quarta-feira, outubro 02, 2013

O Banco Mágico // Parte III

[Ela senta-se ao lado dele e, ao perguntarem de onde ela era, responde ser de Queens, New York e estar em Dublin a estudar.]

E assim ficam aquelas pessoas todas de nacionalidades diferentes a conversar. Os portugueses com a amiga brasileira encantadora, os estranhos da Jordânia e a rapariga alta, magra e loura de Queens, New York. Esta diz estar em Dublin a estudar porque a família era irlandesa. É, na verdade, um pãozinho sem sal com objectivos bem claros para essa noite (ninguém duvida disso), mas o banco mágico não discrimina ninguém. Fala-se do Sporting e de Benfica, de Cascais, Sintra e da Buraca - you're from Buraca??? pergunta o estranho da Jordânia a um dos portugueses, that's crazy man, ahahahahah!!! -, das discotecas no Algarve. O estranho da Jordânia comenta (baixinho e em português) para Pedro que a rapariga magra, alta e loura de Queens, New York, cheira a bacalhau, que os fez rir às gargalhadas. A adorada mulher de Pedro repara numa terceira pessoa, um homem que aparenta ser chinês. Ele ouve atentamente a conversa sem desviar o olhar, mas não abre a boca uma única vez. No final, a adorada mulher de Pedro percebe que o homem chinês era, afinal, indiano. Não sabe se ouve bem, mas com aquele banco mágico, já não duvida de nada. Fala-se, fala-se até aparecer um irlandês, um senhor baixo, careca e barriga proeminente na casa dos seus cinquenta anos que os informa que o bar irá fechar em cinco minutos, às três da manhã, portanto, para acabarem as bebidas e irem embora.
O estranho da Jordânia comenta logo com Pedro que aquilo nunca teria acontecido em Portugal. Até às seis da manhã, até às seis da manhã a conversar sem ninguém a chatear!, diz ele. A rapariga alta, magra e loura já foi ter com as suas amigas, e o grupo de portugueses, que já tinha acabado de beber tudo o que tinha para beber, despede-se dos estranhos da Jordânia. What's your name?, questiona Pedro. Um diz um nome demasiado estranho e passível de ser decorado pelos Portugueses. O outro responde: "I am Aha." Aha? Perguntam os portugueses desconfiados? "Yes, Aha, like ahahahahahahah!", responde o estranho da Jordania, enquanto se ri às gargalhadas.

Esta noite de sexta-feira no Banco Mágico chega assim ao fim. Com o estranho da Jordânia chamado Aha, o nome perfeito para homenagear aquela noite louca, divertica, cómica e surreal. No mínimo irónico, pensa a adorada mulher de Pedro.

5 comentários:

  1. Oh pah!! Agora fiquei com aquela sensação que falta o final da história!! Então e Aha partiu pela noite dentro e não se vão ver mais? E a loira alta que cheirava a bacalhau? Não vamos saber mais nada dela? E o indiano com ar chinês? O que foi feito dele? Têm de lá voltar, que esse banco mágico é muito interessante :)

    ResponderEliminar
  2. Ahahaha, muito bom! O rapaz da Jordânia não sabe que o bairro alto fecha às 2h, certamente :P Quando voltares conto-te uma história peculiar sobre gente da Jordânia, até lá fica a dica: Não lhes emprestes nem um cêntimo!

    ResponderEliminar
  3. Muuuuito bom! Espero que surjam desenvolvimentos!

    ResponderEliminar
  4. Posso sentar-me nesse banco? Só para ver as maluqueiras que eu diria? Ahahahahah
    beijinho

    ResponderEliminar
  5. Que banco mais multicultural . ;))


    bjs

    ResponderEliminar

Gambuzinem