Pessoas racionais não defendem tradições estúpidas

11:45

Juro que começo a duvidar de nós humanos como seres racionais. Isto é, alguém que mate gatinhos, veja matar, goste de ver matar, que aprove matar, que não faça nada contra matar gatinhos  com a desculpa que "é tradição", é tudo menos racional. Sádico sim. Atrasado (mental e no tempo), também. Racional, não. Porque uma pessoa racional não defende uma tradição só porque é tradição independentemente das suas condicionantes. Uma pessoa racional sabe ver diferença entre o bom e o mau e rejeita o que é de mau, sendo ou não tradição. Uma pessoa racional procura evoluir como pessoa e não estancar no tempo. Uma pessoa racional não mata nada em nome da tradição.


Já dizia a minha avó que quanto mais conhecia as pessoas, mais gostava dos animais. E eu concordo cada vez mais com ela.

E aquelas pessoas...

10:46

 ... Que andam sozinhas na rua e mesmo assim conseguem ocupar o passeio de tal maneira que não há forma de as ultrapassar. Tento ultrpassar pela direita e, não, não dá. Tento ultrapassar pela esquerda e também não há forma. Eu não sei como fazem isso, mas dou por mim a ficar mais impressionada com tal feito do que propriamente chateada.


Facto feminino

13:50

É impossível uma rapariga ir cabeleireiro para cortar o cabelo e ao sair de lá não se olhar a tudo o que é espelho ou espelhado durante, vá, umas boas horas.



Novidades? Eh, nada de mais...

14:22

Por aqui nada de muito novo. Tenho andado bastante ocupada. Não tenho dormido muito, que as 10 da noite ainda há claridade e às 4 da manhã também já há luz. Estores não há, o blackout que temos não é assim tão black nem out grande coisa. Se não fosse a minha venda para os olhos, não dormia mesmo nada.

Sexta-feira bebi um Long Island Ice tea tão forte que ao primeiro gole ía cuspindo o fígado.
No sábado houve jogo Irlanda-Escócia, e a cidade estava repleta de escoceses de kilt. Segundo consta, eles não usam mesmo cuecas e bebem tanto quanto os irlandeses.


Domingo fomos ver uma exposição ao Sciencia Gallery chamada Home\Sick, o que achamos curioso visto ser o que andamos a sentir (home sick é uma expressão usada para quem está fora e sente saudades de casa). Também fomos ao Zoology Museum e mexemos em ossos, caveiras e abrimos frascos com larvas lá dentro. Eu ia-me vomitando com as aranhas e Sr. Gambuzino com as cobras. 
Fomos ao cinema ver Tomorrowland. Eh, nada de especial.
Hoje vamos ao ginásio e estou curiosa para ver se Sr. Gambuzino desta vez não se engana e leva as calças do fato-treino e não as do pijama como da última vez.
Foi pedido ao estagiário para comprar papel higiénico e ele trouxe rolos de cozinha.
E pronto, nada de muito interessante ou emocionante.

Boa semana!

Aquele momento...

11:20

Quando vives na Irlanda e pelo quarto dia consecutivo sais de casa e vês sol...


Quaresma vs José Cid

10:35

Não percebo tanto alvoroço acerca da revista em que Quaresma aparece nu. Ainda este cheirava a leite e José Cid despia-se para uma revista tendo apenas não um quadro mas sim um discozinho a tapar as partes baixas. Não digo que tivesse sido uma visão bonita (eu bem que quis lavar os olhos com sabão azul e branco para ver se apagava da memória aquelas imagens) mas a do Quaresma não é propriamente original.

A minha vida nunca mais tem sido a mesma

12:42


Mas como é que é possível ter vivido 29 anos e meio na absoluta ignorância sem nunca ter experimentado este tão belo e singelo chocolatinho de seu nome Reese's? Eu bem que via estas embalagens laranjas em todo lado mas nunca me tinha dado para experimentar, vá-se lá saber o porquê. Que totó... Com uma camada fina de cholate por fora e recheio de manteiga de amendoim por dentro, numa mistura perfeita entre doce e salgado. A minha vida, depois ter comido pela primeira vez este chocolate, na semana passada, nunca mais foi a mesma. Isto ao ponto de ter decidido adoptar um sistema de datação diferente: A.R, D.R. Como quem diz Antes de Reese's, Depois de Reese's.