terça-feira, outubro 01, 2013

O Banco Mágico // Parte II

[Passado algum tempo, as brasileiras começam a falar entre si, olham para o relógio e decidem ir embora, dando lugar a outros dois rapazes.]

Um deles, muito pouco tempo depois de se sentar no banco mágico, vira-se para Pedro e pergunta, em Português: "Tudo bem?"
Pedro, que não os conhecia de lado nenhum, responde timidamente que sim. Where are you from?, pergunta o estranho. Portugal, responde Pedro. F*dassssseeee!, responde imediatamente o estranho. Portugal? From where? Porto? Matosinhos? Vizela? Viseu? Lisboa? Algarve?, dispara o estranho, muito curioso. Lisboa, responde Pedro, And you? You're from....?
Jordania! But we know Portugal! responde prontamente o estranho. O grupo começa a conversar com os estranhos da Jordânia que estavam sentados no banco mágico, que contam terem estudado Medicina em Praga. Um dos amigos de Pedro comenta com o estranho da Jordânia que conhece quem também tenha ido estudar Medicina em Praga. O estranho da Jordânia afirma ter tido colegas de curso portugueses. A Catarina Qualquer-Coisa, que se casou este ano, diz o estranho da Jordânia. A Catarina Qualquer-Coisa? Eu conheço a Catarina Qualquer-Coisa! Foi minha vizinha em Portugal!, diz o português. No way, como é que isto é possível?, diz o estranho da Jordânia, rindo-se às gargalhadas da improbabilidade dele, um estranho da Jordânia, ter ido para Praga estudar e lá conhecer uns Portugueses que eram amigos de um Português a viver actualmente, tal como ele próprio, em Dublin.
A conversa continua com os estranhos da Jordânia que estavam sentados no banco mágico quando se aproxima uma outra rapariga. Alta, magra, loura. A adorada mulher de Pedro repara nela, a ouvir atentamente a conversa entre aqueles dois grupos enquanto permanece em pé, atrás do ex-vizinho da Catarina Qualquer-Coisa e pensa que faz parte do grupo da Jordânia. Talvez seja a namorada de um deles, pensa a adorada mulher de Pedro. Passados algum tempo, a rapariga alta, magra e loura decide abrir a boca e perguntar de eram todas estas pessoas. Um dos grupos diz ser de Portugal e o outro da Jordânia. Afinal a rapariga alta, magra e loura era mais outra estranha, atraída pelo banco mágico. Sit here, sit here honey! responde o estranho da Jordânia. Ela senta-se ao lado dele e, ao perguntarem de onde ela era, responde ser de Queens, New York e estar em Dublin a estudar.

9 comentários:

  1. Estou adorar, é o que tenho a dizer :P Coincidências ;)

    ResponderEliminar
  2. Lol
    Esse banco é mesmo mágico! Algo me diz que a história não fica por aqui :)

    ResponderEliminar
  3. Lol realmente incrível, o banco atrai várias nacionalidades! lol

    ResponderEliminar
  4. =)

    isso é um pouco... estranho e muito engraçado.

    sentir-me-ia noutra dimensão :)

    haverão novos capítulos?*

    ResponderEliminar
  5. Bem esse banco é mesmo mágico! :)
    Conta-nos mais! Beijinho*

    ResponderEliminar
  6. Eu acho que a adorada mulher de Pedro devia andar com uma câmara de filmar atrás, porque isto é muito bom!

    ResponderEliminar
  7. Bem podias escrever um romance sobre o banco mágico, pensa nisso:) hehehehe historias não te faltam!

    ResponderEliminar
  8. Realmente. Este mundo é pequeno. E como acaba a história?! estou curiosa.


    bjs

    ResponderEliminar
  9. Nada acontece por acaso. Isso não são simples coincidências. Esse banco é mágico e maroto. :)
    beijinho

    ResponderEliminar

Gambuzinem