quarta-feira, junho 12, 2013

Da greve dos professores

Para já, quero dizer que tenho o maior respeito pelos Professores. Tenho e tenho. Não só pelo trabalho que têm dentro e fora de aulas, mas também por, especialmente nos dias de hoje, terem de aturar criancinhas mal comportadas sem ponta de educação com pais ainda piores.

Mas isto da greve e da guerra entre professores e ministério da educação é um pau de dois bicos. Ambas partes têm razões válidas. Se por um lado é triste ver cortes na educação - e cortar na educação é cortar no investimento futuro de um país - por outro lado há dinheiro muito mal gerido. Se por um lado há professores que se matam a trabalhar, que agem por amor à camisola, que são realmente interessados nos seus alunos, há outros que são uma vergonha para essa classe, que não querem mexer uma palha e que só querem ver o seu ordenado no final do mês. Se por um lado temos turmas com demasiados alunos, por outros temos turmas com 2 e três alunos. Se por um lado é impreterível que haja cortes e que se tenha de mexer em muita coisa que está mal, por outro não deveria haver danos colaterais, com pessoas a levarem por tabela quando não mereciam.

Com isto tudo, só vos digo: eu é que não gostava de ser aluna do ensino básico e secundário nesta altura. Já é um carga de nervos ir a exame, quanto mais chegar a esta época do campeonato e não se ter bem a certeza dos dias ao certo.


16 comentários:

  1. Na escola do meu irmão há prof's ainda do meu tempo (bons prof's) que já sabem que não vão lá ficar e é uma perda enorme. O governo prefere gastar dinheiro à toa do que com que realmente interessa

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois é, isso é verdade. Em compensação também se paga por professores que não andam a fazer a ponta de um corno :/

      Eliminar
  2. Concordo em tudo com este texto, não sendo professora, mas sendo explicadora entendo muito bem também o lado dos professores, todos os dias lhe são retiradas regalias (direitos que adquiriram ao longo do tempo) e todos os dias são mal tratados, se não os ouvem a bem tem que chocar e fazer uma greve deste nível para ver se resolvem algo...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Isso de tirarem regalias, para mim, é subjectivo. Uma pessoa deverá ter regalias se forem merecidas, o que para muitos não são. Os professores do privado trabalham mais horas e não têm tantas regalias. O Estado não pode ser uma máquina empregadora que dá tudo a todos, mas antes um mecanismo que deve atender às necessidades reais de uma sociedade. Se há 30 alunos, para quê 3 professores? 1 basta - eu sempre estive em turmas com 32 e 33 alunos e nunca saí prejudicada, sempre tive boas notas, assim como grande maioria dos meus colegas. Agora, isso também se deve porque os professores tinham autoridade para expulsar os alunos para fora da aula, marcar faltas de disciplina, etc, e ai do pai que se fosse queixar ao professor!
      Posto isto, não deve ser nem 8 nem 80. Devem ficar com os bons professores mas aqueles mais incompetentes e que não fazem falta nenhuma, devem ir realmente para a rua. Todos os contribuintes pagam por esses professores!

      Eliminar
  3. Concordo contigo... Acho que há mais formas de fazer greve sem estar a prejudicar o futuro dos alunos!
    É que o facto de não se saber quando é a data exacta de uma prova desta importância pode dar cabo dos nervos de qualquer aluno! Beijinho*

    ResponderEliminar
  4. Tens razão. No fundo quem se lixa são os alunos que têm de ir a exame. Tenho amigos e familiares professores de gerações diferentes e entendo muito bem a luta desta classe. Também entendo pelo que via em casa que há uns anos atrás ser professor era um privilégio e o professor tinha uma vida muito desafogada, agora vejo por amigos que é cada vez mais dificil essa profissão e no fundo ele estão a lutar não só pelos direitos adquiridos mas também pelo próprio emprego pois são professores contratados que podem ir para a rua já este verão e muitas vezes são também os que trabalham mais e melhor.


    bjs

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Isso é que devia ser bem visto, não deviam mandar embora esses bons professores. Mas há muito professor que não faz nenhum e que vai fazer greve!

      Eliminar
  5. Concordo com tudo.
    Percebo perfeitamente que é a melhor altura para os professores fazerem valer o seu direito à greve porque só nas alturas de mais aflição é que normalmente há cedências, infelizmente.
    Tenho imenso respeito pelos professores. Sempre tive ótimos professores e admito muitas vezes que eles contribuiram imenso para o meu crescimento não só inteletual mas também humano.
    Mas são os alunos que terão exames agora que mais sofrerão na pele. Nem que seja toda a ansiedade da altura em que "só" se decidirá o seu futuro.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A partir do momento em que a greve - qual ela seja - deixe de prejudicar apenas a entidade patronal (neste caso, o governo) para prejudicar outras pessoas que não têm culpa de nada, sou contra. Eu percebo que há professores que trabalham muito e não merecem ser despedidos que vão sê-lo. Mas também há aqueles que se queixam de barriga cheia. E, para mim, a partir do momento em que prejudicam os alunos e o seu futuro, perdem a razão. E o governo também perde porque não cede nem um pouco.

      Eliminar
  6. Concordo. É um pau de dois bicos. Mas sempre achei que as greves prejudicam sempre quem não tem culpa e há outras formas de protestar. A greve deverá ser um último recurso.
    beijinho

    ResponderEliminar
  7. pois é
    a Inês a estudar para os exames de Biologia e Filosofia.
    Quanto a professores, estou com o de matemática entalado (é daqueles que dão aulas á bué e já não se ralam. Faltou uma data de vezes, não deu a matéria toda e só liga aos melhores alunos (porque não lhe dão muito que fazer, é claro)) eu sempre quero ver para o ano quando ela for fazer o exame de matemática - vai ser lindo, vai, vai)

    Beijinhos miga

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Há-de correr bem, vais ver! Boa sorte à Inês :D ****

      Eliminar
  8. Eu sou sempre a favor das greves e realmente ser professor é cada vez mais difícil. Mas prejudicarem os alunos é que não e é assim que eles estão a falhar. Mas fica na consciência de cada um deles.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu acho que a greve de ser sempre o último recurso. A greve deveria ser só forma de prejudicar a entidade laboral e muitas vezes só prejudica quem não tem culpa de nada. Greves públicas até acabam por resultar em poupança de ordenados (e não só) desses dias para o Estado.

      Eliminar

Gambuzinem