fotos

Decoração Natalícia no centro comercial Jervis

Decoração Natalícia no centro comercial Jervis




No resturante/bar Carlisle

No resturante/bar Carlisle

Robalo grelhado! Yammi!

O esparguete do Gambuzino

Decoração na rua


Decoração de montra da loja Arnotts

Decoração de montra da loja Arnotts

Decoração de montra de uma loja (Dunnes, creio eu)

Árvore de Natal na avenida O'Connell


Stephen's Green

Stephen's Green

Stephen's Green

Decoração de montra da Brown Thomas, um género de El Corte Inglés cá do sítio

Decoração de montra da Brown Thomas

Hã.... não sei bem o que é isto, mas estava no café Bewley's, um dos pontos de paragem obrigatórios. Pelo menos para mim :)


Tarte, na Bewley's...

... com Mocha :)

Da Tommy Hilfiger

Da Tommy Hilfiger

Ser designer é ter de lidar com isto...

Depois de entregar trezentas e setenta e oito propostas diferentes a pedido do cliente, ouvi-lo dizer:
- Pois, a primeira proposta é mesmo como nós queremos. Está perfeita!


quinta-feira, novembro 29, 2012

A verdadeira e autêntica chouriça de carnes

Euzinha, mas com tanta camada de roupa e acessórios em cima não poderia parecer outra coisa.

Algo de estranho se passa com o cabelo, com aqueles tufos de lado... mas foi o que se arranjou.

O que me sabia mesmo bem agora

era uma bebida quente como um cappuccino e um bolinho. Para aconchegar e aquecer o corpo e a alma.


E é assim que se perde toda a confiança

O orçamento de estado para 2013 foi aprovado. Mais austeridade, quando a própria troika já admitiu que talvez não seja o melhor caminho de todos. Não há incentivos económicos, o iva da restauração é aquela pouca vergonha que leva os restaurantes a fechar portas ou, na melhor das hipóteses, a piorar a qualidade dos seus produtos para não ter de aumentar os preços já de si altos. O desemprego aumenta a olhos vistos, os ordenados cada vez mais baixos, e a confiança (base para a recuperação económica de um país) está nas lonas. A única que nos últimos tempo viu um aumento de lucro é a TAP, mas isso deve-se, muito provavelmente, ao êxodo nacional.

Então, por um lado temos um governo que usa umas palas na cabeça e só vê austeridade à frente e não muda de direcção com medo de levar com a colher de pau da Sra. Merkel. Como oposição, temos uma data de partidos a disparem para todo o lado e mais algum só pelo prazer de criticar, quando muitas vezes vê-se mesmo que nem sequer fazem uma pequena ideia do que estão a falar. É criticar por criticar. Para além disto, falam, falam, falam, mas não dizem nada: todos têm soluções muito melhores, que safam o país do iminente trambulhão suícida num precipício, mas nunca ninguém diz que soluções são essas. Devem ser segredo de estado, claro está.

As coisas tinham e têm de mudar, porque têm. Dantes, davam tudo e a todos. Não, a tudo e a todos não, àqueles que queriam continuar a sua vidinha de forma honesta com um trabalho honesto e bem feito, não tinham direito a nada. Davam àqueles que preferiram gozar de uma bela reforma antecipada pelos servidos vazios, àqueles que gostavam mais de estar no café a fumar e beber umas jolas enquanto se queixavam que o subsídio de inserção social não dava para a cova do dente e àqueles que continuam a mentir com todos os dentes que têm na boca e enquanto dizem que uma licenciatura tirada a um domingo é tão válida quanto uma licenciatura obtida através da equivalência pela experiência profissional, assinada por algum maçon qualquer.

É assim desta forma que continuamos a ver as mesmas pessoas de sempre a levarem por tabela. Nunca são aqueles que não querem produzir, nem aqueles que nos andaram a roubar estes anos todos, vindos daquele circo a que chamam Assembleia da República.

O Primeiro-Ministro diz que tem fé na austeridade. Eu digo que não acredito em milagres, mas só com um é que isto realmente muda.

Silver linings playbook

Na segunda-feira fomos ver o filme Silver linings playbook. Trata-se da história de Pat, um homem diagnosticado com bipolaridade e que depois de 8 meses numa instituição psiquiátrica devido a incidente violento, volta para casa dos pais. Pelo meio conhece uma jovem viúva e ambos desenvolvem uma amizade peculiar.

É um filme bastante interessante, com interpretações realmente fantásticas. Bradley Cooper, a meu ver, tem mostrado ser um actor bastante talentoso, a Jennifer Lawrence (mais conhecida pelo filme The Hunger Games) está, mais uma vez, brilhante, e o Robert DeNiro, claro, nunca desilude.


quarta-feira, novembro 28, 2012

Um post mal cheiroso

Dizem que não devemos reprimir certas vontades fisiológicas. Que é como quem diz, arrotem e peidem-se à vontadinha porque faz mal ao corpinho. E eu até acredito que sim, só pelo cheiro que alguns destes gases emanam quando expelidos, imagino no caso de ficarem retidos no interior do corpo.

Mas daí a estar no eléctrico e ter de ouvir uma senhora a mandar um sonoro, fininho e agudo pum, tão longo que teve direito um breve intervalo para voltar em força, vai um grande passo.


Admitir culpas

Se há coisa que me deixa incrivelmente perplexa é como há certas pessoas que nunca são capazes de se responsabilizarem pelos seus actos. Arranjam sempre desculpas. Porque não foram eles que começaram, porque não foram eles que acabaram, porque estava mesmo à mão, porque era um desperdício não aproveitar, porque aconteceu aquilo, porque foi o outro, porque isto ou porque aquilo. Há quem diga, numa tentativa de lavar as mãos e para que a culpa acabe por morrer sozinha, que "a ocasião faz o ladrão", mas não é a ocasião que rouba. É o ladrão.

Eu sei que é difícil admitir a culpa, em qual situação seja. É difícil dizer "fui eu que fiz isto mal", ou "foi por minha causa que isso aconteceu". Mas para mim é bem pior ficar com a consciência pesada. No entanto, começo a acreditar que as pessoas têm cada vez menos consciência dos seus próprios actos, decisões e pensamentos - talvez seja por isso que tanto lhes custe a admitir quando são culpados/causadores de algo que corre mal ou menos bem.
É verdade que todos nós erramos, porque ninguém é perfeito. Mas não devemos usar isto como desculpa esfarrapada dos erros. Devemos ser responsáveis pelos nossos actos, e pelas suas consequências. Pode não ser fácil, mas pelo menos é o mais correcto.



Por aqui ouve-se...

Bom dia*


terça-feira, novembro 27, 2012

Ai a pressão...

Mas há pressões que vêem pelos melhores motivos. Sem querer lançar os foguetes antes da festa, esperemos que este seja um desses casos.

Agora, mãos à obra!


Sádicos

Li há uns dias um artigo sobre várias empresas que vão abrir vagas para o próximo ano e que procuram pessoas com certos requisitos. Muitas dessas empresas (apesar de nem todas divulgarem isso no tal artigo) são conhecidas por terem horários de trabalho completamente alucinantes, sendo necessário ter de se fazer regularmente noitadas ou até mesmo directas e trabalhar aos fins-de-semana e feriados mesmo em empregos cujo horário de trabalho é de segunda a sexta. E, ao mesmo tempo, muitas dessas empresas dizem valorizar e apreciar quando lêem nos currículos dos candidatos que estes gostam de praticar actividades desportivas, viajar, ou de outro tipo de hobbies.

Ou seja, estas empresas tendem a escolher pessoas que gostam de ter actividades para além do trabalho para depois vê-las mergulhar com afinco apenas e unicamente nas suas funções e deixar de ter tempo para a sua vida pessoal. Isto, minha gente, é puro sadismo.


Gelinho: feedback

Posso dizer que gostei e muito! Duraram mais de duas semanas e só não duraram mais porque entretanto já tinha a unha a crescer e eu não gosto de as sentir muito compridas. Não precisei de ir à loja para tirar porque quando as fiz, expliquei que em princípio não teria tempo para lá voltar e que entretanto iria para fora do país. Então, a menina foi super simpática ao explicar-me como é que eu faria para retirar o gelinho das unhas e ainda ofereceu as coisas necessárias para tal - acetona xpto incluída. Só não deu o tal forninho de manicure (não queria mais nada!), mas usei o secador do cabelo para remediar a situação.

Passadas duas semanas e alguns dias, continuava com as unhas brilhantes e impecáveis. Não deixei de fazer nada de nada por ter o gelinho nas unhas, fiz a minha vida normal, até porque só as fiz porque a menina prometeu isto. E o melhor de tudo é o facto de não sentir as minhas unhas mais fracas - e elas, por norma, são muito mázinhas mesmo. Simplesmente, agora tenho de fazer um intervalo no caso de vir a querer fazer outra vez o gelinho - o grande problema, muitas vezes, é que as senhoras não fazem estes tais intervalos, levando as unhas a enfraquecer. Mas isso tanto acontece com o gelinho como com um verniz normal.

Eu fiquei fã :)

segunda-feira, novembro 26, 2012

Cá estou eu de volta

a Dublin. Está um frio que faz as bochechas do rabo bater palmas, mas isso também já não é novidade. Apesar de ter ido directa do aeroporto até casa e de já não ter saído, deu para ver que a cidade já está toda iluminada e decorada com enfeites de Natal. E eu gosto disto, gosto de ver uma cidade preparada para o Natal, gosto de ouvir as músicas desta época, gosto do espírito Natalício.

Bem, agora vou arrumar tudo (se fazer malas já é chato, desfazê-las não é menos chato).

A todos, uma boa semana*


sábado, novembro 24, 2012

Então, até já

Mala com roupa quente e grossa, cachecóis, e botas: check!
Mala de mão com o portátil, livro, telemóvel e pastilhas elásticas: check!
Gorro e cachecol para quando chegar: check!
Casaco quente com capuz de pêlo: check!
Carteira com os documentos: check!
Check-in: check!
Saudades de quem fica e de quem me espera: check!



Twilight, Amanhecer Parte 2: notas soltas.

What a bloody shit!

Eu continuo a achar que a Kristen sofre de azia crónica, mas para este filme lá deve ter tomado um ou outro Compensan e melhorou um pouco nesse aspecto. No entanto, não deixa aquele ar de carneiro mal morto por nada deste mundo.
O Robert Pattinson continua a não me convencer como actor.
O bebé... que raio de bebé era aquele?!
O Lobo é o único a quem eu acho alguma piada.
O guincho que Aro Volturi manda levou-me às lágrimas de tanto rir.
Senti-me defraudada com a cena da batalha.
Coisa mais lamechas para o final.

A Entrevista com o Vampiro é que é um filme de vampiros como deve ser.

quinta-feira, novembro 22, 2012

Sabem aquelas pessoas

que estão a falar e a tocar constantemente com o dedo indicador no ombro ou braço da pessoa com quem estão a conversar? Não gosto nada quando me fazem isso. Agora imaginem eu estar a almoçar um peixinho grelhado cheio de espinhas e a sentir o meu garfo a desviar-se uma data de vezes do destino pretentido (a boca) por estar sempre a levar com um dedo no braço enquanto ouvia "estás a ouvir?!"
Só me apetecia gritar "simmmmmm! Eu oiço com os ouvidos, não com os braços!!!"


quarta-feira, novembro 21, 2012

Caralhotas

Estava eu há uns dois dias à procura de broa na padaria do Continente quando me deparo com uns pães de seu nome "caralhotas". Sinceramente, desconhecia haver tal coisa e escusado será dizer que imaginei logo umas quantas situações inocentes em que estes pães seriam a personagem principal.
Uma delas seria perguntar ao mais que tudo "amor, queres umas caralhotas?", ou então perguntar num jantar entre amigos "são servidos de umas caralhotas com tomates e manjericão?". Ou mesmo "querem umas caralhotas a acompanhar com pipis?".

terça-feira, novembro 20, 2012

Ai Groupon, Groupon... a saga continua!

Voltei a telefonar para a Groupon. Há duas semanas disseram-me que em dois dias no máximo faziam o reembolso do dinheiro do voucher. Passadas duas semanas, ainda não vi nada.

Eu sei que quem trabalha no Call Center têm muitas vezes um trabalho ingrato, e que acabam por ser estas pessoas as que ouvem, sem culpa nenhuma, as vozes zangadas de clientes insatisfeitos. Como tal, por muito zangada e insatisfeita que eu esteja com algum serviço, tento nunca descarregar em cima do pessoal do Call Center. Mas hoje juro que tive de me conter: telefonei para lá e expliquei a situação. A pessoa que me atendeu foi verificar tudo, e depois explicou-me que a informação "já" tinha sido enviada para o departamento correcto e que estavam à espera da confirmação para poderem proceder ao reembolso. E eu disse-lhe que sabia que quem estava a falar comigo não tinha culpa nenhuma, mas que esta situação já começava a roçar o lamentável, uma vez que andava há meses a contactá-los para resolverem isto, e que não teria de ser eu como cliente que o deveria fazer. E a pessoa do outro lado responde-me, com toda a razão, que se eu não os contactasse, eles não poderiam saber se os clientes estão insatisfeitos e que querem o reembolso. E eu respondi que sim, obviamente, mas uma coisa é dar a conhecer uma situação, outra coisa é andar há meses atrás deles para me devolverem o dinheiro, até porque inicialmente tinham tentado limpar as mãozinhas do assunto e ainda chegaram a dizer que não tinham nada a ver com isto, e depois porque eu tenho o conhecimento de que já fizeram o reembolso a outros clientes, que compraram o mesmo voucher.

E a pessoa do outro lado da linha sai-se com o seguinte: "sabe, a Groupon decide quais os casos prioritários, e procede ao reembolso tendo isto em conta."
E eu, completamente estupefacta com este comentário, respondo: "muito obrigada por confirmar que eu sou uma cliente inferior, com uma prioridade mínima."

E por fim disse que, depois disto, não estava interessada em voltar a adquirir nada pela Groupon... talvez não devia ter dito... espero que não atrase ainda mais este processo.

Oh gente, só a mim...

sábado, novembro 17, 2012

Bom fim-de-semana

Hoje estive a acabar mais uns macarons, desta vez de amêndoa e nozes e com recheio de chocolate e café. Pena é o meu forno já não estar nos seus melhores dias, mas mesmo assim não ficaram maus de todo.

Bom fim-de-semana a todos!


sexta-feira, novembro 16, 2012

Prazer audio-visual

Fico fascinada com aquelas pessoas que mascam pastilha elástica de boca aberta de forma a que toda a gente sem excepção tenha oportunidade de ver a epiglote, e com uma verocidade sobrenatural como se a sobrevivência de toda a humanidade dependesse disso.

Mas como não depende, podem fechar a boca. Para além de não ser bonito, é algo para o irritante ter de ouvir aquele barulhinho tão típico de pastilha elástica com cuspo a ser amassada enquanto passa de dente para dente - e nós a vermos.


quinta-feira, novembro 15, 2012

Os melhores meteorologistas que eu conheço:

os meus queridos ossos. Qual accuweather, qual meteo.pt, qual quê! Ainda está sol e céu azul, sem ponta de lembrança que poderá chover e os meus braços e costas começam logo numa moínha doida, ao mesmo tempo que guincham: vai chover! E nunca se enganam.

É assim, a idade tem destas coisas.


Curioso...

Ontem à tarde, quarta-feira, fui ao Cascaishopping. Quarta-feira é conhecido por ser dos dias que menos gente se vê neste espaço. Mas ontem, curiosamente em dia de greve, aquilo estava a modos que à pinha. Enquanto que numa outra quarta-feira qualquer eu posso escolher o lugar de estacionamento que bem me apetecer, ontem tive de andar à procura.

Espectacular!

Tudo bem, querem fazer greve, estão no seu direito. Mas tenho para mim que deviam ir à mesma para o seu local de trabalho, como num dia normal. Simplesmente, passariam o dia sem produzir, sem mexer numa única palha. Ai que seca, passar um dia sem fazer nada. Mas isto sim seria um protesto. Fazerem greve para ficarem em casa ou aproveitarem o dia para ir às compras é basicamente rebaixar o conceito de greve como forma de protesto.

quarta-feira, novembro 14, 2012

O que me espera...

Que a Irlanda é um país com temperaturas baixas durante basicamente o ano inteiro e com um clima de caca, já toda a gente sabe. Mas mesmo assim, para país frio, o Inverno acaba por não ser tão agreste como noutros sítios, como por exemplo Londres ou Alemanha, que atingem temperaturas mínimas mesmo muito mínimas. Creio que a grande grande grande diferença é no Verão, em que as temperaturas não sobem muito (praticamente nada). No entanto, nem sequer é assim tão certo que neve todos os anos (pelo menos em Dublin).

Mesmo assim, há uns dias deparo-me com isto, num site Irlandês:



Oh well... vou só ali arranjar um casaco de Inverno como deve ser. 

terça-feira, novembro 13, 2012

Coisas que só a mim me acontecem

Fui ao multibanco fazer uma transferência de poucos cêntimos. Na verdade, esses cêntimos eram para ser poucos Euros, mas aqui a donzela não pressionou o botãozinho dos ,00 com força suficiente e só reparou quando saiu o talão.

Agora imaginem o ar das pessoas à minha volta quando começo a rir sozinha enquanto vejo o papel e apercebo-me do sucedido.

É, é por estas e por outras que eu tenho fama de senil bem disposta.


Aristides de Sousa Mendes, o filme

Ontem à noite fui ver o filme Aristides de Sousa Mendes: Cônsul de Bordéus.

Não gostei, saí da sala incrivelmente desiludida com o filme. Este não faz, de todo, jus ao nome do grande homem que foi Aristides de Sousa Mendes. Em vez de fazerem um filme biográfico deste herói que desafiou o Estado ao assinar 30 000 vistos a refugiados de todas as nacionalidades (destes, 10 000 eram judeus), em vez de se focarem apenas na sua vida - que, para mim, fazia muito mais sentido - acabaram por pô-lo quase como uma personagem secundária e focaram-se mais numa história inventada de um rapaz judeu que vai parar a Bordéus com a sua irmã e onde acabam por se separar.
Não gostei da realização, não gostei dos diálogos fracos e não gostei das interpretações dos actores: demasiado representativas e teatrais. O único que de alguma forma ainda se safou foi o Vítor Norte.
Para além disso, o filme tem vários erros e contradições.

Tenho muita pena, Aristides de Sousa Mendes foi um herói e nem sequer conseguem fazer um filme decente sobre a sua vida - que vai muito para além do facto de ter salvado a vida a tanta gente. Ele próprio teve uma vida pessoal rica e passou por muito. Era escusado terem inventado uma história quando a sua história verdadeira era bem mais interessante.


Bom dia!

Nada melhor que começar o dia com um pequeno-almoço preparado pela mamã: tosta de queijo e um sumo de laranja acabadinho de espremer.

Bom dia!


segunda-feira, novembro 12, 2012

sábado, novembro 10, 2012

À minha vizinha do andar de cima:

eu imagino que deva sentir-se incrivelmente sexy por calçar os saltos altos logo que sai da cama até voltar a deitar-se na mesma, à noitinha/madrugada. Mas peço-lhe encarecidamente para usar umas pantufas e calce os saltos altos apenas minutos antes de sair de casa e que quando chegar outra vez a casa, volte a calçar as pantufas. Se for por motivos económicos, vamos ali as duas ao Continente e eu própria ofereço umas pantufas baratinhas.

Porque se eu volto a acordar mais uma vez que seja com o tok tok tok tok tok tok em eco por cima da minha cabeça, atiro-lhe é com o salto alto à cabeça! É que nem ao fim-de-semana tenho descanso...

Muito obrigada. Atenciosamente,
Vizinha do andar de baixo.






sexta-feira, novembro 09, 2012

Sparky

Quem agarrou no pobre bicho, amarrou-o com uma corda a um carro e arrastou-o é um monstro sádico que merece, no mínimo dos mínimos, que lhe façam o mesmo que fez ao cão.

E o pior é que não há leis que protejam como deve ser os animais. Mas também o que podemos esperar de um país que aplaude práticas não menos sádicas como as touradas?

Recibos verdes

Uma pessoa trabalha para depois ver mais de metade do que recebe a fugir para o Estado e não ter direito a nada, para aqueles que não querem fazer nenhum tenham direito a subsídios de tudo e mais alguma coisa.

Ponham os recibos verdes num sítio que eu cá sei. Sim. Nesse mesmo.


quinta-feira, novembro 08, 2012

Groupon? Jamais!

Lembram-se de há uns meses ter dito que tinha comprado um voucher da Groupon para me ver livre na penugem que habita nas minhas belas axilas?

Pois, esqueçam lá isso. Não fosse a minha querida gillette (sim, que aqui não há nem máquina nem cera que se aproxime), bem poderia parecer um babuíno. Isto tudo porque o processo não estava a correr bem. A primeira sessão correu muito bem, com uma esteticista muito simpática, que me explicou tudo, tudo muito bonito. A segunda já não correu tão bem onde apanhei outra esteticista mais carrancuda. Pelo meio, primeiro que conseguisse marcar estas sessões foi o bom e o bonito (porque eu era uma cliente vinda da Groupon e não uma cliente "normal".)

Depois destas duas sessões, ainda marquei uma terceira sessão mas a uma semana dessa sessão telefonaram-me da clinica a dizer que tinham uma lâmpada avariada, logo que tivessem a bendita, contactavam-me. Resumindo: andei não sei quanto tempo à espera, depois já tinham, depois já não tinham outra vez e depois já era não sei o que mais. Passados 3 meses telefonam-me a informar que eu já podia voltar a fazer as sessões e aí disse-lhes que ja não estava interessada e que queria o meu dinheiro de volta. Da parte da clínica disseram que compreendiam, que tinham mais clientes insatisfeitas e que também iriam pedir o dinheiro de volta.

E aqui começa outra aventura: a clínica diz que é a Groupon que tem de devolver o dinheiro. A Groupon diz que é a clínica. E-mails para aqui, telefonemas para ali e a Deco pelo meio (que, diga-se, também não fez grande coisa - e a quem se faz queixa da Deco, a quem?!).

Hoje acordei a pensei: é um bom dia para ver o meu dinheiro de volta! Lá voltei a telefonar para a clínica onde me informam que as restantes clientes já receberam o seu dinheiro de volta. Hã? Mas eu sou transparente? Envio mais uma vez um e-mail à groupon a explicar a situação, onde recebo uma resposta a avisar que aquele e-mail não será respondido e que eu terei de preencher um formulário no site deles. Ainda fui ver que raio de formulário seria aquele e achei-o tão lindinho que peguei no telefone e marquei o número de apoio que eles têm.

Voltei a explicar a situação, que estava farta de enviar e-mails, de telefonar e só eu é que ainda não tinha recebido o dinheiro de volta. Agora disseram-me que em princípio amanhã já me põem o dinheiro na conta.

Portanto, posso dizer que estou bastante insatisfeita com esta experiência: a clínica não me tratou como uma cliente como outra qualquer (tirando a primeira estéticista que foi mesmo muito simpática), e das vezes que vi e falei ao telefone com a rapariga que costuma estar na recepção só me dava vontade de encher a boca dela com meias sujas de tão antipática e arrogante que era. A Groupon, por sua vez, também foi muito pouco simpática ao primeiro dizer que não tinha nada a ver com o assunto e por de seguida ignorar os restantes e-mails que eu enviei.

Como dizia o outro: JAMAIS!

A masoquista que há em mim

Da saga Twilight, só gostei mesmo mesmo mesmo do primeiro. O segundo achei alguma piada, no terceiro já torci muito o nariz e, se bem me lembro, a palavra que eu encontrei para melhor descrever o quarto foi "pornochachada."

Mas mesmo assim, quero ir ver o quinto e último filme. Já que os vi todos, agora quero saber como é que aquilo vai acabar (não li os livros), mesmo que para isso tenha de ficar ainda mais duas horas a gramar com a sonsa da Kristen e com o bananinha do Rob.


quarta-feira, novembro 07, 2012

Sucumbi às pressões estéticas

e lá experimentei o gelinho. Eu só queria cortar as unhas uma vez que deixei o corta unhas em Dublin e não me ajeito com a lima (só para pequeno retoques, nada mais que isso), e pôr um verniz em cima para ficar com um ar apresentável. E para me mimar, pronto, de vez em quando também é preciso.

Mas a senhora prometeu-me 2 a 3 semanas de descanso no que diz respeito à manutenção unhacal e garantiu-me que eu podia continuar às cacetadas com as unhas e que podia lavar a louça e tudo o resto, ("Quéridaaaaaaa, você vai adôrár!!!!!!"), e para não me preocupar que aquilo não era uma unha falsa colada à minha mas sim um verniz especial - na verdade foram uns 5 vernizes diferentes e não sei quantas camadas em cima de cada.

E pronto, parece-me bem. Passado um dia ainda tenho o verniz por inteiro o que já não é nada mau. Agora vamos lá ver é se isto dura mesmo três semanas.


Sinto-me burra

sempre que tenho de ir ao site das finanças e/ou da segurança social. Quer-me parecer que estão mais interessados em mostrar que sabem palavras caras e conceitos próprios do que em explicar realmente, de forma clara e sucinta, as mais variadas informações que uma pessoa possa estar interessada em obter.


terça-feira, novembro 06, 2012

Mais um ano em cima de mim

De um minuto para o outro fiquei um ano mais velha. Acho isto de uma violência extrema. Ainda ontem tinha 26 anos, e hoje já tenho 27. Fazer anos já não tem o mesmo encanto, já estou a chegar perto dos 30 e até aos 40 é um instantinho. Quando der por mim, já terei 90 anos (oxalá) e a vida passou a voar até porque já nem me lembro que idade tenho, eu voltei a usar fraldas, ninguém tem paciência para me aturar mas desculpam-me pelo P.D.I., tenho a minha dentadura dentro de um copo com água, falo com a televisão como se ela me pudesse responder, critico as modernices desses tempos e queixo-me que "no meu tempo os mais novos respeitavam os velhos."

Se calhar fazia-me bem não sofrer com tanta antecedência...

Então, Parabéns a mim!
E que ganhe o Obama!



segunda-feira, novembro 05, 2012

Coisas que me fascinam

Carros smart a ocuparem duas faixas da estrada. Imagino se conduzissem camiões...

domingo, novembro 04, 2012

Bem vindo T.!

Hoje às 00h01 veio a este mundo o pequeno T, com cabelo castanho e sobrancelhas ruivas e olhos achinesados. É o meu segundo sobrinho e estou super contente pelos papás.

No meio de tanta desgraça, de tanta crise, de tanto tudo, ao menos estas pequenas maravilhas para alegrarem a vida das pessoas. Para mim, ainda melhor porque são as maravilhas dos outros e eu sou a titia fixe :)

Bem vindo T.!


sexta-feira, novembro 02, 2012

Às pessoas da minha vida

Ontem cheguei a Lisboa, onde vou cá ficar umas semanas. Os motivos que me fizeram vir até aqui podem não ser os melhores, mas pelo menos dá-me a oportunidade de matar saudades da família e dos amigos. A parte pior é ter de ficar mais algum tempo longe do Gambuzino. É assim, estou cá e tenho saudades dele, estou lá tenho saudades das minhas pessoas. Não é fácil, mas ninguém disse que seria.

Ontem foi, por isso, um dia cheio de emoções: deixei Dublin a chorar por ter de ficar mais algum tempo longe do meu Gambuzino, mas cheguei a Lisboa e tinha no aeroporto à minha espera a minha querida amiga C., que me fez a surpresa de ir lá ter para me abraçar quando eu chegasse. Logo de seguida chegou o meu irmão e a minha cunhada com sorrisos de orelha a orelha para me levar a casa. Aqui chegados, tinha a minha tia, o meu primo e os meus pais que me encheram de mimos, de beijos, de abraços. Almoçámos todos juntos, a contar as novidades de cá, as descobertas de lá, a relembrar momentos nostálgicos e a idealizar um futuro mais animado. Pelo meio ainda falei com a minha sogra por telefone, onde me deu as boas-vindas com uma alegria que mais parecia que estava ao meu lado e não do outro lado do telefone.
À noite a minha querida Pat chegou cá em casa a correr e ainda não tinha passado pela porta dentro já me estava a dar um abraço forte, cheio de carinho e amor.

Estou em Dublin ainda só há dois meses, mas se por um lado as saudades já são mais que muitas das minhas pessoas, por outro fico com o coração quente por saber que tenho a melhor família e as melhores amigas que poderia alguma vez ter. Não que já não soubesse, sempre soube, mas agora é diferente.

Às pessoas da minha vida: muito obrigada por todo o carinho e força que nos têm dado! E todos vocês, que estão aí do outro lado do ecrã, também um muito obrigada por me acompanharem nesta aventura*