sexta-feira, agosto 30, 2013

Aventura nas férias

Apesar das nuvens que acharam piada aparecer ao final da manhã, estava a ser um dia maravilhoso de praia. A água estava a uma temperatura simpática mesmo convidativa a banhos. O sol voltou a brilhar com toda a sua força e potência logo após o almoço. A leve brisa de ar que corria era suficientemente fresca para não derretermos totalmente com o calor. Mas o que são umas férias só com dias perfeitos e sem uma dose de adrenalina?

Por norma vamos para a praia que está mesmo à frente da casa onde estamos instalados mas ontem decidimos ir para uma diferente, na outra ponta da cidade. O meu pai, por sua vez, costuma dar à minha mãe as chaves do carro para ela guardar no saco da praia - típico, andam sempre a queixar-se das nossas malas gigantescas onde pomos tudo e mais alguma coisa mas depois também gostam muito de se aproveitar.
O último ingrediente a juntar a este cocktail Aventura de Verão: o meu pai esteve mesmo para não ir à água à tarde. Mas foi. Com a chaves do carro dentro do bolso dos calções. Chaves electrónicas.
Numa praia noutra ponta da cidade de onde estamos instalados.

Chegámos ao carro a medo. Será que funcionará? Será que não? 

Não funcionou. Só deu para abrir as portas com a chavinha metálica  (que só serve para abrir as portas) que vem dentro da chave electrónica, que serve para ligar o motor. Se acontecer alguma coisa à parte electrónica da chave, só contando com as chaves sobresselentes e se não houver, tem que se falar com a marca e esperar que enviem umas novas. Isto foi o que viemos a saber depois de umas quantas chamadas, inclusive para a assistência 24 horas da marca. 
Após um breve suspiro de alívio, afinal de contas só precisavamos das chaves sobresselentes, caímos na realidade crua e dura: tinham ficado em casa. Em Lisboa. Ok, não faz mal, eu vou de autocarro, peço ao meu irmão para ir a casa dos meus pais buscar as chaves, vai ter comigo entregar-mas e eu volto no autocarro seguinte, digo eu. Não, não vais nada, é uma canseira ires e vires, eu vou contigo, e isto e aquilo. Mães.

Entretanto, o meu pai lembra-se de uma alternativa e trata de a pôr em marcha.

Com isto, precisávamos de regressar às nossas instalações. Telefona-se ao amigo do meu pai que vive perto da praia onde estavamos parados, que diz logo dar-nos boleia até onde fosse necessário. "Muito obrigada! Somos três, eu, a minha mulher e a miúda", diz o meu pai. "A miúda... A miúda é miúda casada!", respondo eu, entre dentes.

O amigo do meu pai podia ter chegado com o Mercedes dele, onde cabiamos todos à vontade, mas estava com uma avaria qualquer. O Porsche, onde já teriamos de vir mais apertados, também estava com um problema qualquer. Portanto, a terceira e última opção, a escolhida, foi numa carrinha daquelas de caixa aberta, para duas pessoas. 

O meu pai vinha sentado praticamente em cima do manipulo das mudanças. A minha mãe vinha mais apertada que uma sardinha enlatada. Se fosse um desenho animado, seria daqueles que estariam entalados num local qualquer, completamente espalmado e com os olhos a sair das órbitas. Eu parecia uma contorcionista chinesa do cirque du soleil, com as pernas viradas para um lado, o tronco para o outro (vinha tão apertada que nem sequer tinha o rabo sentado no banco, vindo meio no ar) e os braços para outro, para se agarrarem na pega ao lado da porta para não voar disparada de um lado para o outro. Juro que por monentos pensei que estava nos apanhados ou num reality show como o Truman Show. Quando finalmente chegámos ao nosso destino, tinha o pé tão dormente que nem sequer conseguia pô-lo no chão. Em compensação, pouco faltava para chorar de tanto me rir com toda a situação.

Neste preciso momento estamos à espera das chaves via autocarro. Já foram despachadas e devem chegar após o almoço. Só espero é que não venham estragadas ou com falta de pilha. Era uma chatice (ui, que chatice!) ter de ficar pelo menos mais uma semana no Sul à espera que viessem uma novas chaves.

5 comentários:

  1. He he he que grande aventura! Bjs e um resto de boas ferias

    ResponderEliminar
  2. Ahahahaha...que cena hilariante. Imagino que na altura não tivesse tanta piada, mas agora têm uma bela história para contar. ;)
    beijinho :)

    ResponderEliminar
  3. Que aventura. E era uma boa desculpa para ficarem mais uma semaninha de férias. ;)


    bjs

    ResponderEliminar
  4. Xi... espero que a oisa tenha corrido bem! Beijinhos*

    ResponderEliminar
  5. Ahahahah, que grande aventura mesmo. Quando voltares para Lisboa, avisa :D

    ResponderEliminar

Gambuzinem