quinta-feira, outubro 31, 2013

A namorar...

estas coisinhas!

Fat Face

Columbia


Alice Hannah - Asos

Os casacos porque quero arranjar um suficientemente quente para que não tenha de andar sempre com mil e uma camadas por baixo e de preferência que não seja de penas. Segundo os comentários que tenho lido de ambos, tanto um como o outro parecem ser uma boa opção. E o gorro porque é giro, pronto.

quarta-feira, outubro 30, 2013

Rio? Choro? Já não sei...

Deixem lá ver se eu percebi: há uns tempinhos atrás, o senhor primeiro-ministro (sim, que lá por estar zangada com ele, não quer dizer que eu vá ser mal educada e não o trate por senhor e que comece a chamá-lo de outros nomes mais depreciativos, se bem que era o que ele merecia) disse aos jovens para emigrarem. Era o melhor que faziam, desanuviava o desemprego em Portugal, desanuviava a segurança social de subsídios, e seria uma boa oportunidade para os jovens arranjarem trabalho e não ficarem parados. A mim, na altura pareceu-me no mínimo uma provocação um primeiro-ministro dizer aquilo. Diria eu, uma leiga em economia, que investirem em políticas que criassem emprego de forma a que houvesse mais gente a receber e, consequentemente, mais gente a pagar impostos e mais gente com mais poder de compra era melhor que mandar gente para fora. Mas tudo bem.
Agora o senhor primeiro-ministro quer criar uma agência que atraia imigrantes e trave a saída de jovens. Vão gastar milhares para uns amiguinhos (jobs for the boys, oh yeah!) Para travar aquilo que o senhor primeiro-ministro incentivou em tempos.

Já faz lembrar aquele que hoje é senhor presidente da república que disse há pouquíssimos meses que Portugal tinha era de investir na agricultura e pescas, visto ser o futuro, quando foi ele enquanto senhor primeiro-ministro que acabou com isso tudo.

Eu já nem sei se ria se chore com tanta palhaçada.

Aquele momento...

em que estás deitada no sofá a ver televisão e um dos teus trezentos e quinze brincos que tens na orelha lembra-se de ficar preso a uma linha da almofada...


Bendita equipa de salvamento (Gambuzino) que após 10 minutos de pura dor (quanto mais mexia, mais presa ficava a linha ao ponto de já não sentir a orelha) apareceu munido de apetrechos necessários (tesoura) para cortar a linha, resgatar a minha orelha e livrar-me da trabalheira que seria tirar e voltar a colocar o piercing (uma argola que fecha com uma bola).

terça-feira, outubro 29, 2013

Governo quer limitar ainda mais o número de cães e gatos por apartamento.

Aqui.

Óptimo, pode ser que para dar o exemplo comecem com o Parlamento.

Fora de brincadeiras: podiam perder tempo em criar leis que tivessem a ver com o bem-estar directo dos animais, que os defendessem, que punissem como deve ser quem os maltrate e os abandone. Mas não. Como sempre, com este governo tem sempre tudo a ver com quantidade. Nunca com qualidade.

Coisas desta terra #8


Tirando no St. Patrick's Day e nalgumas áreas de certos festivais que tenham licenças, aqui na Irlanda a lei diz ser expressamente proibido beber em público, sendo apenas permitido beber na rua nos passeios que estejam imediatamente à frente dos bares. Portanto, tendo isto em conta e que as bebidas são sempre mais caras nos Pubs, e sabendo que a Irlanda é um dos países onde mais se bebe, podem imaginar que os passeios cá são relativamente larguitos.

segunda-feira, outubro 28, 2013

A minha maldição


Eu até sou uma pessoa relativamente simples a vestir. O meu olho vai sempre para cores mais escuras e para roupas que tenham um corte diferente/original mas sempre com um carácter mais sóbrio. Prefiro depois colmatar com um ou outro acessório, como écharpes (sou fã assumida e tenho uma colecção enorme de écharpes, lenços e cachecóis), relógios e colares. E para ser sincera, também gosto de coisas vintage, mas adiante. Portanto, não gosto muito de coisas demasiado chamativas (só em pequenos pormenores) como roupas demasiado brilhantes ou cheio de berlocoques, etc. Não gosto de misturar padrões. Não gosto de sapatos com saltos demasiado altos, como aquelas aberrações botas da Jeffrey Campbell e não acho que haja uma alminha à face da terra que fique bem com estas coisas calçadas. Não ligo a modas se não gostar delas e não uso só porque é in, porque é fashion, porque este ano usa-se. Ligo, sim, à qualidade, ao conforto e àquilo que me fica melhor ou pior - o que faz com que muitas vezes eu até acabe por gostar de certas coisas noutras pessoas mas não em mim.
Mas, apesar do meu gosto não tão complexo e elaborado, tenho uma tendência praticamente infalível para me dirigir às coisas mais caras que existirem na loja. Podem ser - por norma são sempre - o mais simples mas também são o mais caro. Não sei como é que faço isto nem o porquê, mas o mais certo é isto acontecer como uma maldição eterna ditada por uma bruxa pelintra. Ainda ontem vi O vestido. Simples, super simples, de malha, gola alta, num tom de vinho ou burgandy, segundo os mais entendidos. Mal o vi no manequim fiquei apaixonada pelo dito e comecei logo a imaginar as possíveis conjugações (isto, com aquelas botas, com aquele fio ou aquela écharpe, o gorro que eu tenho daquela cor e aquela mala que eu tenciono trazer de casa da próxima vez que for a Portugal...) Quando o encontrei nos cabides (óh, tão macio! e tem este pormenor aqui que ainda não tinha reparado! óh, eu quero!), tirei a etiqueta, que estava escondida, para fora - e este pequeno gesto fez logo com que eu pensasse isto vai doer..., uma vez que, segundo a minha experiência, quando a roupa é mais barata, a etiqueta está sempre na manga, de fácil acesso), e vi o preço. Ouch. Demasiado. Não, vai ter de ficar aqui. Mas é tão lindo... hummmmm *suspiro.

Sou uma mulher de gostos caros. Damn it.

Fashionable Mondays

domingo, outubro 27, 2013

Que ventania, que violência!

Anda uma pessoa a pentear-se para depois sair de casa e andar a comer cabelo! Cruzes credo!


sexta-feira, outubro 25, 2013

Pára tudo!

Esqueçam tudo o que tinham para fazer para hoje. Desmarquem os vossos compromissos, adiem reuniões, dêem uma desculpa para saírem do trabalho e arranjem quem vá buscar as vossas crianças à escola. Façam uma pausa nos vossos estudos porque isso é o menos. Párem tudo o que estiverem a fazer e vão a correr para os supermercados, hipers, mercearias, lojas de conveniência, onde quiserem, e comprem todo o chocolate que conseguirem comprar.

Os xôres doutores é que disseram e se disseram é porque sabem: novo estudo comprova que chocolate não engorda (...) e que um alto consumo está associado a níveis mais baixos de gordura total (a de todo o corpo) e abdominal.

Oh, haverá lá notícia mais gostosa que esta?

Como assustar alguém em 5 passos

1- O casal estar deitado na cama, a olhar um para o outro enquanto conversa;
2 - Ele estar com o dedo indicador esticado a tocar no nariz dela vezes e vezes sem conta "boiiiing.... boiiing.... boiiiing....";
3 - Ela estar muito atenta à ponta do nariz;
4 - Ele não desconfiar de nada;
5 - Ela, de repente e do nada, rosnar à grande enquanto abre a boca para logo de seguida acabar num grande bate-dentes mesmo à frente da ponta do dedo dele;

Ele abrir muito os olhos de susto enquanto suspira para dentro um "ahhhhhh"!

Bazinga!


quinta-feira, outubro 24, 2013

A descoberta do século

O grande senão de gostar tanto de cebola como eu gosto e de utilizar este ingrediente em quase todas as refeições - um refogado fica quase sempre bem e dá sempre outro gosto - é acabar por parecer uma Maria Madalena no corredor da morte a dias de me atirarem para a cadeira eléctrica: choro que me desdenho. Lá se vai a maquilhaje que fica toda borrada, fico com os olhos vermelhos, depois limpo-me à manga da camisola, fico com pêlos da camisola agarrados às pestanas... o dramalhão!

Mas quando vi isto:


Comecei a ver alguma luz ao fundo do túnel e a pensar que os meus dias de terror culinário poderiam chegar finalmente ao fim. Tenho de descobrir onde é que isto estará à venda!

quarta-feira, outubro 23, 2013

Naked 97% Natural - Para cabelos bonitos e sem prejudicar os animais

Lembram-se deste post? Pois bem, lá me decidi pela Body Shop mas quando há duas semanas dei por mim prestes a acabar com o shampoo e o condicionador, decidi ver se tinha por cá outras alternativas. A verdade é que, apesar de gostar desta marca e de não fazer testes em animais, a Body Shop pertence à L'Oreal, que por sua vez já faz.

Portanto, estava eu na Boots quando encontro Naked 97% Natural, uma marca britânica com poucos anos mas já vencedora de alguns prémios. Para além de não fazerem os tais malditos testes (na embalagem diz mesmo We don't believe in testing on Bambi, Lassi, Skippy, or any other animal), 97% dos ingredientes utilizados são naturais, deixando para trás parabenos, SLS e petroquímicos usados em grande parte deste tipo de produtos. Segundo a marca, preferem reduzir nos produtos tóxicos e investir o máximo que conseguirem em produtos naturais.
Como se isto já não fosse bom, têm a preocupação de utilizar materiais reciclados. Para colmatar: é praticamente a metade do preço dos produtos capilares da Body Shop.

A política da empresa foi, portanto, algo que me fez logo cair de amores pela marca: amigos dos animais, amigos do ambiente e defensores de produtos naturais. Só faltava testar a eficácia dos seus produtos.

Trouxe para casa o shampoo e condicionador para cabelos pintados e depois de algumas utilizações posso dizer que estou mesmo, mas mesmo bastante satisfeita. Pode não fazer tanta espuma como outras marcas - justificado pela ausência de químicos - mas deixa o cabelo realmente lavado, com um cheiro bastante agradável e com um aspecto saudável, macio, solto e brilhante (durante muito tempo, queixei-me que os shampoos deixavam-me o cabelo baço, sendo sempre necessário utilizar outros produtos para dar algum brilho e vida). Até a minha mãe, sem eu lhe dizer nada, conseguiu notar pelo Skype que o cabelo estava mais bonito.
Agora estou curiosa para testar outros produtos que eles tenham!

Para quem quiser, fica aqui o site da marca.


P.S. não, não é um post patrocinado ;)

Bom dia, alegria!

Está sol, eu já me sinto bem melhor - um muito obrigada a todos que me desejaram as melhoras! - e já vamos a meio da semana! Só coisinhas boas!

terça-feira, outubro 22, 2013

Por aqui ouve-se...

O. Senhor. Lenny. Kravitz.
Repito: O senhor.

Um caso de rejuvenescimento


Sábado à tarde, na caixa do Lidl e enquanto a menina da loja passava as cervejas para o jantar que íamos fazer essa noite para uns amigos, olha para mim, inclina a cabeça 32º para a direita, fecha ligeiramente os olhos e pergunta-me se eu podia mostrar a minha identificação. Eu abro muito os olhos, franzo a testa e respondo logo "sim, claro... mas porquê?". Responde-me ela "tens ar de ser demasiado nova para poderes comprar álcool", uma vez que aqui na Irlanda só se pode comprar bebidas alcoólicas a partir dos vinte e um anos. Eu, que já estava à procura do meu cartão do cidadão - esse flagelo das fotografias de identificação! - começo a rir e digo "na verdade até estou prestes a fazer 28 anos...", lá encontro o cartão, aponto para a data de nascimento e mostro-lhe enquanto digo "como pode verificar". Ela abana a cabeça em forma de consentimento e eu, com um sorriso nos lábios e enquanto volto a guardar o cartão dentro da carteira, digo-lhe "bem, de qualquer das formas, obrigada pelo elogio (disfarçado)!".

Horas mais tarde, após o jantar, vamos para entrar num bar quando o segurança barra-nos a entrada. Olha para mim e, com o seu casaco preto impermeável à aviador imitar o Tom Cruise no Top Gun, aponta-me o dedo e diz que precisa de ver a minha identificação. Só pessoas com mais de 21 anos podem entrar. Pronto, lá tive de voltar a mostrar a minha fotografia horrível que tenho quase trinta anos para me deixarem entrar.

A verdade é que, vai e não vai, dão-me menos idade do que aquilo que eu tenho e estas não foram as primeiras vezes em que eu tive mostrar a minha identificação. Mas darem-me uma idade tão tenrinha e duas vezes no mesmo dia foi caso inédito. Não sei se será dos meus genes maravilhosos (para compensar a miopia, e as costas tortas, e os dentes à coelho que muita dor me trouxe para os endireitar...), se será da minha pele maravilhosamente bem tratada com sabonetinho de alcatrão e sem adição de cremes, se do facto de eu ser pequena/compacta, se do frio daqui que conserva. Sr. Gambuzino, diz mesmo que é apenas por me tratar bem (smile). Seja o que for, talvez esteja mesmo a rejuvenescer!

segunda-feira, outubro 21, 2013

Já só cá faltava ela!


Uma mão agarra a chávena de chá de limão enquanto a outra segura o lenço para me poder assoar. Não tem sido um dia muito bonito nem fácil com a visita algo inesperada da senhora dona gripe. É uma metediça que não tem mais nada que fazer e que desta vez tocou à minha porta, a desgraçada, deixando-me um leque vasto de sintomas malditos, desde à dor de garganta, à tosse, dor de cabeça e costas à falta de apetite - sim, desta vez não foi mesmo nada meiga ao ponto de me deixar com falta de apetite! Não tem sido agradável, não senhora, mas já lancei uma acção de despejo a ver se a dita cuja faz o obséquio - que remédio tem ela - de me deixar em paz. Ai, o que eu odeio estar doente!

Captain Phillips

Captain Phillips conta a história verídica dos piratas Somalis que em 2009 invadiram um navio de carga Norte-Americano, comandado pelo Capitão Phillips, enquanto passava pela costa da Somália. É um filme soberbo - não que seja um filme totalmente diferente e original daquilo que já tenhamos visto, mas que está feito, contado e apresentado de uma forma muito bem pensada - e com interpretações também elas soberbas, na falta de melhor palavra.
Tom Hanks é aquele actor que consegue levar-me ao cinema ver um filme só e apenas porque ele entra no dito filme. Mesmo que seja um filme mais simples, corriqueiro, leve, o que quiserem chamar, eu acabo por gostar porque Tom Hanks dá sempre o seu melhor. E, neste filme em especial, ele volta não só a dar o seu melhor como é das suas melhores interpretações de sempre, lado a lado com Forrest Gump e Cast Away - não me admirava, por isso mesmo, que ele voltasse a ser nomeado a outro Oscar - na verdade, por mim ele já tem a estatueta ganha.
Mas seria injusta se não desse créditos aos actores que fazem de piratas, em principal Barkhad Abdi: a química entre a sua personagem, Muse, e o Captain Phillips é algo que nos deixa sem fôlego.

Os momentos de tensão, a dinâmica e química entre as personagens, a forma como é realizado, a banda sonora, a fotografia, os diálogos e a capacidade com que nos consegue deixar com o estômago às voltas mais parecendo que estamos a passar pela situação e não apenas a visualizá-la - conseguiu inclusive que eu ficasse com uma lágrima ao canto do olho e num esforço tremendo para não desatar a chorar, sendo isto algo muito raro acontecer-me - fazem deste filme um dos melhores que já vi este ano.




Fashionable Mondays

Fashionable Mondays


sexta-feira, outubro 18, 2013

Jovens atiram ovos a Durão Barroso durante debate

"Protesto foi motivado pelas políticas da UE em relação à agricultura" in Público.

Ao que isto já chegou. Com tanta gente a passar fome e sem dinheiro para comprar uma caixinha que seja de meia dúzia de ovos, e andam a desperdiçá-los desta forma. Meus jovens só vos tenho a dizer isto: cuspo! É orgânico, biológico e é de borla. Para além de que é bem mais nojento do que atirar uns ovos que podiam servir para fazer umas belas omoletes.

quinta-feira, outubro 17, 2013

Motto of the Day


Não sei se é do meu lado mais realista, aquele que constata que esta afirmação é verdadeira ou se é do meu lado mais positivo, aquele que diz sempre "copo meio cheio" e que dá grandes coças ao meu lado mais negativo, (esse grande sacana que, apesar de não ser um convidado frequente da minha mente, gosta de tentar aparecer de surpresa nas alturas mais sombrias da minha vida), que faz com que eu goste tanto desta frase. Seja do que for, a verdade é que gosto e muito.

quarta-feira, outubro 16, 2013

Uma tentação calórica

Mentalizada que não poderia passar o dia sem fazer nada, acabei por ter um dia bastante produtivo. Para compensar, no início da noite fomos ao McDonalds e ataquei um McFlurry Mississippi Mud Pie que nem gente grande - a continuar a este ritmo, fico mesmo grande (ainda maior) nem que seja de barriga e ancas. Uma tentação de 500 calorias em gelado de baunilha com bocados de chocolate e bolacha mais o topping de chocolate.




Sábado, por isto mesmo, será dedicado à prática desportiva, que é como quem diz, Wii Active. Ou talvez no Domingo, visto que no Sábado poderei ir dar uma voltinha para fora de Dublin. Mas no Domingo não falho!

Num dia como este...

A minha vontade hoje, com este dia tão feio, horroroso, de chuva, frio, vento e céu do mais cinzentão que pode haver, é de não fazer nada. Deitar-me no sofá com uma manta por cima e estupidificar o dia inteiro enquanto vejo filmes e séries e babar-me um pouco para cima da almofada. Parar só para comer bolachinhas e chocolate quente com marshmallows. Mas não. Não pode ser. Para além dos efeitos nefastos que uma dieta dessas poderia trazer à minha pessoa já não muito magra, há trabalho para fazer, coisas para aprender, e projectos que não podem ser dominados pela Preguicite Maior.

Seca.



terça-feira, outubro 15, 2013

O milagre da pele sensível já chegou!

Depois de ter andado a gastar uma pequena fortuna nos mais variados produtos para lavar a minha cara, que, de um momento para o outro e já em adulta, ficou com a pele mais sensível, oleosa e propícia ao acne de todo o mundo, descobri finalmente aquilo que ajuda a manter a pele limpa e saudável: sabonete de alcatrão. Muito posso agradecer ao meu médico de família que para além de ser um génio, conseguiu no ano passado com que eu me livrasse de uma das maiores crises de acne de sempre (tudo à conta do stress) e sem gastar muito dinheiro. Uma pomada e antibiótico líquido específicos e lavar a cara com sabonete como de alcatrão ou de enxofre, que se compra em qualquer ervanária. Trigo limpo, farinha amparo. Passado muito pouco tempo já estava com a cara que era um mimo.

Portanto, agora a rotina passa apenas por lavar a cara (pescoço e ombros) com o sabonete de alcatrão e, caso apareça alguma borbulha, usar durante quatro ou cinco dias o tal antibiótico e a pomada. Basicamente, para a minha cara, quanto menos cremes usar (gel de limpeza incluído) melhor, mesmo sendo apropriados para peles sensíveis e acneicas. Resumindo isto tudo, chego a Dublin e o sabonete que tinha cá deixado, desapareceu "eu juro que não sei o que aconteceu ao teu sabonete", diz-me o Gambuzino. O desespero, o drama, o horror visto que não o encontro à venda em lado nenhum e, ai de mim! que me lembre em mexer num fórmula vencedora e decida ir à procura de outras alternativas. Nananimnanão! Esta coisa da Internet que tem de tão mau mas que também tem de tão bom, serve mesmo para estas coisas: Amazon comigo, procurar, procurar, Sabonete Alcatrão Ach Brito, 1 left, encomenda! encomenda já! e passada uma semana já chegou, que nem um anjo milagreiro.

Podem não entender a minha alegria com a chegada de um sabonete de alcatrão que tem uma cor de burro quando foge e um cheiro, vá, não dos mais atractivos, mas se conseguirem ter uma noção mínima do pânico que eu tenho em voltar ao estado lastimoso em que estava no ano passado (por volta desta altura), em que eu já era uma única borbulha, chegam lá.

E a marca é portuguesa. E a embalagem, convenhamos, é gira. Só por isso, já valeu apena encomendar isto.



A melhor série de sempre

Breaking Bad. É sem sombra de dúvida a melhor série que eu já na minha vida inteira - e, acreditem, viciada fã em séries como sou, já vi muitas.
Quem não conhece, a história centra-se em Walter White, um homem génio da química que dá aulas num liceu e a quem é diagnosticado cancro de pulmão. Sem um seguro que abranja os tratamentos contra a doença, com a mulher grávida e um filho adolescente que sofre de paralisia cerebral, decide começar a produzir metanfetaminas com um antigo aluno seu, Jesse. Pelo meio, um cunhado com quem se dá incrivelmente bem e que é, nada mais nada menos, um agente da DEA (agência policial anti-drogas).
A série é composta por cinco temporadas apenas (snif, snif, queria mais, muito mais!), cada uma delas com 13 episódios, tirando a última com 16.
Se ainda não viram, aconselho vivamente. É uma obra-prima televisiva, recheada de drama, acção, momentos mais cómicos, de suspense e de revelações (Aaron Paul, o actor que faz de Jesse, revelou ser um actor genial, muitas vezes superando o também brilhante Bryan Cranston, que faz a personagem principal, Walter White), com uma história bem escrita e contada, uma realização suprema e personagens com carácter, personalidade, com essência. E em cada episódio vai-se notando uma evolução das personagens e da história em si. É uma série sempre em desenvolvimento, nunca havendo um um único episódio mais aborrecido ou apenas para "encher chouriços".
A série em si é, na realidade, uma droga e das mais viciante. Deixa-nos agarrados logo nos primeiros minutos do primeiríssimo episódio, não nos deixa pensar em mais nada que seja série ou programa de televisão e, quando acaba, deixa-nos de ressaca. Por muito boas que sejam outras séries, como a Teoria do Big Bang e Orange is The New Black (outra série que me deixou imediatamente agarrada mas cuja segunda temporada só estreia em 2014), nada consegue igualar-se a Breaking Bad.
A sério. A melhor coisa televisiva alguma vez vista.



segunda-feira, outubro 14, 2013

Um amor, este meu gambuzino



Estávamos nós a ver um programa televisivo sobre padarias e pastelarias quando ele lança um suspiro e comenta:
- Ahhhh, isto sim era uma profissão para mim! Provador de pão e bolos... como não engordo...
Olha para mim e, com um olhar malicioso e sacana, diz-me - Para ti não! Tu... só se fosses provadora de vegetais!

Fashionable Mondays

Fashionable Mondays

sexta-feira, outubro 11, 2013

quinta-feira, outubro 10, 2013

O que o sono não faz

Ele para mim: nestes dois últimos três dias [...]

Karma is a bitch!


Muitas vezes ouvi a história daquele relógio pendurado na sala da casa dos meus avós. Era um relógio de pêndulo, antigo, de madeira escura e trabalhada que foi resgatado pela minha mãe quando ela era ainda uma criança, contra um futuro impiedoso no lixo. É uma espécie de orgulho da minha mãe visto que hoje em dia aquele relógio ainda existe e, para além do valor monetário que deve ter, é de certa forma proprietário de um valor sentimental ainda maior.
Portanto, à primeira vista, isto é uma história muito gira de um relógio bastante antigo. Mas não é, porque a criatura tem um grande, grande, senão. De quinze em quinze minutos, aquilo toca pequenos excertos da Avé Maria. E de hora em hora, para além de tocar a Avé Maria por completo, toca as badaladas das horas que forem. Ora, escusado será dizer que quando ia passar férias a casa dos meus avós, aquele barulho metálico ensurdecedor a entrar pelos meus ouvidos, era coisinha para me deixar com os nervos em franja. Ainda mais quando, de noite, acordava com aquilo.
Anos mais tarde, o relógio vai para a casa dos meus pais. Uma alegria imensa para a minha mãe e uma tristeza avassaladora para mim e para o meu irmão. É claro que pensámos numa data de esquemas para que o bendito deixasse de tocar as badaladas e a música, mas se nós éramos teimosos contra o relógio, os nossos pais eram ainda mais teimosos a favor do dito. Instalou-se uma espécie de trincheira a ver quem é que ganhava.
Fomos nós e, sinceramente, já nem me lembro o que fizemos para que aquilo deixasse de funcionar - acho que tinha alguma coisa ver com papelinho a prender o pêndulo. Já podíamos dormir, finalmente, em paz sem sermos constantemente acordados com a Avé Maria.

Agora, ironia das ironias, vivo à frente de uma Catedral. Com sinos gigantescos e poderosos a tocarem de quinze em quinze minutos e de hora a hora a mesma música que o relógio tocava, assim como as badaladas. É, cada um tem o que merece. Eu tenho sinos dentro da minha cabeça.

Últimos filmes vistos

O Mordomo


Ok, o filme é interessante no que diz respeito ao Movimento dos Direitos Civis Norte-Americanos. Mas ou mudavam o título - porque o filme, na verdade e na sua essência, não se trata do Mordomo - ou mudavam a história - para se adequar ao título. Para além disto, o pouco que contaram sobre o mordomo, tirando o facto de ter trabalhado na Casa Branca durante 34 anos, é falso. Ou seja, pegaram numa história verdadeira, alteraram os factos para tornar o filme ainda mais dramático que a história original, e decidiram que a vida real do Mordomo era pouco interessante para aparecer tal como foi. Fez-me lembrar o filme do Aristides de Sousa Mendes, em que pegaram numa personagem real num contexto igualmente real e misturaram uma história fictícia pelo meio. A meu ver, totalmente desnecessário.
De ressalvar que a Oprah está impecável e bem mais interessante que a personagem de Forest Whitaker (não me admirava nada que fosse nomeada para os Oscars). De Lee Daniel.


Rush


Rush conta a história verídica entre dois rivais da Fórmula 1 nos anos 70, James Hunt e Niki Lauda. Eu, que sou fã de corridas e de filmes de corridas, pensei este seria apenas mais um filme de corridas mas Ron Howard consegue fazer desta história algo realmente interessante. A história está bem contada, o ritmo do filme é perfeito, a fotografia é maravilhosa, a banda sonora, de Hans Zimmer, é suprema (como sempre), e o elenco é extremamente interessante e surpreendente pela postiva - Chris Hemsworth, Daniel Bruhl, Olivia Wilde. É impossível uma pessoa não ficar presa ao ecrã com esta história.


Prisoners


Kelly Dover, ao ver que a polícia não consegue encontrar a sua filha e a filha de um casal amigo, raptadas na tarde do Thanksgiving, e ao desconfiar de um certo suspeito, decide resolver o assunto por ele próprio fazendo o que for necessário para as encontrar.
É um filme forte, pesado e com uma história algo intrínseca, mostrando até que ponto um pai desesperado é capaz de ir. De Denis Villeneuve, com Hugh Jackman, Jake Gyllenhaal, Maria Bello, Viola Davis, Paul Dano e Terrence Howard.


Diana


Diana conta a história dos últimos dois anos da Princesa de Gales e do seu romance com o cirurgião cardíaco paquistanês Hasnat Khan. Naomi Watts, longe de ser parecida com a princesa Diana, fez o seu trabalho de casa como deve ser ao ficar extremamente idêntica com a sua personagem no que diz respeito aos jeitos, maneira de falar, etc. E pronto, não há muito mais a dizer para além de que, segundo se consta, é um filme baseado em mexericos. Não que seja mau mas vê-se bem em casa. De Oliver Hirschbiegel, com Naomi Watts e Naveen Andrews.


Runner, Runner


Richie, Um estudante universitário, depois de descobrir e arranjar provas que tinha sido enganado pelo site de poker online onde tinha perdido tudo o que tinha, decide viajar até à Costa Rica para confrontar Ivan Block, o empresário desse tal dito site. Ivan Block, surpreendido pela reacção de Richie em não ter ido às autoridades, decide contratá-lo. Passado algum tempo, já com o FBI envolvido, Richie descobre realmente os esquemas de Ivan Block.
Oh, eu esperava muito mais deste filme. A história do filme em si é interessante, o elenco não é mau e é passado na Costa Rica. Mas, para além de um fim algo abrupto, falta ali qualquer coisita para torná-lo num filme realmente bom. De Brad Furman, com Ben Affleck, Justin Timberlake e Gemma Arterton.

quarta-feira, outubro 09, 2013

Aqui, o tempo leva o seu tempo


É mais lento, mais demorado, mais preguiçoso. Aqui, os minutos tornam-se em longas horas. O porquê ao certo disto acontecer não sei bem. Talvez seja uma questão meramente física e Einsteiniana, talvez seja o próprio ritmo da cidade que, aparentemente não sendo mais lento, tenha de se adequar a outros horários muito diferentes dos nossos, em que tudo fecha bem mais cedo que em Portugal, ou talvez seja isto tudo relacionado com o facto de ser uma cidade plana em que conseguimos ir para todo o lado a pé sem grandes queixumes (da minha parte, claro).
O certo é: habitualmente, às oito da noite, estamos a acabar de jantar ou estamos mesmo com o jantar já no bucho e a cozinha arrumada. Durante o dia, faz-se tudo o que se tem a fazer e sem se deixar nada ou quase nada para o dia seguinte. Aqui, sobra tempo como se fosse uma esmola caridosa e várias vezes foram aquelas em que ficámos sem saber muito bem o que fazer a essa esmola - eu, pelo menos, que ainda não estou totalmente esquecida do ritmo alucinante que levava em Lisboa, em que chegar a casa às oito da noite era basicamente um luxo. Não quero dizer com isto que seja sempre assim, que nunca ficamos sem tempo, que não há dias em que parecem uma bala disparada a passar. Também os há, mas para além de não serem tão comuns, são encarados de outra forma, mais relaxada, mais despreocupada.
Aqui o tempo leva o seu tempo e há tempo para (quase) tudo. Não é mau - antes pelo contrário - é apenas diferente ao que estava habituada.

terça-feira, outubro 08, 2013

Motto of the day



Pode fazer ferida, magoar e doer. Pode ser uma chatice. Na verdade, por norma costuma ser mesmo uma m*rda. Mas o segredo não está em fazer tudo certinho mas sim errar o mais depressa. Quanto mais depressa se erra, mais depressa se aprende, mais depressa se ganha calo, mais depressa se se levanta. Porque a verdade nua e crua é esta: são os erros que nos fazem aprender e que nos fazem mais fortes.

segunda-feira, outubro 07, 2013

Pho Viet, PeacockGreen, Churrasco e o Indian Summer

O Indian Summer, o equivalente ao nosso Verão de S. Martinho, chegou há uns dias atrás e tem feito as delícias do pessoal. Não havendo necessidade de se andar com tanta roupa vestida e até havendo alturas em que uma brisa mais fresca pronta a refrescar as faces soube maravilhosamente bem, não tivemos outro remédio senão aproveitar até porque nos próximos dias as temperaturas já devem começar a baixar consideravelmente. Portanto, desde jantar num restaurante Vietnamita, passeatas durante o dia, a voltar a provar whiskey (cá nojo, meu!) numa discoteca, à descoberta de uma pastelaria maravilhosa mesmo aqui perto de casa, uma ida ao cinema, acabar a noite de Domingo num churrasco - para mim, hamburguers vegetarianos, é claro - e pelo meio ter de arregaçar as mangas da blusa porque... porque estava calor!

As fotografias não estão com grande qualidade porque tiveram de ser tiradas com o telemóvel, visto que estou com um pequeno problema com a máquina fotográfica :/

Pho Viet - Crepes de massa de arroz

Pho Viet - Pho (sopa vietnamita), com noodles e camarão

Sr. Gambuzino diz que eu sou o fantoche do meio "com o pêlo todo eriçado!!!!"... hum!

Bagel com humus e queijo de cabra... iammmmy!

Ida ao parque 

Club M

Club M

PeacockGreen, a tal pastelaria maravilhosa!

PeacockGreen

PeacockGreen

PeacockGreen

PeacockGreen

PeacockGreen, sandes vegetariana com legumes mediterrâneos, queijo e salada de cenoura com amêndoas e sementes de papoila

PeacockGreen

PeacockGreen

PeacockGreen

PeacockGreen

PeacockGreen

PeacockGreen

PeacockGreen

O início do churrasco