terça-feira, agosto 11, 2015

Vai o corpo, fica a alma

Quem disse que uma pessoa se habitua à distância e às despedidas e que com o tempo tudo melhora, não sabia claramente do que falava. 
Custa hoje tanto ou mais como da primeira vez. Dizer adeus é sempre insuportável, é sempre um murro no estômago. A única diferença é na chegada: a cidade já é conhecida, os hábitos de lá não são tão estranhos, já temos um núcleo de amigos, e já se sabe como as coisas funcionam. O período de adaptação já lá vai. Mas a ida... A ida é sempre a mesma coisa. Vai o corpo, fica a alma.

5 comentários:

  1. A minha avó sempre disse "a chegada é muito linda, mas a abalada, ai a abalada..."

    ResponderEliminar
  2. Tenho família fora do país e bem sei que é assim. Não fica melhor duns anos para os outros pelo contrário, as despedidas são cada vez mais tristes e fica um aperto gigante no coração. Uma pessoa que conheço disse-me um dia que a partir do momento em que sais dum país para viver noutro estás lixada para a vida, porque ficarás sempre dividida. Eu nunca senti isso mas compreendo que deve ser assim mesmo.

    ResponderEliminar
  3. Eu não. Eu já me habituei às partidas. Já foram muitas... Já não custa tanto :) mas o regresso é sempre uma alegria :D

    ResponderEliminar

Gambuzinem