Mas serei eu a única?

10:43

A não achar piadinha nenhuma a nova música de Adele?

Eu reconheço que a senhora tem um vozeirão como poucas, mas Hello não me convence.

A vantagem de ter um metro e meio

12:28

Ter comprado um casaco de inverno, fino mas quente, a metade do preço por ser de criança (o modelo é igual ao de adulto). E ainda vem com uma etiqueta no verso para eu poder escrever o meu nome. Catita.

A moça que engraçou comigo

12:53

Fui "assediada", sexta-feira à noite num bar. Por uma mulher. Inglesa. Com Sr. Gambuzino ao lado.


Ela mete conversa e às tantas diz a Sr. Gambuzino: "Your wife is very beautiful!"
Ah e tal, ahah, obrigada... Mais meia dúzia de palavras trocadas quando de repente vira-se para mim:  "Ahhhn, you - ela para mim enquanto mexe num dos trezentes brincos que tenho na orelha - have something in here... From your wool scarf, probably... Let me try to..."
"I'm okay, I'm okay... Ahhh, thanks", respondo eu meio atabalhoadamente enquanto tento ganhar domínio sobre a minha própria orelha.
Nisto estão os nossos amigos a olhar para nós (para mim e para a inglesa), quando a S. comenta "Ó Karina sem acento... Ela está descaradamente a atirar-se a ti! Com Sr. Gambuzino ao teu lado!"
"Pois, pois... Já reparei... E eu até sou um pouco distraída com estas coisas..."

E Sr. Gambuzino? perguntam vocês.

Sr. Gambuzinos estava assim:


Este meu Sr. Gambuzino

10:55

Hoje de manhã, já na rua, comentava eu a Sr. Gambuzino:


- Acho que devo ter comido alguma aranha durante a noite... Para ter acordado à uma da manhã a tossir desalmadamente e com uma impressão na garganta...

Responde ele:
- Olha, não precisavas de ter tomado o pequeno-almoço. Quê? - ao olhar para a minha cara meio aparvalhada - Dizem que é bastante nutritivo!

Assim não há quem resista

11:34

Tenho de cancelar a newsletter da Mango na minha caixa de correio.

Assim não dá, só coisinhas bonitas...






Constatação

16:47

Giríssimo de se ver que as redes sociais estão repletas de gente perfeita que nunca se engana, nunca erra, que nunca tem maus dias, e que diz sempre as coisas perfeitas, no sítio certo e à hora certa.


Só assim se explica a facilidade com que esta gente aponta o dedo, chama a atencão e dispara logo com nomes feios e ofensas àqueles sacanas, desgraçados desta vida, que tem a ousadia de se enganar.

Pois, pois que acredito que foi mesmo um lapso de José Rodrigues dos Santos e a explicação dada faz sentido. Se não tiver sido um lapso, que peça desculpa e que para a próxima não se ponha com piadinhas em pleno telejornal. Pronto, sem grandes dramas. 

O drama, o horror, o pânico!

09:32

Basicamente isto é muito simples: desde que fiz 29 anos, no ano passado, tenho vivido em permanente ansiedade por me encontrar tão perto dos trinta. Eu sei, eu sei, já toda a gente me disse que os 30 não são nada de especial, nenhum bicho papão que me vai comer o braço durante a noite, nem nada que se pareça. Mas são 30 anos em cima do lombo. Fazer 18 é fixe, já se pode votar e conduzir. 20 anos também é engraçado, já se sente um ponta de responsabilidade mas com aquela graça adolescente ainda um pouco colada a nós. 25 ainda tem piada, trabalha-se, recebe-se dinheiro, maior autonomia. Agora 30?! Desculpem, ainda não vi a piada de fazer 30 - oxalá daqui uns meses diga que não percebia o porquê deste meu drama, que ter 30 é o máximo, fantástico, e essas coisas todas maravilhosas. Mas por agora, que ainda estou nos 20's, isso parece-me uma hipótese remota.


Pronto, isto para dizer que ontem a minha mãe lembrou-me que daqui um mês já tenho 30. E, se tenho estado o ano inteiro em drama com isto, ontem foi quando a coisa bateu realmente forte. Poxa, daqui um mês já tenho 30. 

Respira, Karina, respira...