sábado, junho 29, 2013

sexta-feira, junho 28, 2013

quinta-feira, junho 27, 2013

World War Z

Pois... mais do mesmo. Não é que seja mau, até porque há momentos bastante interessantes como certos diálogos, momentos de puro suspense - o filme é impróprio para cardíacos, é a mais pura das verdades! - e os efeitos visuais são realmente muito, muito bons, mas de uma certa maneira fiquei um pouco desiludida. O início e o fim são demasiado precipitados, há ali umas contas mal feitas, e os zombies são iguais a todos os zombies de todos os filmes do género. É aquele tipo de personagem tão estereotipado que, nem com toda a caracterização medonha, mete medo algum. Há alturas, inclusive, que se torna bastante cómico ao ponto de bater o dente - quem já viu o filme, há-de perceber o trocadilho.

Verdade seja dita, ainda não vi um filme de zombies que superasse o 28 Days Later.

Agora, o sacaninha do Brad Pitt tem quase 50 anos e ainda anda ali pelas curvas. Confesso que até nem desgosto de o ver com aquele cabelinho lambido de vaca. Pronto, coisices minhas.


Good morning, Sunshine!



Mas espera lá... onde é que ele - o sol brilhante, como vem traduzido numa das "notícias" do Correio da Manhã (menos Google Translate, meus senhores jornalistas) - anda? É que por aqui, só sombras, sol nem vê-lo.

quarta-feira, junho 26, 2013

É tudo uma questão de Marketing

Jove, empunhares um copo de papel de café numa das mãos para pedires esmola enquanto falas e seguras o telemóvel com a outra mão - melhor dizendo, um smartphone - não me parece que seja bom para o negócio. É que a imagem com que te apresentas, gadgets incluídos, contam bastante.
Conselho meu: põe o telemóvel no silêncio e guarda-o no bolso.


terça-feira, junho 25, 2013

Últimos filmes vistos

The Purge
The Purge passa-se em 2022, nuns Estados Unidos da América em que o desemprego e a criminalidade são praticamente inexistentes. Isto porque durante uma noite por ano todos os crimes são permitidos. Por um lado há quem defenda essa noite, mas por outro lado há quem seja contra por não ser tanto uma noite em que se possa purgar os seus instintos mais maléficos mas sim uma forma de eliminar as pessoas mais desprotegidas, os mais fracos, os mais carenciados, tudo de uma forma legal.
Numa dessas noites, o filho mais novo da família Sandin, que não concorda com essa noite, deixa entrar um sem-abrigo em sua casa, procurado por um grupo que quer matá-lo. Aqui começam os problemas: a casa com protecção de máxima segurança afinal não é assim tão segura e tudo fazem para conseguir matar o sem-abrigo e a família Sandin.

Eu até que gostei do filme mas achei que tinha espaço para mais desenvolvimento - até porque não dura sequer uma hora e meia. Com o Ethan Hawke, Lena Heady e Max Burkholder.




Star Trek Into Darkness
Eu gostei, mas também sou suspeita, visto que gosto de filmes de ficção científica - vá-se lá saber o porquê, curiosamente não acho tanta piada à Guerra das Estrelas... Este filme foge ligeiramente daquilo que é normal para o Star Trek, que se resume, basicamente, nas peripécias de um grupo de exploradores do espaço. Desta vez, a história vai mais além, onde estes exploradores fazem o que é preciso para salvar o planeta de uma ameaça poderosa.
Gostei da história, gostei dos efeitos especiais e gostei do elenco - e adoro a personagem do Mr Spock!
Com Chris Pine, Zackary Quinto, Leonard Nimoy e Zoe Saldana.

Live Long and Prosper!



Man of Steel
Esta versão do Super-homem é, sinceramente, das melhores que já vi. Por vários motivos: não é tanto um filme só e unicamente sobre super-heróis, mas começa já a ter também influências de ficção-científica; é um filme mais negro e com uma carga emocional mais forte do que é costume nos filmes do Super-homem; os efeitos especiais são brutalíssimos; finalmente meteram as cuecas no sítio certo: por dentro do fato! E o elenco é excelente: Henry Cavill, Kevin Costner, Michael Shannon, Diane Lane. O que eu menos gostei no filme foi a personagem da Lois Lane que, para além de não ter grande piada, é  protagonizada por Amy Adams - não sou nada fã dela.





Stuck in Love
De vez em quando aparecem estes filmes que não damos nada por eles mas que acabam por ser uma grande surpresa, pela positiva. E fomos apenas ver este filme porque, dos que ainda não tínhamos ido ver ao cinema, era o que nos parecia não ser o pior.
Um escritor conhecido que não deixa de pensar na sua ex-mulher, a sua ex-mulher que seguiu em frente mas que tem as suas dúvidas, uma filha cínica em relação ao amor, que acaba de lançar o seu primeiro livro e que vive revoltada contra a mãe, e um filho adolescente também ele aspirante a escritor, que a conselho do pai decide sair do seu casulo e viver outras experiências.

Com Greg Kinnear, Jennifer Connoly, Kristen Bell, Lily Collins e Logan Lerman.



The Iceman
Baseado em facto verídicos, Michael Shannon, que está brilhante neste filme - como sempre - faz de Richard Kuklinski, um marido preocupado, um pai atensioso e - sem a sua família e amigos próximas terem a mínima ideia - um assassino professional. Presume-se que, na vida real, tenha assassinado mais de 100 pessoas.

Um filme muito bom! Para além do Michael Shannon, também conta com a presença de Winona Ryder, Chris Evans, Ray Liotta, David Schwimmer - foi um pouco estranho ver o Ross, do Friends, a fazer de mafioso - e com uma curta presença de James Franco.



Snitch
Dwayne Johnson - também conhecido por The Rock, devido à sua carreira no wrestling - faz de um pai que, para ajudar o seu filho acusado de tráfico de drogas, decide infiltrar-se numa rede de tráfico de drogas.
Ficou um pouco aquém das minhas expectativas. Apesar de até ter bons actores, de uma história interessante - e supostamente também baseado em factos verídicos - achei o filme um pouco parado. Mas mesmo assim, vê-se bem.



Behind the Candelabra
Steven Soderbergh desta vez traz-nos um filme sobre o relacionamento entre Liberace - um dos pianistas mais famosos de sempre, não só pelo seu talento mas também pela sua excentricidade - e Scott Thorson, um jovem bastante mais novo que o pianista. É um filme maravilhoso, com um ritmo perfeito - tão típico nos filmes de Soderbergh - com momentos incrivelmente cómicos mas com momentos igualmente sérios e comoventes. Michael Douglas faz de Liberace - não me lembro de ver um filme onde Douglas estivesse tão maravilhoso como neste - e Matt Damon faz de seu amante, Scott Thorson - igualmente magnífico.
Este filme, nos Estados Unidos, mesmo depois de já terem sido feitos filmes como Brokeback Mountain e I Love You, Philip Morris, não passou nos cinemas, apenas na televisão, por ter sido considerado "demasiado gay". Enfim, sem comentários.



segunda-feira, junho 24, 2013

Aquele momento // Sabes que estás a ficar senil quando...

estás sentada a trabalhar no portátil e mexes no rato mas a seta não se mexe. E mexes no rato com mais violência para a esquerda e para a direita. Nada. Serão as pilhas? Seguras mais uma vez no rato mas percebes, finalmente, que algo está diferente. Lembras-te de olhar para o rato: é o telemóvel.


sexta-feira, junho 21, 2013

Brutal! Brutal! Brutal!

De ficar com os olhos em bico!


No primeiro dia de Verão:

Céu cinzento e nuvens feias - Check!
Frio - Check!
Probabilidade de chuva - Check!
Candeeiro ligado dentro de casa por estar demasiado escuro - Check!

Bem vindo Verão!


quinta-feira, junho 20, 2013

Aquele momento...

Quando decides deixar crescer a franja e esta chega àquele tamanhinho estúpido, que não é carne não é peixe, e por muito que tentes pentear para um lado, para o outro, para trás, para a frente, com gancho, com fita... nada fica bem!

quarta-feira, junho 19, 2013

No pain, no gain!

Não fosse eu ter tendência para me tornar numa potencial lontra bem maciça (mas muito fofinha) em que só de olhar para um doce já engorda, nunca faria exercício físico para além das caminhadas que já sou "obrigada" a fazer no dia-a-dia. Eu sei, eu sei, não precisam de me dizer que eu sei que o desporto faz bem a todos, independentemente do tipo de corpo que uma pessoa tenha. A questão é: eu não gosto de fazer desporto.

Não gosto. Não gosto nadinha. Sou aquilo a que se pode chamar de "uma grandessíssima preguiçosa para praticar desporto". Não gosto de ficar sem fôlego, não gosto de sentir aquele cansaço típico de quem exercita, não gosto de transpirar, não gosto! Mas gosto dos resultados. É o típico: no pain, no gain! E o que eu sofro, o que eu arfo, o que eu me queixo ao fazer os vários exercícios físicos. No entanto, já começo a notar certas diferenças, não só no peso, na barriga não tão inchada mas também algumas melhorias a nível da coluna e até ando a dormir um pouco melhor - não fosse o facto de, nesta altura do ano, aqui não haver praticamente noite, dormia ainda melhor. E disto tudo, já eu gosto e muito.

É assim a vidita!


A Vingança dele

Ontem à noite chego ao quarto e vejo Sr. Gambuzino deitado na cama, de barriga para baixo e tapado até à cabeça. Achei imediatamente que algo se passava, então ele que é tão calorento. Não era, simplesmente, nada normal estar todo tapado. Olho para cima da cama, onde antes tinha deixado o pijama mas não estava lá. Vou até à cabeceira, levanto a almofada e surpresa, também não estava ali.

- Pedro, onde é que está o pijama?
- Oh, eu não sei, eu não sei! - responde ele, com a voz abafada por ainda estar dentro dos lençóis e a tentar disfarçar que se estava a rir.
- Pedro, está frio! Onde é que meteste o pijama???
- Já te disse, não sei - diz isto, já sem conseguir conter tanto o riso e já com os olhos e o nariz para fora.

Eu começo a olhar pelo quarto e o que é que eu vejo? As calças penduradas no topo da porta do armário.

Também já a rir-me com aquilo, peço-lhe para ir lá tirar.

- Eu? Eu não vou! Estou aqui tão bem! - responde-me ele, já às gargalhadas!
- Opah, anda lá, eu não chego lá!
- Não, salta!

E pronto, lá tive de andar aos saltos para conseguir agarrar as benditas das calças. Vá lá que a camisola estava pendurada no varão das cortinas, foi só preciso ir para cima da cama e apanhei-a sem grandes esforços.


Teve piada, teve sim senhor. Mas isto, Sr. Gambuzino, não fica assim! Quando menos esperares... hás-de ter o que menos esperas!

terça-feira, junho 18, 2013

Como deixá-lo encavacado

Gambuzino entra de rompante na sala e atira-me com uma proposta, vá, menos decente. Eu, muito calmamente, olho para ele e respondo: "estou a falar com a minha mãe, pelo skype."

Ele, que fica mais pálido do que já costuma ser, posiciona a sua mão à frente da boca, escancarada, e com os olhos muitos esbugalhados pergunta: "estás?!"

Eu, sei nunca deixar de olhar para ele e sem nunca piscar os olhos, numa expressão muito séria digo apenas: "sim." Deixo passar uns segundos para depois, num tom já mais descontraído, rematar com: "mas a chamada foi abaixo!"

Muahahahah!

Causa-me muita confusão

Estava eu a ler esta notícia quando me salta à vista a seguinte frase "(...) Nicolas Sarkozy, que goza de imunidade enquanto ex-Presidente da República". Isto de alguém ter imunidade, pelo motivo que seja, causa-me, confesso, bastante confusão. Chego a ter leves sintomas de urticária com isto.

Não me cabe na cabeça que uma pessoa seja considerada mais que outra no que diz respeito a impunidade. Principalmente só porque ocupou um cargo político. Aliás, o facto de alguém ocupar ou ter ocupado em tempos algum cargo político (do mais alto ao mais baixo nível) deveria significar que essa pessoa tem a obrigação de ser o primeiro a mostrar o exemplo a todos demais cidadãos e que ninguém, mas mesmo ninguém, está acima da lei. A imunidade deveria ser dada, sei lá... a ninguém!

Mas isso sou eu, que ainda tenho a mania que a justiça deveria ser uma "simples" luta do mal contra o bem, quando na verdade tudo depende da pessoa em causa. Nunca do crime.

segunda-feira, junho 17, 2013

O poder da Tarte de Maçã

Este fim-de-semana fiz duas sobremesas. Uma tarte de maçã com passas e amêndoas para Sábado à noite e um bolo de bolacha para o almoço de Domingo.

Ontem de manhã, Gambuzino manda um enorme suspiro e diz-me: "A tarte de maçã que fizeste ontem estava tão, mas tão, mas tão boa! A sério, estava divinal. Eu até pensei para comigo no orgulho que eu tenho em ter casado contigo. Estava mesmo boa pá!"

E ainda não tinha comido o bolo de bolacha eheheheheh


sexta-feira, junho 14, 2013

A minha pouca vontade de vestir o casaco de penas e calçar as botas em pleno Junho, faz com que esta seja a terceira noite consecutiva que decidimos à última hora não ir ao cinema para ficar em casa. Lá fora está frio, vento e chove.

Que grande seca.


A chata. Sim, eu.

Eu sou aquela chatinha que ao ser convidada para uma sardinhada diz "Eu gostava de ir, mas eu não gosto de sardinhas". E quando ouve "não faz mal, também vamos fazer febras", responde "poissssss... não como carne..."

Eu juro que não sou nada esquisita, antes pelo contrário. Tirando uns poucos alimentos, sou até um bom garfo, e é sempre com um grande orgulho que oiço os meus pais dizerem às pessoas que eu nunca, mas nunquinha, dei problemas para comer. Com os meus cinco anos, depois de ter passado férias na casa dos meus avós, disse à minha mãe que tinha passado fome. O motivo: a minha avó numa noite fez bacalhau cozido para o meu avô e para mim, porque pensava que eu não gostava de bacalhau cozido como é normal nas crianças, um bife. Pois eu queria era o bacalhau cozido e acabei por comer o bife muito contrariada.

A minha grande esquisitice, para grande espanto da grande parte da população portuguesa, é não conseguir mesmo! ver (nem cheirar) sardinhas à minha frente e, já não bastando isto, coincidentemente também não sou grande fã de carapau. Mas muitas vezes, nestas sardinhadas, é o que acabo mesmo por comer, visto que já não tenho coragem de dizer "ahhhhh, vais-te rir! Mas também não gosto de carapaus!".


quinta-feira, junho 13, 2013

Caro mosquito:

1580 mm de altura de corpo e mordes-me no olho! No olho! Ainda por cima de noite, quando estava a dormir para não me deixares ter oportunidade de me defender. Cobarde!


quarta-feira, junho 12, 2013

Da greve dos professores

Para já, quero dizer que tenho o maior respeito pelos Professores. Tenho e tenho. Não só pelo trabalho que têm dentro e fora de aulas, mas também por, especialmente nos dias de hoje, terem de aturar criancinhas mal comportadas sem ponta de educação com pais ainda piores.

Mas isto da greve e da guerra entre professores e ministério da educação é um pau de dois bicos. Ambas partes têm razões válidas. Se por um lado é triste ver cortes na educação - e cortar na educação é cortar no investimento futuro de um país - por outro lado há dinheiro muito mal gerido. Se por um lado há professores que se matam a trabalhar, que agem por amor à camisola, que são realmente interessados nos seus alunos, há outros que são uma vergonha para essa classe, que não querem mexer uma palha e que só querem ver o seu ordenado no final do mês. Se por um lado temos turmas com demasiados alunos, por outros temos turmas com 2 e três alunos. Se por um lado é impreterível que haja cortes e que se tenha de mexer em muita coisa que está mal, por outro não deveria haver danos colaterais, com pessoas a levarem por tabela quando não mereciam.

Com isto tudo, só vos digo: eu é que não gostava de ser aluna do ensino básico e secundário nesta altura. Já é um carga de nervos ir a exame, quanto mais chegar a esta época do campeonato e não se ter bem a certeza dos dias ao certo.


terça-feira, junho 11, 2013

segunda-feira, junho 10, 2013

O momento alto do fim-de-semana

Eu poderia dizer que o momento alto do fim-de-semana foi termos tido sol, céu azul sem nuvens e uma temperatura bem fixe (para os padrões irlandeses). Poderia dizer que, exactamente por isso, consegui andar pela primeira vez este ano com sabrinas e não com sapatos fechados como ténis ou botas. Poderia dizer igualmente, que foi o facto de me sentir motivada na operação "adeuzinho barriga" e de continuar a fazer exercício físico. E também poderia dizer que foi termos descoberto um queijo que sabe praticamente ao mesmo que requeijão - e que até é menos calórico.

Apesar disto tudo ter sido óptimo, o momento alto do fim-de-semana foi...

... Rufar dos tambores...

...

...

...

...

...




... Termos descoberto um restaurante Espanhol onde podemos comer Pastéis de Nata! Quentinhos e com canela. E com natas, que aqui metem natas em tudo...

domingo, junho 09, 2013

Sara Norte afirma "Não me considero traficante porque o dinheiro não era meu"

in ionline.

Eu cá afirmo: tão ladrão é aquele que rouba como aquele que fica à porta.

sexta-feira, junho 07, 2013

O susto da minha vida!

Vai uma pessoa à casa-de-banho, descansada da vida, puxa as cuecas para baixo, senta-se na sanita, quando - sorte das sortes, não ter começado a fazer nada antes - puxa um pouco de papel higiénico do rolo e vê a sair daqui de trás um aranha enorme!

E sabem lá vocês o pânico que eu tenho de aranhas! O susto foi tão grande que para além do berro à la Cristina Ferreira, dei um pulo quase até a outra ponta da casa-de-banho - que só por acaso é minúscula, mas isso são pormenores. E fiquei a olhar para a bicha de 7 metros de comprimento (ou ainda mais!), estagnada mesmo ao lado do rolo de papel.

O horror, o pânico e o drama! O que é que eu faço, o que é que faço, o que é que eu faço? Nisto, quando apercebo-me que ainda nem tinha puxado as cuecas para cima, puxo-as numa velocidade supersónica antes que o pequeno monstro ainda saltasse para cima de mim. O que é que eu faço???

Ora, apesar de ter um pânico irracional de aranhas (talvez ter visto o Aracnofobia uma meia dúzia de vezes não tenha ajudado), não gosto de as matar. "Vou buscar a pá e a vassourinha e empurra-a lá para dentro e atiro-a para fora da janela!". Saio da casa-de-banho sempre com vista nela e demoro 5 segundos entre entrar na despensa, agarrar na pá e na vassourinha e voltar a entrar na casa-de-banho. Quando olho para a parede, ela já lá não está! Olho para todo o lado, e nada de aranha! Cadê a aranha?!!!!

Portanto, resumindo, estou aqui numa aflição das aflições para fazer xixi mas sei lá onde poderá ela estar. Pode muito bem estar embrulhada no papel higiénico. Ou no tecto e cair na minha cabeça. Ou... nas paredes da sanita!

Acho que vou pedir para ir à casa-de-banho da vizinha!


Aquele momento...

em que sais de casa, pôs os phones nos ouvidos e só passados cinco minutos é que te apercebes que não estás a ouvir nada...


quinta-feira, junho 06, 2013

É preciso ter lata...

Depois de anos e anos sem dizer uma única palavra, aparece no Facebook com uma mensagem a dizer que "ai e tal, espero que esteja tudo bem contigo, Karina sem acento. Olha, preciso de um favor, divulga lá isto sim? É muito importante para mim. Está bem? Está?"
Na minha cabeça, estou a vê-la a fazer olhos à Gato das Botas, com pronúncia à tia de Cascais e a fazer beicinho.

Mas pronto, eu sou um coração mole e até estou bem disposta...

Dúvidas que me assolam a alma

Como podem estar à espera que uma pessoa acredite na eficácia de um produto de depilação se nos anúncios televisivos as meninas aparecem todas elas de perna já rapada ainda antes de utilizar o bendito produto?

Para anúncios destes deviam seleccionar mulheres com pernas tão peludas que fizessem o Tony Ramos parecer um bebé careca acabado de nascer, mulheres com autênticas selvas tropicais nos sovacos ao ponto de ficarmos à espera que saísse de lá um tucano assustado. E virilhas tão, mas tão... ok, é melhor não ir por este ponto. Mas já deu para perceber ideia, não já?

Podia não ser uma coisa bonita de se ver, mas ficaria mais impressionada com uma gillette que conseguisse desbastar uma perna selvaticamente peluda do que uma perna que já levou não sei quantas sessões de depilação a laser em cima.

quarta-feira, junho 05, 2013

Vitamina D, vinde a mim!

Estando eu num país em que há menos sol durante o ano inteiro do que em Portugal só no Inverno, e que num só dia vemos as quatro estações irlandesas (Inverno rigoroso, Inverno, Outono e Primavera tímida) ontem foi de estranhar que não houvesse uma única nuvem que fosse a manchar o céu. O dia inteiro com o céu azul e o sol a brilhar, e com o bónus de terem estado uns loucos 17º/18º graus de máxima - bem bom para estes padrões! E hoje o dia voltou a acordar assim, com o céu azul e sem nuvens. A ver vamos se isto se mantém.

E é impressionante o que uns raios de sol conseguem fazer ao meu humor: eu trabalho em casa e, apesar de não ter tido oportunidade de sair, o facto de poder olhar pela janela e ver claridade, torna-me no ser mais feliz do mundo. Deixa-me bem disposta, alegre, com outra motivação para tudo, inclusive para ter estado mais duas horas a fazer exercício físico apesar de ainda estar toda partida de Domingo - e na verdade "toda partida" é um eufemismo.

Com sol, tudo torna-se um bocadinho melhor. Para mim, pelo menos.

terça-feira, junho 04, 2013

Ó Mango, lá vens tu com o teu mau feitio!

A escarrapachar na minha cara trapinhos bem bónitos... Isso não se faz pá!








Sabes que estás com saudades de casa quando...

Apesar disto ser uma ilha, não há muito peixe à venda. Salmão, atum, bacalhau fresco (blhec, blhec! bacalhau fresco sabe-me a estragado!) e raia. E de vez em quando lá se encontra dourada e robalo. E camarão, temos camarão congelado à venda (yeahhhh!).
Tendo em conta que eu não como carne, chega a uma altura em que isto torna-se num desafio para mim saber o que vou cozinhar ou pedir num restaurante - e é por isso que ando a ficar cada vez mais vegetariana que outra coisa, porque comer todos os dias atum e salmão também enjoa.

Portanto, hoje acordei e dei por mim praticamente a salivar por ter estado a noite inteira a sonhar com peixe do bom, em especial com Red Fish - que é um dos meus peixes preferidos e que cá não há à venda. Sonhei com Red Fish assado no forno com batatinhas, cebola, cenoura e chilli. Sonhei com Red Fish cozido - sim, sim, eu gosto de peixe cozido. Sopa de Red Fish. Red Fish estufado. Red Fish de mil e uma maneiras. Acordei de tal maneira que se tivesse Red Fish para o pequeno-almoço, acho que comia.

Hummm... Saudades...


segunda-feira, junho 03, 2013

Yeh Jawaani Hai Deewani

Uma das minhas viagens de sonho é à Índia. Sempre tive um grande fascínio por este país, pela sua cultura, pelas cores, pela música, pela dança, arte, tudo! Eu sei que deve ser uma viagem dura e que o choque de culturas é inevitável, mesmo quando uma pessoa já pensa ir preparada. Mas talvez este também seja um dos motivos de eu tanto querer ir à Índia: para mim o melhor de viajar é mesmo conhecer novos povos, novas culturas, novas formas de ver a vida.

Por isso, este meu fascínio pela Índia fez-me ir ao cinema ver Yeh Jawaani Hai Deewai, um filme de Bollywood. E adorei, adorei, adorei! Adorei as danças, as músicas, as interpretações, os locais, as cores... tudo!

Yeh Jawaani Hai Deewai conta a história de Naina, a típica rapariga marrona e certinha, estudante de Medicina, que à última hora decide ir de férias com três ex-colegas da escola. Nessa viagem reencontra-se com Bunny, um dos seus ex-colegas. Bunny, o popular, ambiciona conhecer o mundo e Naina ambiciona uma vida calma. Mas ambos acabam por aprender muito um com o outro.

Muito, muito giro!










domingo, junho 02, 2013

O fim do assolapamento crónico

Depois de um Inverno inteiro e uma boa parte da Primavera assolapada o dia inteiro à frente do computador, assolapada no sofá e assolapada nas salas do cinema, tendo como único exercício físico as caminhadas necessárias no dia-a-dia e nas passeatas aos fins-de-semana (o que já não é mau de todo visto que caminhamos bastante e muito raramente andamos de transportes), eu sentia que só isto não era o suficiente e, como tal, decidi pôr um ponto final a esta fase de assolapamento crónico.

Éramos para ir andar de bicicleta mas S. Pedro andou toda a manhã a ameaçar com chuva. E a Wii lá estava no seu canto a sorrir para mim. "Porque não?", pensei para mim. E assim fiz cerca de uma e meia dos mais variados exercícios. Não se deixem enganar pela inocência de uma simples consola de jogos. Primeiro estreei-me no Zumba - maquiavélico! Depois voltei a matar saudades - passado mais de um ano de pausa - da Wii Active. E os exercícios disto não são para brincadeira. Isto não é pêra doce, não é, não senhor. O que vale é que vou ouvindo a voz muito máscula do senhor Instrutor a debitar sábias palavras, tais como "My Grandmother do it better than you!", mas também com uns doces "You did great!" ou "Amazing!"

Agora é continuar isto com alguma regularidade, pelo menos assim que as dores musculares passem - sim que o pior ainda está para vir, lá para amanhã quando eu quiser pôr em pé à frente do outro e não conseguir. Ou quando precisar de um guindaste para me levantar e sentar da cadeira. Ou quando for para me alimentar e ter de comer sopa por uma palhinha por não ter força nos braços.

Bem, portanto, estou consciente que os próximos dias vão ser dolorosos mas quando daqui uns meses tiver uma barriga à Jillian Michaels (cof, cof...)... bem nessa altura deve continuar a doer-me tudo. Mas ok.