quarta-feira, setembro 18, 2013

Motto of the day


Ao longos dos tempos tenho vindo a aperceber-me que ignorar, muitas vezes, é uma arma poderosa: nem eu me chateio tanto (vá, não gasto a voz), nem a outra pessoa, que diz e faz as coisas com aquele cunho de chico-espertismo ou por pura maldade, não tem possibilidade de se defender. O pior é mesmo o depois, o não me esquecer das coisas e ficar a pensar, e pensar, e pensar. A remoer no assunto. No fim, vale tudo ao litro, essa é que é essa. Mas isto tem de ser com baby steps, não posso pensar que consigo ignorar e esquecer só porque quero. É um trabalho pessoal em progresso permanente.
Mesmo assim há alturas em que tenho mesmo vontade de mandar a bela da boca e calar certas pessoas, e nem sempre consigo conter-me: respira fundo; conta até dez; cem é melhor; não ataques... não ataques... Morde! Tenho a noção que sou pequena mas que tenho o feitio de um pugilista descontrolado. Pode ser que daqui uns anos esteja num estado zen de tal maneira que consiga controlar melhor estes meus impulsos. Até lá, vou trabalhando o melhor que consigo para não deixar os idiotas arruinarem o meu dia.

9 comentários:

  1. OMG! Tens o mesmo temperamento que eu! É muito difícil controlar o pugilista que há em nós, não é? Eu sei. Já fui uma pessoa mais enervada do que sou. Também tive de aprender a controlar a emissão de bocas, para limitar os estragos. Mas há dias, que por qualquer motivo, não somos capazes de ficar caladas, e de repente ficamos violentas. Ainda há bem pouco tempo atrás, cheguei ao ponto de pegar na tranca do carro, que está sempre por perto, e podia ter sido muito, mas mesmo muito violento, o homem quando me viu capaz de tal acto, mudou logo de discurso, eu respirei fundo e tentei controlar a fúria. É que no momento pode saber bem, mas depois percebemos que podíamos, devíamos ter mais controlo nestas reacções mais violentas. Cheguei à conclusão que não vale a pena dar troco a pessoas idiotas, elas serão sempre idiotas :S Quando sinto o Hulk que há em mim a tentar vir ao de cima, respiro, relativiso a situação e concluo que não vale a pena gastar a minha energia com idiotas :)
    Vá, respira, imagina um local onde te sentes bem, e amanhã é outro dia.

    ResponderEliminar
  2. Sei bem o que é isso... Parece que às vezes um belo murro na cara era o melhor e atenção que eu sou bastante pacifica, mas de vez em quando não dá para controlar!

    ResponderEliminar
  3. Eu gostava de ser zen, gostava. Mas se me tiram do sério não há nada a fazer e digo logo o que penso. Bem sei que certos idiotas só merecem mesmo é desprezo, mas por vezes é dificil.

    bjs

    ResponderEliminar
  4. Mas é que é mesmo assim. Eu tenho muita calma e paciência, não sou nada nervosa, mas quando me tentam estragar a vida, alto e pára o baile. Torno-me num furacão. Entretanto já fiz muitas melhorias, e acredita, ignorar muita das vezes é mesmo o melhor remédio.

    ResponderEliminar
  5. Se tivesse um cêntimo por cada medíocre com que já me cruzei, estaria rico.

    ResponderEliminar
  6. Tu tens muito potencial para isso e como tal ainda podes evoluir muito. So tens que aprender com o mestre. E tu bem sabes quem e.

    ResponderEliminar
  7. Epáh, comigo não consigo. Começo a pensar, a remoer no assunto, no que deveria ter respondido. Mexe comigo isso. Espero um dia fazer ouvidos moucos, oh oh. Viveria com certeza mais anos.

    ResponderEliminar
  8. Pois, eu própria trabalho muito nessa questão também.
    Depende muito da pessoa com quem se passou a situação e mesmo do que envolveu, mas ãs vezes mais vale deixar arrefecer e depois decidir e falar para não se guardarem ressentimentos. Se a pessoa nao valer a pena, eu nem gasto energia. Risco e passo à frente.
    Força querida, afinal até tens um mestre:)

    ResponderEliminar
  9. Às vezes também não digo nada e fico a remoer xD
    Mas o mais importante é que não me esqueço mesmo depois de deixar de remoer, quando for preciso digo tudo de uma vez.

    ResponderEliminar

Gambuzinem