terça-feira, abril 16, 2013

Uma grande falha humana

É sabido que o corpo humano é uma máquina bem oleada e com funções incrivelmente avançadas. Mas não é perfeito. Um exemplo disso, para além do facto de chegarmos a uma idade em que as nossas células deixam de ser renovadas até ao momento em que todos os nossos orgãos deixam simplesmente de funcionar, é a incapacidade do nosso braço não esticar. E isto é uma grande falha de design humano. Toda a nossa vida seria muito mais simples e fácil se nós tivéssemos essa capacidade. Vejamos:

- Eu, pessoa de estatura baixa, vejo-me em grandes problemas quando vou a uma casa-de-banho pública com sensores de luz instalados em tectos altos. Já dei por mim, mais vezes do que gostaria, aos pulinhos e a esbracejar violentamente, completamente às escuras porque a luz desligou-se. Se o braço esticasse, bastava acenar e voilá.

- Para conseguir chegar àqueles sapatos giros que se encontram numa prateleira alta da Zara, sem fazer figuras parvas como tentar apoiar todo o corpo numa prateleira baixa e acabar por ver tudo o que está nessa prateleira voar quando ela dá de si. Sim, era mais fácil colocarem a prateleira mais abaixo, mas parece que todos os decoradores de lojas como esta devem pensar que todas as mulheres são Suecas. Se o braço esticasse, isto já não constituía um problema. 

- Da mesma maneira, dava um jeito do caraças o braço esticar para chegar àquela lata de feijões que está no fundo da dispensa e na prateleira mais alta, e que mesmo já em cima de uma cadeira ficamos a um danoninho de distância.

- Quando entramos no carro, pomos o cinto, ligamos o motor e só aí é que reparamos que temos um papel das previsões, magias e macumbas do professor Xibanga preso no limpa pára-brisas. Abríamos a janela, esticávamos o braço e tirávamos o papel. Escusávamos de ter de tirar o cinto, abrir a porta, sair para tirar o papel ou passar a viagem inteira a tentar ignorá-lo.

- Para agarrar no comando da televisão quando estamos sentados muito refastelados numa ponta do sofá e o comando (ou "rote contol" como eu dizia quando era criança) na outra ponta do sofá. Ou na mesa de café.

- E, o mais importante de tudo: para coçar as costas. Como tudo seria muito mais fácil se o nosso braço esticasse e conseguisse chegar à primeira àquela zona das costas que tanta comichão está a dar. Escusávamos de nos ir roçar aos cantos da casa ou de pedir a alguém para dar uma mãozinha e desesperar em explicações "não, mais para cima, mais um pouco, só mais um pouco para cima... agora foi demais, um pouco para baixo, agora para a direita, não, a outra direita... sim, só um niquinho para o lado... ahhhh aí mesmo.... mas com mais força... aiii, assim arrancas-me a pele!"


24 comentários:

  1. vamo-nos juntar as duas e criar um braço para as próximas gerações de humanos? boa?! :P

    ResponderEliminar
  2. O que eu me ri com isto :P

    1º o texto em si que está um máximo, das coisas que tu te foste lembrar lol
    2º a imagem do bichinho, coitadinho, que também não chega lá :P
    3º o pormenor da "outra direita" haha :P

    Beijocas

    ResponderEliminar
  3. Lol.
    E eu acrescento, deveria ser possível desmontar os braços quando necessário. Por vezes para dormir incomodam um pouco :)

    ResponderEliminar
  4. eheh agora fiquei a entender o que me faz realmente falta! =)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É, eu acho que isto faz falta a toda a gente! :P

      Eliminar
  5. Respostas
    1. Dava tanto jeito... pode ser que daqui uns milhares de anos isto já seja possível, com a evolução das espécies. Mas por agora, nicles :P

      Eliminar
  6. Lol
    Tenho 1,63m e faço todas essas figurinhas! Pareço um desenho animado e que ninguém me peça para descrever o que faço nos Wc's com sensores de movimento...valha-me Deus!
    beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu tenho 1,58... é verdade que chego onde todos os outros chegam, mas por vezes é mais complicado! :P

      Eliminar
  7. Eu também sou mais para o baixinha e normalmente tenho sempre de chatear alguém para chegar aos sítios mais altos, quando não há bancos ao pé!
    Mas o que mais me irrita são mesmo esses papelinhos no carro! Raios se não dava jeito ter um braço que esticasse! :P
    Beijinho*

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Esses papelinhos são o demo! É que só reparo neles quando entro no carro! Bah!
      Beijinhos*

      Eliminar
  8. Eu também sou baixinha, mas quando quero chegar a sítios altos pego num banquinho :D

    Mas realmente dava jeito um braço que esticasse quando fosse preciso!

    ResponderEliminar
  9. É verdade sim. Mas a minha avó arranjou solução para parte do problema. Não é maleável nem dobra. Eu chamo-lhe extensão de braço. Quando ela quer acender a luz (o interruptor fica mesmo por cima da cadeira dela) agarra na bengala, estica para trás e voilá. Não foi desenhada para o efeito mas serve XD

    ResponderEliminar
  10. Concordo! Dava mesmo jeito em certas ocasiões um braço que esticasse. Isso ou umas molinhas nos pés, tipo Inspector Gadget, para chegar onde quero... :p

    ;)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ahahahah isso das molinhas também me parece bem :D

      Eliminar
  11. Pois. Eu sou bem baixinha e tenho muitos desses problemas. Mas o que nos tiraram em tamanho dera-nos em inteligência, não te parece?! ;))

    bjs

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oh yeahhhhhh! Super smart! ahahahah :D
      Beijinhos*

      Eliminar
  12. Olha, ainda não tinha percebido o porquê dessas luzes dos wc's públicos desligarem com uma pessoa lá dentro, sempre pensei que fosse uma modernice mal inventada LOLOL, afinal é porque sou baixinha :P

    ResponderEliminar

Gambuzinem