quarta-feira, maio 10, 2017

Com Gambuzinos destes...

Começa a dar uma música da Gloria Estefan, dos jogos olímpicos, creio eu de Atlanta. E eu começo a cantar com toda a alma e muito pouca voz que tenho. Sr. Gambuzino ri-se. Ou melhor, dá aquele sorriso de troça. Nisto, páro com a minha cantoria e digo "o que queres? Esta música é bonita".
Responde-me ele "ouve-se!"
"Não, não se 'ouve'! É bonita! É dos jogos olímpicos, e os jogos olímpicos fazem-me lembrar o verão e calor. Tudo o que faz lembrar calor, é bonito!", digo eu.
"Sim.", diz ele, "um aquecedor..."


terça-feira, maio 09, 2017

Coisas lamechas minhas

À parte toda polémica à volta da escolha desta canção - que eu até a acho bonitinha e não me lembro de haver tanto sururu com os homens da luta - é um orgulho ouvir português num festival em que todos cantam em inglês.

Coisas minhas, de emigrante.

O meu lado mais irlandês

Dois minutos de sol na cara e é o suficiente para ficar vermelha e com comichões. O equivalente, portanto, a uma lagosta com borbulhas.

sexta-feira, maio 05, 2017

Dos vizinhos hipócritas

Sim, reconheço que estavamos a fazer barulho e já passava das onze da noite. Foi à hora que o meu primo conseguiu chegar e, muito rapidamente, montar a cama que eu tinha pedido para ele transportar na carrinha. Tanto que quando ouvi alguém a porta eu comentei "pois, estamos a fazer barulho e vêm chamar-nos à atenção..."

Só não estava à espera que fosse a minha vizinha do lado que viesse reclamar. Aquela que tem por hábito falar alto e a bom som às tantas da noite. Aquela que me chamou de maluca quando eu dei duas palmadas na parede porque já era meia-noite e tal e ela continuava a falar com o namorado, companheiro ou lá quem ele era.
Nem estava à espera que, quando eu chegasse ao corredor da entrada, para além de ver a fronha dela, ouvi-la a relatar isto ao Sr. Gambuzino como te tivesse sido a única vez que tinha feito barulho e eu tinha logo recorrido à bela da pancada na parede.
Nem ela devia estar à espera que o meu feitio escorpiónico se apoderasse de mim e eu ir até à porta para lhe dizer o irónico que era ela estar-se a queixar depois destes anos todos a fazer barulho durante a noite e madrugada ao ponto de eu não conseguir adormecer e de acordar com a vozinha estridente dela. Impossível! Eu tomo medicação para dormir!, diz ela. Pois, pode tomar, mas que é frequente ouvi-la bem tarde, é.
Isso não sou eu, está a confudir com os vizinhos de cima, responde.
Claro, eu nem conheço a voz dela nem sei de onde vem o barulho...
Além do mais, eu também a oiço!! Sim, sim, a si!
Ai sim? Quando? Pergunto eu.
Com os seus saltos altos!!!

E aqui, meus amigos, esta coisa descamba. É que eu não uso saltos altos. Sabrinas, sandálias rasas, ténis, sapatos rasos e com sola de borracha porque, vejam lá a ironia das ironias, eu não gosto do "toc toc toc" dos sapatos no chão.


Giro, digo eu, eu não uso saltos.
Das, das, das suas amigas!

Por acaso, grande parte das minhas amigas também não usa saltos. Para além de que mesmo que usem, eu não posso controlar esta questão. E para ser sincera, por acaso nem me lembro da última vez que alguma amiga tenha entrado cá em casa. Mesmo que alguém venha cá ter, eu saio de casa e vamos directamente ao café.
Mais, isto aborreceu-me à brava porque eu não sei quem entra nem quem sai do prédio (nem quero saber) quanto mais da casa dos outros. Agradeço a mesma gentileza para comigo.

Pois bem que eu digo que as minhas amigas nem têm vindo cá a casa. Mas que eu a oiço falar ao telefone bem tarde - já cheguei a ouvi-la bem de madrugada.

E é aqui que ela começa a berrar a dizer que eu sou louca.

Pois, eu sou louca - digo eu - boa noite e com licença!
Estou eu a fechar a porta, começa a berrar aos altos berros a chamar-me de louca e mal educada.

Volto a abrir a porta e digo o mais calmamente que consigo que aqui a louca e a mal educada não sou eu. Para a próxima que eu fizer barulho, que chame a polícia que eu farei o mesmo quando for ela. Boa noite.


Dasss!