sexta-feira, setembro 30, 2016

quinta-feira, setembro 29, 2016

Facto


Eu sou uma pessoa bastante reservada. Digo o que digo quando quero, a quem eu quero. Da mesma forma, também não faço grandes perguntas, quando me querem contar o quer que seja, eu oiço - talvez seja por isso que, muitas vezes basta perguntar um "tudo bem?" E no segundo seguinte já me estão a contar a vida inteira.
Como tal, não tenho paciência para os cuscos deste mundo. É que quanto mais perguntas me fazem, menos eu respondo. Essa é que essa.

(Sim, para além de reservada, sou torta)

segunda-feira, setembro 26, 2016

Por aqui ouve-se...

Um clássico dos clássicos. Engraçado que até há pouco tempo só conhecia esta música tocada/cantada pelos The Corrs. Descobri a versão original porque achei estranho estarem a fazer um cover dos The Corrs num bar que por norma só passa Rock.



sábado, setembro 24, 2016

Xinapá, há tanto tempo!

Para já, tenho a dizer que este afastamento do blog não foi intencional. Não acordei um dia e pensei que já não queria escrever mais. Foi mais acordar uma série de dias seguidos ora sem grande coisa para escrever, ora sem inspiração, ora sem muita vontadinha. Mas há uns dias acordei com saudades disto. E hoje pareceu-me bem voltar aqui.

Durante este período de isolamento blogueiro, estive de férias, estive com a minha família, fui a uma despedida de solteira, fui a um funeral, fui ao casamento da minha Kiki (que noiva mais linda!), não fiz praia (este ano não me puxou muito), tive uma crise de choro quando fui para voltar a experimentar a saia que era suposto levar ao casamento e, apesar de conseguir vestir e apertá-la, ficava um pouco - bastante! - desconfortável e naquele preciso momento decidi fazer uma dieta (a mesma que diz há uns anos atrás no nutricionista), já não levei aquela saia - apesar de ter perdido 2 quilos até ao casamento - porque ao revolver um baú em casa da minha mãe fui dar com um vestido pelo qual fiquei logo perdida de amores e que, para meu espanto, servia-me. Esse vestido, vim a saber depois de o ter experimentado e decidido levar ao casamento, foi o vestido que a minha avó levou ao casamento da minha mãe, há mais de quarenta anos atrás - era um mulher cheia de estilo, tenho-vos a dizer. Ainda mais apaixonada fiquei por ele. Cheguei à conclusão - mais uma vez, eheheh - que usar saltos altos não é para mim, que é um suplício, que o valor estético que possa dar não compensa o sofrimento que causa aos meus sensíveis pés. Voltei de férias, estou em Dublin,  e está um tempo de caca, o que não é novidade nenhuma.

E pronto. Espero estar de volta aqui ao burgo.

Nós no casamento. O tal vestido que era da minha avó. O chapéu de Sr. Gambuzino foi oferta dos noivos aos senhores.