quarta-feira, fevereiro 18, 2015

50 sombras de falta de auto-estima

Apesar de todo o borburinho à volta dos livros, nunca me senti tentada a lê-los. O tipo de história e as críticas que falavam desta trilogia como sendo pornografia para mamãs, assim como o facto da autora E L James não saber escrever (para isso, bastou a vez em que li um livro do Domingos Amaral) não me encheu as medidas.
Contudo, a minha curiosidade mórbida e masoquista (ãhn, gostaram desta escolha de palavras?) fez com que achasse que perder duas horas da minha existência para ver o filme e perceber realmente do que todos andavam a falar não seria a pior coisa do mundo, lá fez com que eu fosse ver ao cinema as 50 sombras de Grey.

E não gostei. Não achei que houvesse ponta por onde se pegasse.

A pequena Anastasia, que se vê encantada com o poder, influência e dinheiro de Mr. Grey, não passa de uma miúda tão carente e com tão pouca auto-estima que mete pena.
Já ele, Mr. Grey, é um homem tão traumatizado com a sua infância que só consegue ter prazer ao provocar dor às suas amantes. Aconselharia, do fundo do meu coração, terapia psiquiátrica a este senhor. Achei esta história muito mal contada. Não me faz sentido nenhum ver Anastasia confidenciar a Mr. Grey que ainda não tinha sido deflorada porque ainda não lhe tinha aparecido o homem certo para tal e achar que aquele homem à sua frente é o feliz contemplado vencededor da sua desvirginização, mesmo já sabendo do seu pequeno quarto de horrores. Oi? Não estou entendendo...
Não, o enredo não me agradou, achei mesmo deprimente toda aquela subjugação feminina e não consigo ver história de amor alguma mas sim de obsessões e patologias mentais graves, quer da parte dele, quer da parte dela. Não digo que todos que apreciam BDSM sejam doentes mentais - cada um sabe de si e do que gosta e pelos vistos há quem goste de levar tau-tau - mas não há muitas dúvidas aqui que estas personagens precisam de ajuda psicológica: aquilo porque passaram (ela com casamentos sucessivos da sua mãe e ele com uma infância dura e adolescência moldada por uma mulher que não passa de uma pedófila), aquilo que são, é o que os leva a terem atitudes sado-maso.
Bastava Anastasia não ser virgem e não parecer uma sonsa que nem sabe o que é escovar o cabelo, mas sim uma rapariga com alguma auto-estima, com pouca experiência sexual que fosse e com alguma curiosidade em saber o que é na pele BDSM e não passar a vida a sonhar que ela consegue mudá-lo, para a história fazer (algum) sentido. Mas não, a piada é pôr a Gata Borralheira a levar surras de forma consentida e chamar a isto história de amor. Poupem-me.

Em termos de realização, mesmo assim, não foi a pior coisa já vista, havia certos ambientes e enquadramentos até bastante interessantes. Mas com uma história tão má, não há enquadramento que salve.

10 comentários:

  1. Cada vez que leio algures 50 shades of grey, faço um shutdown. É que é automático. Nem acabei de ler o teu post, mas digo-te já que nunca li nenhum livro, nem tenho curiosidade. Qualquer coisa escrita por uma dona de casa recalcada não pode ser bom. Quanto ao filme, não tenho a menor vontade nem a mais pequena intenção de ver o filme. Isto já me aconteceu com o Titanic e a sua banda sonora. Cada vez que ouço a música dá-me vontade de vomitar :S
    http://instagram.com/annabelle_madeira/

    ResponderEliminar
  2. Pronto.... confirmaste as minhas suspeitas, ainda que infundadas (nunca li os livros), sobre o filme, lolol

    ResponderEliminar
  3. espero que o filme surja no warez pois está visto que é dinheiro mal gasto

    ResponderEliminar
  4. Nunca li os livros e não vi o filme. E nem sequer penso em fazê-lo. Tudo o que leio sobre o assunto é mau, o que faz com que tenha cada vez menos vontade.

    ResponderEliminar
  5. é que não entendo é como podem opinar sobre uma história no seu todo quando só viram um filme, ainda faltam mais mas os livros são sempre a alma da história, um filme vai acabar por nunca encher as medidas. acho que nem o vou ver, mas o livro, não tinha qualquer crítica a fazer, estou a gostar.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu não opinei sobre a história num todo, comentei sobre este primeiro filme. E sobre este primeiro filme, achei tudo muito ridículo.

      Eliminar
    2. O livro é lixo, não consegui passar das primeiras páginas, aquilo não é escrita decente de todo... Eu não sou escritora mas sei apreciar boa escrita e aquilo não dá mesmo... Concordo contigo karina e ainda só vi o trailer, são os dois actores tão sem sal que vou esperar a que passe na televisão ou então vejo no avião, mas grátis!

      Eliminar
  6. Li os livros e achei-os cómicos. Mas eu não bato bem da bola.

    ResponderEliminar
  7. Ainda não li a triologia nem vi o filme, mas o teu comentário deixou-me curiosa para ver esse lado psyco da história.

    ResponderEliminar
  8. Eu li o primeiro livro, e posso dizer-te que é um atentado à literatura, escrita, pequena nota, lista de compras do supermercado, enfim, tudo. Nunca li nada tão mal escrito, e como sabes, eu já li MUITO. Por isso o filme não podia ser melhor. :-)
    Acho que o interesse que os livros suscitaram nos E.U.A são apenas o reflexo de uma sociedade altamente conservadora e sexualmente imatura. Já na Europa não se explica mesmo. Go figure....

    ResponderEliminar

Gambuzinem